Em compras acima de R$400,00 o frete é grátis! *Promoção valida para os estados do Sul e Sudeste, Exceto para impressoras 3D

Tag: 3dlab

Tipos de filamentos para impressoras 3D

Tipos de filamentos para impressoras 3D: conheça os principais

Os tipos de filamentos para impressoras 3D disponíveis no mercado são diversos. Podemos trabalhar com PLA, ABS Premium, PETG, Flex e muitos outros. Cada um tem características e aplicações diferentes.


Com o uso crescente da tecnologia de impressão 3D nas mais variadas áreas do conhecimento e da indústria, a escolha correta do tipo de filamento pode ser a razão entre o sucesso ou o fracasso do seu projeto.

Pensando nisso, você saberia dizer quais são as principais diferenças entre os tipos de filamentos para impressoras 3D?

Se a resposta foi não, fique tranquilo que vou te explicar tudo o que você precisa saber para investir no material que melhor vai atender às necessidades do seu trabalho. Confira!

Quais são os principais tipos de filamentos para impressoras 3D?

ABS

Tipos de filamentos para impressoras 3D: ABS

Derivado do petróleo, o filamento ABS é um dos materiais mais utilizados para impressões 3D, sendo ainda mais comum na indústria. É resistente a altas temperaturas e impactos, com visual opaco bastante agradável para peças que necessitam de menos brilho. 

É um material que possui dureza superficial baixa, o que permite um acabamento fácil após a impressão, além de ser solúvel em acetona pura.

Aqui na 3D Lab fabricamos o ABS Premium, uma evolução do ABS comum, que corrige falhas como cheiro forte, warping e imperfeições na adesão entre camadas.

PLA

Tipos de filamentos para impressoras 3D: PLA

Certamente outro dos materiais mais utilizados, o filamento PLA (Ácido Poliláctico) é produzido a partir de fontes renováveis. Então não polui o meio ambiente e não causa danos à saúde. 

Por ser um material de fácil impressão, o seu uso é indicado tanto em impressoras abertas como fechadas, com ou sem mesa aquecida. E, por ter baixa contração (warping), esse material é indicado para peças grandes e que não vão precisar de muitos acabamentos após a sua produção.

Em nossa loja você encontra o PLA, e o PLA Silk, filamentos de excelente qualidade produzidos com a matéria prima da NatureWorks, considerada a melhor do mundo para impressão 3D.

PLA Flexível

Filamento PLA Flexível

Desenvolvido para a fabricação de modelos que precisam de flexibilidade e resistência ao impacto, o PLA Flexível é compatível com qualquer impressora 3D, desde que a mesma tenha mesa aquecida e pode ser imprimido em uma velocidade de extrusão mais rápida.

O PLA Flexível 3D Lab também apresenta uma rigidez levemente superior ao filamento flexível normal e pode ser imprimido com as mesmas configurações do PLA 3D Lab.

PETG

Tipos de filamentos para impressoras 3D: PETG

Por ser um material muito resistente, o PETG é a escolha perfeita para quando é necessário imprimir peças que precisam absorver impactos. 

Como o PLA, este filamento pode ser usado em impressoras abertas ou fechadas, além de não emitir gases tóxicos nem rachar. Basicamente, este material reúne ótimas características do PLA e do ABS, tornando o seu uso em impressoras 3D particularmente especial.

Outro detalhe importante é que, considerado Food-Safe, o filamento PETG é o mais indicado para aplicações na gastronomia e confeitaria.

Veja também Impressão 3D na Confeitaria: Case de Sucesso Thais Dohler

Filamento Flexível

Filamento Flexível

O Flexível é especial pois permite a utilização das impressoras 3D na criação de objetos que necessitam ser mais maleáveis, como palmilhas e anéis de vedação. 

Para imprimir com perfeição é necessário verificar sempre a sua máquina, pois a folga excessiva entre o tracionador e o extrusor pode fazer com que o filamento dobre e a impressão seja interrompida. Fique de olho!

Na 3D Lab também produzimos o filamento Flexível que, diferente do PLA Flexível, é feito a partir da matéria prima TPU.

Filamento de Madeira (Wood)

Tipos de filamentos para impressoras 3D: Wood

Este filamento especial para impressoras 3D é produzido com PLA e fibras de madeira. Permite a criação de peças visualmente bonitas com aspecto rústico, ideais para decoração. 

Para imprimir com o filamento Wood é necessário utilizar um bico com diâmetro maior, a partir de 0,6mm. Isso porque como há fibras reais de madeira, se o bico for de 0,4mm ou inferior a esse diâmetro, essas fibras podem não passar pelo orifício – gerando o entupimento do extrusor.

Filamento Solúvel (HIPS)

Filamento Hips

O HIPS é um filamento solúvel, mistura de poliestireno e borracha. Por ser facilmente dissolvido na solução de d’limoneno. É frequentemente utilizado como material de suporte pois elimina a necessidade da remoção por meio de abrasivos, ferramentas de corte ou outros materiais que podem deixar a sua impressão com acabamento inferior. 

Considerando os parâmetros de impressão, o comportamento do filamento HIPS é bem similar ao ABS Premium.

Nylon

Filamento Nylon

O filamento Nylon é uma opção certeira para quem busca peças resistentes e extremamente duráveis. A sua aplicação é bem parecida com o PETG, ou seja, a criação de peças de alto impacto ou tensão. 

Apesar da grande durabilidade, a temperatura de extrusão do Nylon — entre 255ºC e 275ºC — e a sua grande capacidade de absorver umidade podem atrapalhar a performance na hora de imprimir a sua peça. Em contrapartida, por ter baixo coeficiente de atrito o Nylon é altamente recomendado para peças de movimentação, como engrenagens ou buchas. 

Tritan

Filamento Tritan

Considerado como um plástico de Engenharia, o Tritan tem alta resistência mecânica e térmica. É devido a essas características que ele é muito buscado para a impressão de peças técnicas.

No entanto, uma limitação desse material está na faixa de temperatura necessária para a extrusão, que fica em torno de 300ºC. Essa temperatura é superior à resistência térmica do teflon, material bastante usado na maioria dos extrusores das impressoras 3D mais populares. Por isso, é indicado em impressoras com extrusor All Metal.

PVA 

Filamento PVA

Assim como o HIPS, o filamento PVA é um filamento solúvel. Porém, a solubilidade dele se dá em água. É bastante utilizado como material de suporte, principalmente quando é necessário imprimir peças complexas e com saliências. 

Condutivo

Tipos de filamentos para impressoras 3D: Condutivo

Destinado à Indústria Eletrônica, o filamento Condutivo é, como o próprio nome diz, um plástico condutor com a mesma facilidade de impressão de um PLA comum. Apresenta boa resistência, e sua temperatura de extrusão é de 205 a 230°C.

Alguns exemplos de sua aplicação são teclados digitais, baterias eletrônicas, placas Arduino, alimentação de LED’s, produtos antiestáticos dentre outros.

Vimos aqui que existem muitos tipos de filamentos para impressoras 3D no mercado. Cada material tem vantagens e desvantagens, características nas quais devem ser bem analisadas. Na verdade, cada projeto tem suas especificações e são baseadas nelas que você deve escolher o material ideal.

Observe as informações que colocamos neste conteúdo e veja qual é o material mais adequado para a sua necessidade!

Agora que você já sabe as diferenças entre os principais filamentos para impressão 3D do mercado, entre no site da 3D Lab e confira as nossas ofertas para cada um desses materiais.

Impressora 3D infinita Creality CR-30

A impressora 3D infinita Creality CR-30 vale a pena?

A 3DPrintMill (CR-30) promete uma nova mudança no mundo da impressão 3D! Com ela será possível produzir peças de comprimento infinito como vigas, por exemplo, além de produção de peças em larga escala. Para entender melhor sobre a impressora 3D infinita continue a leitura e confira os benefícios de ter uma mini fábrica de impressão 3D em casa!


A Creality entendeu bem o conceito de tecnologia exponencial se tratando de manufatura aditiva. Para tal, seu mais recente lançamento é a 3DPrintMill, uma impressora 3D FDM desenvolvida em conjunto com a maker Naomi Wu. Popularmente conhecida como Creality CR-30, o novo modelo da gigante chinesa já está dando o que falar antes mesmo de sua comercialização. O motivo? Se trata de uma impressora 3D infinita!

Por ser a representante oficial da marca no Brasil, a 3D Lab recebeu a impressora 3D CR-30 para analisar em primeira mão os seguintes aspectos:

  • componentes;
  • montagem;
  • funcionamento;
  • entregabilidade;
  • qualidade das peças.

Para compartilhar a experiência com o nosso público, gravamos um vídeo completo com Unboxing e Preview da máquina. Confira:

Vale a pena investir na impressora 3D infinita Creality CR-30?

Impressora 3D infinita CR-30

A resposta é sim, vale a pena!

Como vimos no vídeo, a Creality CR-30 se trata de uma impressora 3D com aplicações específicas.

Com foco em impressão interminável e impressão em lote, é uma máquina indicada para o público de nível mais avançado em impressão 3D. Isso se dá até mesmo pela sua metodologia de impressão: por ter extrusora com uma inclinação de 45°C, o filamento depositado e a movimentação executada seguem este mesmo ângulo.

Embora o software de fatiamento CrealityBelt (exclusivo deste modelo de impressora) seja amigável e intuitivo, calibrar e ajustar tanto a mesa de impressão quanto a primeira camada é mais complexo do que em uma impressora 3D convencional.

Impressora 3D infinita - imprimindo viga

E o que mais a impressora 3D infinita CR-30 pode entregar?

Creality CR-30: a impressora 3D infinita

Vale destacar que não somente para uso profissional, a CR-30 também pode ser destinada ao uso pessoal. Como é o caso de acessórios personalizados para cosplay, já que as lanças e espadas exigem diversas técnicas quando produzidas nas tradicionais impressoras cartesianas.

Aliás, se tratando de características, podemos antecipar que a placa-mãe ultra silenciosa cumpre com o seu papel ao entregar um baixo nível de ruído!

A estrutura Core-XY é bem robusta, o que garante maior estabilidade e precisão na impressão. Além disso, possui sensor de filamento inteligente que detecta quando o material se parte. Os ventiladores triplos garantem uma boa refrigeração e o dispositivo de recuperação de impressão em caso de falha na energia fornece uma maior segurança durante todo o processo de impressão.

Infelizmente, a Creality CR-30 ainda não está disponível para vendas. Entretanto, assim que for liberada seremos a primeira empresa a comercializar a impressora 3D infinita no Brasil!

Então se você se interessou pela CR-30, cadastre-se aqui agora mesmo e fique por dentro das novidades e atualizações dessa máquina super potente em primeira mão!

Raft 3D, Brim e Skirt: entenda as diferenças entre esses recursos!

Técnicas como o Raft 3D, Brim e o Skirt possibilitam melhores resultados em impressões 3D. Elas permitem uma fixação mais eficiente do objeto na mesa durante a impressão, além de regular o fluxo de material.


O Raft 3D, Brim e Skirt são recursos fundamentais para uma impressão 3D perfeita! Quando o filamento não adere completamente à camada base podem ocorrer diversos problemas e nem sempre eles são notados ou acontecem logo no início da impressão 3D. Isso gera desperdício de filamento, de dinheiro e até mesmo do seu tempo. 

Por isso, uma pequena preparação extra no início dos trabalhos pode melhorar muito a confiabilidade de suas impressões. E isso pode ser feito com a utilização de alguma dessas três técnicas já bastante difundidas.

Você sabe dizer como esses recursos podem lhe ajudar a melhorar o seu processo de impressão? Veja neste conteúdo o momento certo para utilizar cada um deles e suas principais características!

O que é Raft 3D

O que é Raft 3D

 

O Raft 3D é uma camada horizontal descartável que fica sob a peça a ser impressa. O objeto é impresso na parte superior desta camada, em vez de diretamente na superfície de criação. O Raft é composto por um número pré-determinado de camadas, com uma porcentagem de preenchimento específica, que se estende a uma certa distância dos lados do objeto.

Essa técnica é utilizada principalmente com o filamento ABS para ajudar a controlar possíveis empenamentos e favorecer a aderência da peça à mesa de impressão. Como a área de superfície do Raft é maior que a base da peça, suas bordas são muito mais propensas à deformação, deixando a peça a salvo de qualquer possível inconveniente.

O Raft 3D é utilizado para auxiliar na estabilidade de modelos com apoios pequenos. Também serve para criar uma base sólida sobre a qual será construído o objeto. Assim, ele servirá de apoio para objetos maiores e também mais pesados.

Além disso, ele permite que as camadas inferiores entrem em contato com outra camada de plástico. Isso faz com que haja menos difusão do que a impressão na própria mesa.

No processo, se for utilizado um filamento solúvel, é necessário deixar um espaço entre o Raft e a peça. Essa distância ajudará na remoção após o resfriamento do objeto. Assim, desde que esteja configurado corretamente para o seu material, removê-lo mais tarde fica fácil.

Quando usar o Raft 3D

  • deformação: imprimir um Raft durante o trabalho utilizando o filamento ABS ajuda a evitar que a impressão se deforme;
  • maior aderência à mesa: a impressão do Raft também auxilia na obtenção de uma melhor aderência à mesa. Também ajuda a agir como uma precaução a falhas;
  • apoios pequenos: a peça a ser impressa pode ter apoios pequenos na base, sobre as quais uma estrutura pesada é construída. Nesse caso, recomenda-se criar um Raft como medida de segurança contra falhas.

Configuração para aplicação do Raft 3D

Aqui estão alguns termos para que você possa ajustar na sua impressora para obter melhores resultados ou simplesmente usar menos filamentos quando imprimir utilizando o Raft:

  • Raft Top Layers (Camadas superiores do Raft): é o número de camadas de interface impressas na parte superior do Raft. Seu modelo será impresso em cima dessas camadas. Então, normalmente coloca-se de 2 a 3 camadas para garantir uma superfície mais lisa;
  • Raft Base Layers (Camadas da base do Raft): é o número de camadas mais grossas na parte inferior do Raft. Essas camadas são impressas mais lentamente e com maior espessura para garantir uma forte ligação à plataforma de criação;
  • Raft Offset from Part (Deslocamento da peça): é a distância da borda que fica para fora da peça;
  • Separation Distance (Distância de separação): é a altura do intervalo de ar que fica entre a base e a peça. É um equilíbrio entre garantir que a peça esteja próxima o suficiente para aderir ao Raft quando a impressão começar e ter espaço de ar suficiente para garantir uma remoção fácil assim que a impressão terminar. Normalmente, ter uma folga de pelo menos 0,1mm ajudará a manter a peça conectada ao Raft, além de permitir uma fácil separação quando a impressão estiver completa;
  • Above Raft Speed (Acima da velocidade da base): é a configuração utilizada para personalizar a velocidade da primeira camada da peça impressa na parte superior da superfície do Raft. Usar uma velocidade lenta para essa camada também ajudará a peça a permanecer conectada ao Raft durante a impressão.

Como remover o Raft 3D da impressão

Após a impressão e resfriamento da peça você pode pegar o Raft e começar a retirá-lo da peça. Ficando assim um acabamento superficial de alta qualidade na parte inferior da sua impressão. Normalmente, o processo de retirada pode ser feito com as mãos, mas, para peças muito delicadas, você pode usar uma espátula fina ou uma pinça para ajudar.

Para isso, coloque a espátula ou uma faca larga entre a base da sua impressão e suavemente alivie esse lado. Quando uma borda é removida, é mais fácil retirar o restante. Ocasionalmente você pode precisar de uma lixa para suavizar a base.

As vantagens em utilizar o Raft 3D

Em certas impressoras 3D que têm uma base de grande dimensão e cujo nivelamento exato é muito difícil de conseguir, é aconselhável utilizar sempre o Raft, ao invés das outras técnicas. Pois o suporte, na maioria da vezes, é fácil de eliminar e não deixa praticamente nenhuma sobra na peça.

Ele proporciona menos problemas de deformação com materiais como o ABS. Também melhora a adesão à mesa, levando a maiores chances de sucesso na impressão. Além de a saída de impressão ser consistente e a primeira camada mais forte.

As desvantagens em utilizar o Raft 3D

Algumas das desvantagens de usar o Raft 3D podem ser relacionados com as configurações de impressão, em que ele pode ser difícil de remover, especialmente com um Raft 3D mais denso.

Além disso, a parte inferior não será aquela super lisa de quando a peça é impressa diretamente sobre a superfície da mesa (acabamento áspero na camada inferior do modelo).

Ainda existe a possibilidade de quebrar a peça ao removê-lo, especialmente com componentes de modelo pequenos.

O que é Brim

O que é Brim

 

O Brim é uma técnica especial que é anexada às bordas do modelo. Normalmente, ele é impresso com um número maior de contornos para criar um grande anel em torno da peça. Assim, assemelhando-se à borda de um chapéu. As bordas do Brim costumam ser usadas para segurar as bordas da peça, o que pode impedir o empenamento e ajudar na adesão à mesa.

Ele é basicamente um contorno de plástico que é colocado na primeira camada do modelo, proporcionando uma melhor aderência à superfície de impressão. Ele não se estende sob a impressão como o Raft, e sim apenas da borda da impressão até uma distância definida.

Quando usar o Brim

O Brim pode ser uma opção melhor que o Raft (que também ajuda na aderência) em certas situações, já que a borda pode ser impressa muito mais rapidamente e usar menos filamento. Ele também pode ajudar a evitar empenamentos que podem ocorrer durante impressões utilizando filamentos ABS.

Embora não seja especialmente necessário para imprimir com filamentos como o PLA, o Brim ainda facilita a remoção das impressões. Dessa forma, os usuários podem adicionar ele como uma precaução de segurança.

Raft 3D e Brim

Tanto o Raft 3D quanto o Brim ajudam na aderência e ambos podem ser usados para estabilizar objetos que possuem pontos de contato muito pequenos com a superfície de impressão. No entanto, para objetos menores ou mais delicados, o Brim pode ser melhor utilizado do que o Raft 3D, pois ele tem apenas contato com a borda externa do modelo através de uma camada muito fina.

Alguns materiais, como o ABS, podem sofrer deformação durante o processo de resfriamento. Por isso pode valer a pena utilizar o Brim para ajudar na adesão, mais ainda nas estruturas de suporte, que tendem a ser muito pequenas e geralmente são interrompidas durante a impressão. Assim, é sempre uma boa ideia imprimir suportes com Brim.

Configuração para aplicação da técnica

Para configurar um Brim no Simplify3D, defina o deslocamento para 0 mm, de modo que a aba esteja tocando as bordas do seu modelo. Em seguida, aumente o número de contornos para 5 ou mais para criar um anel largo em torno de sua peça. Você pode aumentar ainda mais o número de contornos se precisar aumentar a área de superfície da aba para uma adesão extra.

Agora, quando você começar a imprimir, o Brim servirá como escora e como assistente de adesão! Após a conclusão da impressão, a borda fina deve se soltar facilmente da parte sólida. Se você achar que ele está preso com muita firmeza, pode aumentar ligeiramente a compensação da aba para 0,1 ou 0,2 mm para adicionar um pequeno espaço entre a aba e a peça.

Como remover o Brim da impressão 3D

Após a impressão e resfriamento basta retirá-lo da peça a qual ele está anexado. Você pode querer lixar a base da impressão, se houver alguma seção grossa sobrando. Uma ferramenta de rebarbação também é uma ótima maneira de remover o Brim.

As vantagens de utilizar o Brim em relação ao Raft 3D

Evita problemas de deformação de materiais como o ABS, além de melhorar na adesão da mesa, levando a maiores chances de sucesso na impressão. Normalmente é fácil de remover em comparação com o Raft 3D. Seu acabamento é mais suave, pois a borda apenas toca a parte externa da impressão. E sua principal vantagem em relação ao Raft 3D é a menor quantidade de material utilizado para posterior descarte.

As desvantagens do Brim

Os pontos de contato com a peça devem ser lixados para um bom acabamento superficial. Existe ainda a possibilidade de quebra da peça ao remover a aba, especialmente com pequenos componentes do modelo.

O que é Skirt

O que é Skirt

 

Essa é a técnica mais comum utilizada na impressão 3D. Ela consiste em fazer um contorno envolvendo a peça, mas que não a toca em nenhum ponto.

A técnica consiste em imprimir uma “saia” ao redor de onde ficará a peça antes de começar a imprimi-la. O Skirt tem como finalidade regular o fluxo de filamento e garantir que, ao imprimir a peça, o material esteja de acordo.

Certamente, essa é uma excelente maneira de saber como o equipamento está funcionando e como o material está fluindo. É fácil garantir que o material esteja fluindo adequadamente e sendo colocado corretamente antes que a impressão do modelo seja iniciada.

Para isso, basta utilizar um Skirt com apenas algumas camadas impressas a uma velocidade relativamente baixa, para que se possa ver o que está acontecendo. Se a impressão do Skirt ocorrer da maneira correta, basta deixá-la continuar.

Porém, se isso não acontecer, você pode cancelar a impressão e ter tempo para fazer os ajustes necessários, economizando tempo, dinheiro e matéria-prima.

Quando usar o Skirt

Mesmo um Skirt com poucas camadas ajuda a garantir uma excelente impressão 3D.

Portanto, é aconselhável utilizar o Skirt em qualquer impressão, pois ele auxilia em algumas funções úteis para preparar a extrusora e detectar qualquer problema de impressão antes de começar a imprimir a peça.

Configuração para aplicação da técnica

  • extrusão do Skirt: o primeiro passo é escolher a extrusora que será utilizada para imprimir o Skirt. Isso permite que você já inicie o processo de impressão com várias extrusoras. Se você quiser todas as suas extrusoras, selecione a opção “Todas as Extrusoras”. Essa etapa, claro, é necessária se tiver mais de uma extrusora;
  • camadas do Skirt: definir quantas camadas você deseja incluir no seu Skirt. Normalmente, é uma preparação para extrusora. Mas pode ser uma segunda opção para ajudar a criar um Skirt mais robusto que pode ser retirado da cama mais facilmente;
  • distância entre o Skirt e a peça: definir quão longe as bordas ficarão da sua peça;
  • contornos do Skirt: é a quantidade de loops que você pode imprimir em torno do seu modelo. Caso precise preparar a sua extrusão com mais filamento deve-se aumentar este valor.

As vantagens do Skirt

  • ajuda na verificação da extrusora;
  • detecta problemas durante a impressão;
  • usa menos material do que o Raft ou o Brim;
  • verificação simples antes do início da impressão, o que pode economizar tempo, esforço e dinheiro;
  • ajuda na definição da área de impressão.

As desvantagens

  • Uma pequena rebarba descolada pode atrapalhar o início da impressão. Portanto, fique atento ao iniciar qualquer trabalho e tenha sempre uma pinça em mãos para retirar qualquer fiapo que posso atrapalhar a construção da primeira camada.

Portanto, vimos que tanto o Raft, quanto o Brim e o Skirt são maneiras fáceis de melhorar o resultado de sua impressão 3D. Vale lembrar que apesar de você usar mais filamento quando as utiliza, essas técnicas lhe ajudam a poupar o insumo de uma impressão que não deu certo por problemas que elas poderiam evitar.

Em resumo, toda precaução é válida quando se trata de obter melhores resultados em sua impressão 3D.

Agora que você conhece um pouco mais sobre essas 3 técnicas de auxílio em sua impressão 3D não tem mais desculpas para deixar sua impressora parada ou ficar lutando para conseguir aderência e resultados perfeitos!

E então, conseguimos tirar suas dúvidas quanto às diferenças entre o Brim, Raft 3D e Skirt? Deixe seu comentário aqui e participe dessa discussão!

Manufatura aditiva: saiba o que é e o que ela representa

A manufatura aditiva é o conjunto de tecnologias de impressão 3D que permite criar objetos a partir do zero utilizando modelos digitais. Com ela, é possível produzir peças complexas otimizando recursos.


A tecnologia da manufatura aditiva está conquistando o mundo de maneira impressionante. É cada vez mais comum o uso das impressoras 3D na produção de diversos produtos, com os mais variados materiais.

Devido ao avanço da tecnologia nos últimos anos, a manufatura aditiva têm ganhado aplicabilidade nas indústrias, principalmente nos setores automotivo e aeroespacial, além da evolução na produção de implantes odontológicos. 

Segundo um relatório da Wohlers Associateso crescimento anual da indústria de manufatura aditiva vai ser de 31% entre 2014 e 2020. É um bom número, não acha?

Neste conteúdo você vai conhecer mais sobre essa tecnologia que está revolucionando as áreas por onde passa!

O que é manufatura aditiva?

A manufatura aditiva engloba um grupo de tecnologias que produzem objetos a partir de modelos digitais. A produção dessas peças segue a mesma ideia, mas cada tipo de impressão 3D tem uma forma característica de criar o material.

A impressão 3D FDM, por exemplo, utiliza polímero em forma de filamento nas impressoras. Já o tipo SLA tem como matéria prima uma resina líquida.

Quais as vantagens da manufatura aditiva?

Para algumas empresas pode ser muito vantajoso trocar os antigos maquinários por impressoras 3D. Alguns dos ganhos mais atraentes são:

  • custo: permite que peças sejam produzidas em pequenas quantidades, diminuindo o custo unitário;
  • rapidez: produção eficiente do projeto digital ao modelo físico possibilita uma prototipagem rápida;
  • complexidade: permite a criação de peças com geometrias complexas;
  • customização: os produtos são totalmente personalizáveis de acordo com as necessidades;
  • economia/sustentabilidade: o uso reduzido de material gera menor volume de resíduos e gasta pouca energia elétrica;

De fato, com todas essas vantagens as vendas de impressoras 3D só crescem em todo o mundo.

E como funciona a manufatura aditiva?

Bom, é quase mágico pensar que um só equipamento possa produzir sozinho peças complexas do começo ao fim. Mas é assim mesmo que a manufatura aditiva funciona, obedecendo alguns passos que vou mostrar a seguir:

Passo 1: Modelagem digital

Para que uma impressora 3D possa fazer qualquer objeto é preciso que ele tenha sido criado em algum software de computador. Isso é necessário para definir tanto o design quanto as medidas reais da peça.

Passo 2: Impressão por camadas

Após o projeto ser criado pelo software é hora de dividi-lo em camadas. Isso acontece porque as impressoras 3D depositam material uma camada de cada vez (FDM). Dentro de um novo programa, conhecido como fatiador, são definidos os parâmetros e finalizado o arquivo final.

Passo 3: Impressão 3D

Por último, mas não menos importante, o arquivo é enviado para a impressora que começará a produzir a peça. Dependendo da complexidade e do tamanho do objeto, esse processo pode demorar algumas horas ou até mesmo dias.

Quais são as tecnologias da manufatura aditiva?

Já existem inúmeras tecnologias envolvendo a impressão 3D e cada uma delas atende a objetivos específicos. No entanto, três delas representam mais de 90% do mercado. Confira abaixo um pouco sobre cada uma:

  • Fused Deposition Modeling (Modelagem de Deposição Fundida), método que utiliza filamentos de polímeros como matéria-prima.
  • Stereolithography (Estereolitografia), método que solidifica resinas líquidas com luz ultravioleta.
  • Selective Laser Sintering (Sinterização Seletiva a Laser) método que produz objetos 3D a partir de materiais granulados de cerâmicas, plásticos e metais.

Quais são as tecnologias da manufatura aditiva

Ainda existem algumas tecnologias de impressão 3D em metal que pouquíssimas empresas têm acesso. Apenas companhias de grande porte, normalmente multinacionais, possuem capital suficiente para investir.

A impressão 3D gera menos desperdício de material?

No atual modelo de produção industrial, uma grande quantidade de material é utilizada para confeccionar cada objeto, que precisa ter seus resíduos descartados posteriormente. 

Já a manufatura aditiva permite que o produto seja produzido camada após camada utilizando somente o que é necessário de matéria-prima, com uma perda bastante reduzida que se resume ao material de suporte e calibração da máquina. 

Portanto, essa possibilidade chama a atenção de variados setores da economia, que enxergam formas de reduzir custos e a necessidade de poupar recursos naturais. 

Onde a tecnologia já está sendo utilizada?

A manufatura aditiva conquistou um espaço cativo em alguns ramos específicos. A possibilidade de produzir peças complexas e detalhadas com um custo mais baixo contribui para uma maior aceitação da tecnologia. 

Segundo uma pesquisa realizada pela Sculpteo, cerca de 90% dos usuários de impressoras 3D vêem na ideia uma vantagem competitiva em relação ao mercado, sendo este um fator importante da estratégia empresarial

No setor de veículos automotores, por exemplo, a manufatura aditiva permite que as peças sejam produzidas com mais excelência, já que é possível fazer testes antecipadamente usando protótipos 3D. 

Empresa do setor, a americana Local Motors já usou da manufatura aditiva para produzir um carro inteiro, em apenas 44 horas! 

Na área da medicina também é possível verificar ótimos ganhos 

A produção de próteses biônicas mais adequadas com preços acessíveis atendeu às necessidades de inúmeras pessoas. 

Na área da ortodontia, um profissional pode imprimir com facilidade em seu consultório as próteses que precisa, sem a necessidade de encaminhar pedidos demorados aos laboratórios. Isso tem um nome: praticidade!

Confira mais alguns setores que usam a tecnologia:

  • Fabricação de sapatos;
  • Produção de produtos de plásticos;
  • Indústrias de fundição;
  • Indústrias de eletroeletrônicos e eletrodomésticos;
  • Artes plásticas;
  • Joalheria;
  • Arquitetura;

Qual é a diferença entre manufatura aditiva e manufatura subtrativa?

Ao contrário da manufatura aditiva, que insere material por camadas, a manufatura subtrativa remove material de um bloco maciço até construir o objeto que se deseja. Ambos os modelos utilizam softwares 3D para chegar ao resultado final.

Entre as técnicas mais famosas de manufatura subtrativa estão o torneamento, a retificação, o fresamento e a eletroerosão.

Quais são as tecnologias da manufatura aditiva

Ao compararmos a funcionalidade das manufaturas aditiva e subtrativa, podemos dizer que, enquanto a primeira permite melhor personalização e construção de objetos complexos, a outra é indicada para criar peças que necessitam ter maior resistência.

Estamos vivenciando o futuro da indústria?

Existem atualmente inúmeros indícios de que estamos vivendo a era da inovação tecnológica e a manufatura aditiva faz parte disso.

Portanto, o uso de novas ferramentas que se conectam, entre elas os softwares de inteligência artificial, Big Data e a a própria manufatura aditiva, permite a criação de soluções que admitem melhor customização e nível de qualidade superior.

Tendo isso em mente, é fácil perceber a tendência global que leva empresas e pessoas a usarem essas tecnologias para criarem suas próprias ferramentas ou produtos.

Além de baratear os custos, essa oportunidade permite que pequenos produtores possam competir de igual para igual com grandes indústrias.

Vamos relembrar os benefícios mais importantes da tecnologia da manufatura aditiva?

Basicamente, eles são:

  • fácil produção de objetos com geometria complexa;
  • resíduos praticamente inexistentes;
  • qualidade de finalização em nível máximo;
  • produtividade elevada;
  • correção de defeitos ainda na fase de produção .

Portanto, neste texto você pôde perceber a importância da manufatura aditiva para o futuro de vários setores da economia. 

Ela está e continuará presente nas nossas vidas, direta ou indiretamente, seja por meio de pequenos produtos ou grandes máquinas complexas. 

E claro, aqui no blog da 3DLab você fica por dentro de todos os assuntos que permeiam o mundo das impressões 3D. 

Agora que já sabe o conceito de manufatura aditiva, confira nosso outro conteúdo que faz uma comparação entre a injeção plástica e a impressão 3D, mostrando qual desses modelos vale mais a pena!

Até o próximo post!

4 dicas para escolha ideal do filamento para impressora 3D

4 dicas para escolha ideal do filamento para impressora 3D

Escolher o melhor filamento para impressora 3D é fundamental para ter peças de alta qualidade. Reunimos neste conteúdo 4 dicas especiais para escolher o MELHOR filamento para impressora 3D de acordo com a sua necessidade!


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

A tecnologia de impressão 3D vem avançando bastante nos últimos anos. Várias empresas já identificaram o potencial e estão investindo em inovações, aplicando novas tecnologias e funções nas impressoras e também desenvolvendo novos materiais.

No Brasil, a 3D Lab é referência em desenvolvimento de filamento para impressora 3D, com estruturas de laboratório e fabricação voltados para esses produtos. No entanto, diante das opções, a escolha do melhor filamento para cada projeto pode gerar dúvidas.

Neste post vamos apresentar os materiais disponíveis e as maneiras de se encontrar o mais indicado para o seu projeto. Confira!

Quais são os principais filamentos para impressora 3D?

Hoje, o filamento para impressora 3D permite que se crie objetos com características completamente diferentes entre si. Então, com uma mesma impressora você pode criar de peças de decoração até objetos utilizados em grandes projetos de engenharia. Elas podem ter alta resistência mecânica e química assim como podem ter uma aparência rústica.

Veja alguns dos principais filamentos 3D:

1. Filamento PLA

O PLA (ácido poliláctico) é fabricado a partir de fontes renováveis ​​e não é prejudicial para a sua saúde ou ao ambiente quando as peças são descartadas.

Material de fácil impressão, possibilitando a utilização em impressoras abertas ou fechadas, com ou sem mesa aquecida.

Por sua baixa contração (warp) ele é indicado para peças grandes e técnicas, com dimensional controlado, além de peças que serão expostas à esforço de abrasão, por possuir dureza superficial elevada em comparação a outros materiais. Suas cores são brilhantes e possibilitam a impressão de peças bem vibrantes.

2. Filamento ABS

O ABS é um material muito utilizado nas indústrias. Sua resistência à temperatura e absorção de impactos o torna um material apto para impressoras 3D. Além disso, sua cor opaca tem um visual agradável para peças que necessitam de menos brilho.

Uma característica muito atrativa do ABS é a facilidade de acabamento após a impressão. Por ser um material de dureza superficial baixa, se torna abrasivo e fácil de lixar, além de possuir a acetona como solvente.

Se a peça impressa em ABS possui um aspecto mais opaco, o acabamento com acetona dá mais brilho e consegue corrigir algumas imperfeições que podem ser geradas. Mas lembre-se que a acetona deve ser pura e manuseada com cuidado por ser muito volátil.

A 3D Lab fabrica e fornece o ABS Premium, um material que foi desenvolvido para corrigir algumas falhas do ABS comum, como warp, cheiro forte e falhas na adesão entre camadas.

3. Filamento PETG

O filamento PETG é o material mais nobre da nossa lista. Pois, além de ser um material muito resistente mecanicamente, quimicamente e a temperatura, é um material com alta facilidade de impressão. Assim como o PLA, pode ser utilizado em impressoras abertas ou fechadas, com ou sem mesa aquecida.

Resumidamente, ele apresenta a facilidade de impressão do PLA aliado as propriedades do ABS, o que é ótimo para a impressão 3D.

Além disso, ele tem alta resistência química, o que permite utilizá-lo em peças que sofrerão interferência com algum reagente. Ele não apresenta warp significativo, possibilitando a impressão de peças grandes.

Além dos filamentos já citados, existem alguns outros que também possuem excelentes características. Podemos chamá-los de filamentos especiais. Confira alguns deles nos próximos itens.

4. Filamento Flexível

Um dos filamentos para impressora 3D especiais produzidos em nossa fábrica é o filamento flexível. Esse produto consegue ampliar a utilização da impressora 3D em peças que precisam de uma boa flexibilidade.

O filamento flexível tem aplicações bem interessantes, como a criação de palmilhas, anéis de vedação, pulseiras e outras coisas. No entanto, para imprimir esse material com perfeição e evitar problemas é necessário observar a sua impressora.

Caso haja folga excessiva entre o tracionador e o extrusor o filamento flexível pode dobrar e interromper a impressão. O mais indicado é que você converse com o fabricante da máquina ou material para avaliar a possibilidade antes da compra.

5. Filamento PLA Flex

O filamento PLA Flex é outro desenvolvimento da 3D Lab e foi criado para facilitar a impressão de um filamento flexível. Como mostrado no tópico anterior, para imprimir com o flex não deve haver uma folga excessiva entre o tracionador e o extrusor. Já no caso do PLA Flex isso não é necessário.

O PLA Flex é um pouco mais rígido do que o flexível normal e isso facilita muito a impressão. Então, você poderá imprimir com os mesmos parâmetros do PLA (inclusive velocidade de impressão!), com exceção da temperatura de extrusão, que no PLA Flex deve ficar entre 230 e 245°C, diferente também do PLA normal.

6. Filamento Solúvel (HIPS)

Filamento solúvel, ou HIPS, é uma mistura de material de poliestireno e borracha. Como ele se dissolve na solução de d’limoneno, é frequentemente usado para material de suporte, eliminando a necessidade de remoção por meio de abrasivos, ferramentas de corte ou quaisquer outras coisas que deixem sua impressão com acabamento superficial inferior.

7. Filamento de Madeira (Wood)

O filamento de madeira é um material especial produzido com fibras de madeira e PLA. Esse filamento para impressora 3D permite criar peças bem interessantes, com visual rústico, ideal para peças decorativas.

Leia também:

Quais as principais propriedades técnicas de cada material?

Com o avanço da tecnologia os materiais para impressora 3D desenvolvidos estão se multiplicando. Cada dia a necessidade em atender às solicitações específicas dos usuários aumenta. No entanto, inicialmente, os filamentos foram desenvolvidos para usuários com um padrão geral de peças.

Porém, quanto mais técnica e detalhadas se tornam as peças, cresce a necessidade dos materiais suportarem requisitos de cada projeto, como temperatura, resistência mecânica, resistência química etc.

Abaixo segue um gráfico que exemplifica as diferenças mecânicas dos principais materiais utilizados em impressoras 3D.

Gráfico comparativo

Gráfico comparativo

 

 
 

O gráfico acima mostra as características dos principais materiais ofertados pela 3D Lab. Os dados foram coletados a partir de análise de laboratório, com os materiais fabricados aqui.

Como escolher o material ideal?

Então, agora que você já conhece os principais filamentos para impressoras 3D, vamos dar 4 dicas para escolher o material ideal para seu projeto.

1. Verifique a aplicação da peça

Uma análise muito importante é quanto a aplicação da peça.

  • Para que serve a peça?
  • Quais as condições que ela ficará exposta?
  • Ela vai trabalhar em alta temperatura ou em contato com algum reagente?

Esses são exemplos de questionamentos que lhe ajudarão a definir o melhor material para a sua impressão.

A análise de aplicação serve para imprimir uma peça que de fato vai atender as necessidades e também para a questão do custo. Talvez a peça que você deseja fabricar não tem nenhuma necessidade específica e pode ser impressa com um material mais barato.

Ou então ela tem uma característica específica que se for utilizado o material de menor custo, ela não atenderá e será necessário imprimir novamente, com o material adequado. Isso pode aumentar muito o custo final do projeto.

1. Verifique a aplicação da peça

 

2. Verifique as características da sua impressora

Como dissemos, entre os três materiais principais, o PLA e o PETG podem ser impressos em qualquer impressora. No entanto, o ABS é indicado principalmente para impressoras fechadas e com mesa aquecida. Se sua impressora não tem essas características, isso pode ser uma limitação na escolha do material.

Por isso, fique atento a este ponto e não compre um material que sua impressora não consegue trabalhar. Se você ainda não tem uma impressora 3D, é importante considerar os objetivos para escolher a melhor opção.

Caso queira ajuda para encontrar qual é a melhor impressora 3D para comprar, confira esse conteúdo especial:

3. Verifique a disponibilidade do material

Se você já analisou a aplicação da peça e conferiu se sua impressora consegue trabalhar com o material, agora é hora de verificar a disponibilidade do filamento. Algumas empresas que fornecem filamentos trabalham só com os materiais básicos.

A 3D Lab é especializada no desenvolvimento de materiais, produzindo seu próprio filamento para impressora 3D. Ou seja, você encontrará uma gama de opções, entre materiais e cores. Hoje, a empresa fabrica e fornece o PLA, ABS Premium, Flexível, PLA Flex, Wood (madeira), PETG e HIPS (solúvel). Além disso, é oferecida uma quantidade muito grande de cores, chegando a quase 20 variações de acordo com o material.

4. Estime o orçamento

Muitas pessoas estão usando a impressora 3D para oferecer serviços de impressão. Mas para isso é necessário calcular o custo do trabalho. Em outras palavras, você deve levar em conta os seguintes pontos:

  • adequação do modelo 3D se necessário;
  • trabalho de acabamento;
  • insumo;
  • tempo de impressão;
  • investimento na máquina;
  • taxa de desperdício;
  • energia elétrica gasta;
  • margem de lucro.

Exemplo

Analisando cada ponto e quantificando-os é possível perceber que o custo do filamento para impressora 3D em relação ao custo total do projeto é pequeno. Como exemplo, podemos pensar em uma peça que leva 20 horas para ser impressa.

Normalmente, os profissionais da área cobram entre R$20,00 e R$40,00 por hora de impressão. Então considerando que essa peça de exemplo gaste 400g de material, com o quilo custando R$129,90, o valor do filamento corresponde a R$51,96, sendo que o valor do projeto foi de R$600,00.

Ou seja, o custo de material correspondeu a somente 8,7% do valor do projeto. Veja a conta abaixo:

Quilo do material (1000g): R$129,90 (PLA)

Peso gasto no projeto: 400g

Gasto com material: R$51,96

Preço cobrado por hora de impressão: R$30,00 a hora

Tempo de impressão gasto: 20 horas

Preço cobrado: R$600,00

Gasto com filamento: 8,7%

Analise cada custo e veja as melhores opções dadas as especificidades do projeto.

A escolha do filamento para impressora 3D é determinante no projeto, pois cada peça tem suas características e essas devem ser atendidas pelo material de impressão.

Para escolher o material ideal e não perder tempo com outras opções é preciso avaliar a aplicação da peça, as características da impressora, a disponibilidade do material e o custo do projeto. Pois, analisando cada ponto dessa lista você fará as melhores escolhas para a construção da sua peça, atingindo o máximo de qualidade e aplicabilidade.

Portanto, analise bem cada opção e veja quais mais se encaixam nas suas necessidades. Lembre-se de sempre prezar por filamento para impressora 3D de qualidade!

Agora que você já sabe como escolher o melhor material, conheça as nossas opções na Loja Virtual!

Workshop de impressão 3D da 3D Lab em Belo Horizonte!

Workshop de impressão 3D da 3D Lab em Belo Horizonte!

Empresa mineira referência em impressão 3D no Brasil mostra como a tecnologia está sendo aplicada e seu papel na indústria 4.0


O conceito de indústria 4.0 está em alta no mercado, como uma grande tendência. Cada empresa busca melhorar a performance com os novos recursos, que englobam IoT, big data, armazenamento em nuvem, automação com robôs inteligentes, realidade aumentada e, claro, a impressão 3D.

Para se ter uma ideia do grande impacto, o Fórum Econômico divulgou uma pesquisa que mostra o número de 49% das empresas brasileiras investindo na tecnologia de impressão 3D até 2022.

Esse número pode ser visto com muita expectativa pela indústria, mas também há um alerta. Afinal, quem são e onde estão os profissionais capacitados para atuar com tais impressoras?

Pensando em tudo isso é que a 3D Lab, empresa mineira e referência na tecnologia, organiza um Workshop de Impressão 3D na cidade de Belo Horizonte. O evento acontece no espaço da WeWork, no Boulevard Shopping, mesmo local em que está o único centro de engenharia do Google na América Latina.

Esse evento é uma ótima oportunidade para conhecer as impressoras 3D, o processo e como elas estão sendo aplicadas, seja nas indústrias ou com novos empreendedores.

Informações sobre o evento (Workshop de Impressão 3D)

Data: 20/07/2019

Horário: 14:00h

Local: WeWork, Avenida dos Andradas, 3.000 – Belo Horizonte, MG

Inscrições pelo link: https://www.sympla.com.br/workshop-de-impressao-3d__574064

Programação completa

14:00 – Abertura

14:10 – Palestra 1 – As oportunidades em momentos de crise

14:40 – Palestra 2 – Cases de sucesso de empreendedores e empresas com a impressão 3D

Coffee break & Networking

15:30 – Palestra 3 – Como calcular os custos e margem de lucro de uma impressão 3D

16:00 – Palestra 4 – Como se preparar para impressão 3D

16:30 – Fechamento

Sobre a 3D Lab

A 3D Lab é uma empresa mineira, com sede em Betim, especializada na tecnologia de impressão 3D. A marca é uma grande referência no país, sendo a que mais vende filamentos.

Atualmente a 3D Lab é a única empresa nacional no ramo que oferece a solução completa. Ofertando filamentos, impressoras 3D, cursos, serviço de manutenção e prototipagem.

Se você deseja conhecer mais sobre a impressão 3D ou experimentar uma de nossas soluções, entre em contato conosco e entre para o mundo da indústria 4.0!

Dicas de impressão 3D: confira o que dizem 11 especialistas no assunto!

Quer conhecer as melhores dicas de impressão 3D feitas por grandes especialistas estrangeiros? Reunimos 11 celebridades do mundo inteiro para falar sobre essa tecnologia. Confira agora o que eles pensam!


Você já pensou o quanto é importante receber dicas de impressão 3D? Ainda mais quando essas dicas são dadas por especialistas no assunto? Quando se está iniciando em uma nova tecnologia escutar conselhos de pessoas que já possuem mais experiência do que você pode ser um meio de te dar mais segurança para não desistir logo na primeira tentativa.

É super normal quando começamos a utilizar essa tecnologia achar que é um bicho de sete cabeças, mas pode ter certeza que não é! O fundamental é não desanimar e continuar aprendendo sempre.

Nesse conteúdo baseado em entrevistas feitas pelo site 3D Printing for Beginners vamos mostrar dicas vindas de 11 especialistas no assunto que são fundamentais para quem está iniciando no universo da impressão 3D. Confira!

1. Jérémie Francois

1. Jérémie Francois

Jérémie Francois é uma pessoa que ajuda start ups, pequenas empresas e centros de pesquisa em assuntos relacionados a algoritmos, processamento de dados e mecatrônica. Ele já programou um jogo de pinball premiado e publicou um artigo no IEEE (Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos).

Confira suas dicas de impressão 3D!

Não imprima com uma impressora mal calibrada

Quando compramos uma impressora 3D esse é um dos parâmetros mais relevantes que devemos nos preocupar. Nem sempre toda a calibração está adequada e fazer isso em casa sem nenhuma experiência pode ser um pouco complexo. Verifique se tudo está correto, se as engrenagens ou correias não estão fora do lugar, se a mesa de impressão está nivelada. Mantenha todas as partes da impressora limpas. Experiência e prática são uma obrigação, e você acabará por saber o suficiente pelo som que a impressora que faz!

Nunca foque muito em um único problema

Essas máquinas são complexas e, muitas vezes, surgem problemas por vários motivos. Uma extrusão inadequada pode não ser causada apenas por um parafuso ou sistema de acionamento “ruins”, mas também por um bico obstruído, uma temperatura muito baixa (ou muito alta) ou simplesmente uma combinação de todos estes! Como regra geral comece a imprimir com baixa temperatura e baixa velocidade, e só então altere um pouco as configurações para aprender os efeitos combinados: cada filamento tem seu melhor conjunto de valores. Saber diagnosticar isso é uma grande vitória para uma experiência completa.

2. Richard Horne (RichRap)

2. Richard Horne (RichRap)

RichRap é engenheiro eletrônico, designer de produto e vendedor. Ele tem trabalhado em uma ampla gama de indústrias com o desenvolvimento de muitas plataformas e tecnologias nos últimos 20 anos. O interesse de Rich pela impressão 3D iniciou em 2009, depois de visitar o site do projeto RepRap. Logo em seguida ele começou a escrever sobre impressão 3D e também projetar e desenvolver.

Confira suas dicas de impressão 3D!

Minha primeira dica geral é que após comprar uma impressora 3D você imprima vários cubos de 20mm

É um objeto muito simples, mas pode ajudar a garantir que você tenha uma máquina bem calibrada e configurada. Você pode imprimir esses sólidos para testar a calibração por extrusão e tamanho. Você também pode imprimir oco para testar as configurações precisas de largura das paredes no seu programa de fatiamento. Isso também garantirá precisão em recursos do modelo e melhor resistência das peças quando algumas definições estiverem definidas corretamente.

Minha próxima dica tem muito haver com a primeira: tenha certeza que sua mesa está nivelada

Isso parece óbvio, mas ainda é o principal parâmetro que as pessoas não gastam tempo suficiente ao começar a imprimir. Mesmo sendo tão importante para uma impressão bem-sucedida.

Você não deve ignorar o nivelamento mesmo se você tiver uma impressora 3D que se ajuste automaticamente. Quanto mais tempo você gasta com a sua impressora 3D mais você aprenderá sobre a melhor forma de ajustá-la, e espera-se que ela se mantenha calibrada e nivelada para que você não precise ajustá-la o tempo todo.

A compensação de nível automático em algumas impressoras 3D pode adicionar ajustes que fazem com que algumas impressões tenham uma qualidade inferior ou, devido à compensação, podem enfatizar as camadas, especialmente em superfícies verticais. Acredite, nivelar e calibrar economizará muitos erros de impressão e ajustes posteriormente.

3. Jim Rodda aka Zheng3

3. Jim Rodda aka Zheng3

Jim “Zheng3” Rodda é um artista mais conhecido como o criador de Seej, um jogo de guerra aonde você tem a opção de imprimir dois cenários para batalhar contra um adversário (bem no estilo faça você mesmo seu brinquedo). Jim escreve tudo sobre impressão 3D em Zheng3.com e tem dezenas de modelos disponíveis para download gratuito no The ForgeQuando não está criando modelos ou escrevendo tutoriais, Jim treina jiu-jitsu no Brasil, estuda mandarim e brinca com mais bonecas Barbie do que é saudável para um homem da idade dele.

Confira suas dicas de impressão 3D!

Ganhe se puder, perca se precisar, mas sempre trapaceie

Seu objetivo é obter uma peça perfeita, para isso use todos os truques que você pode pensar para se certificar de que a impressão não desgrude da mesa. Sou conhecido por pausar a impressora e colar a primeira camada para garantir que ela não vá a lugar nenhum, especialmente em impressões grandes e planas.

Teoricamente, teoria e prática são as mesmas, mas na prática são diferentes

Os modelos digitais mudam quando nascem no mundo analógico. Filamento após o resfriamento pode encolher e alterar um encaixe que foi perfeitamente projetado. Sua impressora pode imprimir uma primeira camada um pouco mais ampla. Sua pressa de tirar uma impressão quente da mesa pode colocá-la em uma situação de inutilidade. Portanto comece com algo simples e rápido até ganhar experiência com as peculiaridades e os defeitos de sua impressora.

4. Filemon Schöffer

4. Filemon Schöffer

Filemon Schöffer e sua família têm uma longa história na impressão. Por volta de 1450, o avô de Filemon, Peter Schöffer, fez a primeira mudança da família para o negócio de impressão, trabalhando como engenheiro na Alemanha, ajudando Gutenberg no desenvolvimento da primeira impressora. Depois de um pequeno desvio da família na produção de cerveja, que levou ao famigerado Schöfferhofer, Filemon achou que era a hora certa para a família voltar à impressão moderna, ou seja, a impressão 3D. Com formação em física e engenharia de projeto industrial, Filemon espera poder contribuir para o avanço da indústria. Desde 2013, ele trabalha como chefe de comunidade em 3D Hubs.

Confira suas dicas de impressão!

Conheça sua impressora 3D

O começo é sempre difícil! Teste todas as configurações, tente imprimir diferentes formas com configurações variadas para começar a entender sua impressora. Neste estágio, não mude muito os materiais, pois isso irá atrapalhar seus resultados. Uma ótima impressão de teste para começar é Marvin.

Use a força

Participe de comunidades de impressão 3D on-line para aprender com os outros. Fique de pé sobre os ombros dos gigantes para alcançar ainda mais. Isso economizará muito tempo em sua jornada. Existem muitos fóruns específicos para isso. 

Não desista

Mais importante ainda, não desista! Você pode fazer quase qualquer design se tornar imprimível. Além disso, a modelagem 3D é uma parte muito importante da impressão, tenha isso sempre em mente.

Foque nestes princípios e transforme-se no Mestre JEDI da impressão 3D!

  • A missão nº1 é que o filamento extrusado fique preso à mesa de impressão (adesivo fixador e adicionar skirt, brim ou raft a sua impressão são as melhores opções para isso).
  • Certifique-se sempre de ter uma mesa nivelada (até a menor diferença pode ter um grande impacto).
  • Trocar o filamento às vezes pode ser um pouco difícil – um pequeno “empurrão humano” pode ajudar.

5. Clifford Smyth

5. Clifford Smyth

Cliff Smyth é um usuário de longa data e inovador no espaço de impressão 3D. Ele defende que a produção descentralizada tem o potencial de mudar o mundo. Sentindo a necessidade de compartilhar os principais conceitos que o ajudaram a produzir coisas úteis com a impressão 3D, ele escreveu o livro: Functional Design For 3D Printing.

Confira suas dicas de impressão 3D!

A impressão 3D ainda não é como mágica

Está chegando lá, mas para a maioria das impressoras, um pensamento cuidadoso sobre como o modelo que será impresso é a chave para obter bons resultados. As impressoras FDM (como a maioria das de código aberto) não podem imprimir no ar, então os modelos com grandes saliências imprimirão muito melhor se forem reorientados, projetados para usar suporte gerado automaticamente para partes salientes ou divididos em peças separadas que podem ser impressas sem suporte. É preciso um pouco de prática para pegar o jeito do que funciona melhor para seus modelos, mas os resultados valem a pena!

Aprenda a projetar seus próprios modelos

Usar um software de projeto 3D é um pouco complicado para o iniciante, mas você precisará ser capaz de projetar seus próprios modelos do zero para ver o potencial de sua impressora. Fazer modelos de outras pessoas é divertido, mas em breve você vai querer ajustar isso, mudar aquilo, ou apenas começar do zero com uma ideia melhor.

Mesmo que a curva de aprendizado seja um pouco maior, você deve optar por um programa de CAD 3D completo assim que dominar o básico. Então conseguirá aprender rápido se você projetar muito. Além de que existem diversas opções de softwares por aí.

6. Philip Cotton

6. Philip Cotton

Philip Cotton é o fundador do 3dfilemarket.com, um mercado independente para compartilhar e vender designs de impressão 3D verificados. Ele também é um educador em tempo integral que recebeu o prêmio de excelência educacional 3dprintshow por dois anos consecutivos por seu ensino de impressão 3D para alunos do ensino médio. Philip é um embaixador da educação com impressoras 3D e também contribui significativamente para a Associação de Impressão 3D.

Confira suas dicas de impressão!

Escolha uma impressora 3D que tenha um bom suporte disponível

De preferência uma de um fornecedor local. Dessa forma, se você precisar de ajuda, poderá entrar em contato imediatamente. Se você compra uma impressora barata da China e algo der errado, pode ser um pouco mais difícil de encontrar suporte técnico. Se houver suporte local, isso será muito mais fácil.

Encontre um bom fórum para se envolver

Isso serve para que você possa ver o que é a impressão 3D. Os membros desses grupos são realmente prestativos e podem ser uma ótima experiência de aprendizado. A impressão 3D está desenvolvendo rapidamente e manter-se atualizado ajudará você ao longo do caminho.

Comece a projetar usando o CAD

Existem muitos programas gratuitos ou baratos para usar, por exemplo, o SketchUp, o Tinkercad, o Autodesk Shapeshifter, etc, então comece a modelar seus próprios projetos mesmo que eles sejam básicos. Não há nada mais satisfatório que projetar algo você mesmo e, em seguida, imprimir em 3D em sua impressora. Você pode até mesmo compartilhar esses projetos ou vendê-los em muitos sites de compartilhamento de arquivos.

7. Josh Ajima

7. Josh Ajima

Josh Ajima é um professor que mora em Virgínia do Norte e dirige o blog Design Make Teach. Como professor, ele acredita que pode fazer a diferença envolvendo os alunos no processo de produção. Em seu Blog, Josh compartilha sua experiência em impressão 3D e fabricação digital na sala de aula.

Confira suas dicas de impressão!

Filosofia de Impressão 3D para Iniciantes: uma impressora 3D é uma pessoa e não uma coisa

É a combinação da pessoa e do hardware que produz belos modelos 3D. A jornada para se tornar um especialista no assunto pode ser difícil, mas é igualmente gratificante. A impressão 3D desafia o iniciante a se esforçar como designer, criador, cientista e artista. Dicas e truques podem facilitar a jornada, mas, em última análise, o iniciante tem que dar cada passo para chegar lá. O primeiro passo é sempre o mais difícil. Fazer a primeira impressão bem sucedida é a parte mais desafiadora para uma nova máquina.

Inspecione a impressora para ter certeza de que ela não foi danificada no envio

As hastes podem estar empenadas, a extrusora pode estar mal alinhada, as conexões podem se soltar, placas de vidro podem rachar, etc. Procure por qualquer indício óbvio que possa estar relacionado ao envio e relate qualquer problema imediatamente ao local de compra.

Nivelar e calibrar a impressora 3D

Pode ser tentador pular essa etapa e iniciar logo uma impressão, mas isso pode resultar em grandes danos a sua impressora.

Use as configurações recomendadas pelo fabricante

Tente ajustar uma coisa de cada vez entre as impressões e mantenha notas sobre as modificações e o efeito em sua impressão. Coloque rótulos nas peças e se possível tire fotografias.

8. Florian Horsch

8. Florian Horsch

Florian Horsch é um membro ativo da comunidade de impressão 3D. Após os primeiros trabalhos na plataforma da Ultimaker, ele co-fundou a HypeCask.com. A equipe se concentrou em projetos de impressão 3D específicos ao cliente, além de contribuir para o desenvolvimento e a distribuição das enormes máquinas Delta Tower. Desde 2012, Florian compartilha sua ampla experiência no livro 3D-Druck für alle com um público amplo. Atualmente Florian está pronto para a exploração de novas fronteiras da impressão 3D.

Confira suas dicas de impressão!

Invista tempo em suas habilidades de modelagem 3D

Não fique preso no “eu preciso ver se esse item está disponível no Thingiverse ou Youmagine.com“, pois isso é um beco sem saída. Invista pelo menos uma hora por semana no seu software de modelagem favorito e torne-se o criador de seus próprios modelos 3D.

Corrija as partes mais fracas até que tudo esteja perfeito

A impressão 3D é como uma corrente, se uma parte da sua impressora não estiver fazendo um trabalho perfeito, você não obterá grandes resultados. Ao observar de perto e entrar em contato com a comunidade 3D ou o fornecedor você sempre encontrará uma maneira de melhorar o hardware, o software ou o firmware.

9. Charles Fried

9. Charles Fried

Charles Fried é designer de produtos e tem como objetivo liderar a revolução da fabricação digital. Ele acredita em um mundo onde os itens são negociados em formato digital. Onde a personalização automatizada estaria no centro do processo de design, aumentando o valor pessoal e a funcionalidade. Atualmente, Charles está estudando para o meu mestrado em Arquitetura Adaptativa. Ele também está executando o Prodpoint.com, um serviço de design e impressão 3D. Trabalho visto em: Shapeways, Thingiverse, Reuters e muitos mais.

Confira suas dicas de impressão!

A Regra dos 45°

Essa é uma regra prática, pois suas configurações (temperatura, velocidade…) serão afetadas por isso. Ela pode ser aplicada ao projetar para impressão FDM, a fim de cancelar a necessidade de suporte e, portanto, melhorar consideravelmente o acabamento da superfície.

A Regra dos 45°

Tolerância (0,25 mm)

Esta regra se aplica ao projetar objetos que devem se encaixar. Como regra geral, cada face deve ser compensada por essa distância. Por exemplo, se você tiver um orifício de 10mm de diâmetro, o encaixe do tubo dentro dele deve ser de 9,5mm.

Tolerância (0,25 mm)

Persistência

Talvez essa afirmativa seja óbvia, mas não há milagre quando se trata de impressão 3D. As impressões que já falharam várias vezes podem ser frustrantes. No entanto, veja cada falha como uma oportunidade para aprender e você logo obterá impressões perfeitas.

10. Michael Sorkin

10. Michael Sorkin

Michael Sorkin é co-fundador da iGo3D, um dos principais especialistas de impressão 3D da Europa. Fascinado pela tecnologia, Michael decidiu lançar a primeira loja de varejo de impressão 3D da Alemanha em 2013. Hoje, a iGo3D tem três lojas na Alemanha e está expandindo internacionalmente. O objetivo da empresa é trazer a tecnologia para a vida das pessoas comuns. Eles oferecem uma seleção cada vez maior de tudo que você precisa para seus próprios projetos.

Confira suas dicas de impressão 3D!

Comece devagar e procure o conhecimento básico

Procure informações sobre o processo de extrusão, suporte, retração…

Comece com materiais padrão

Eles são mais fáceis de usar. Comece utilizando os materiais mais comuns (PLA / ABS) em vez de enlouquecer com filamentos de nylon, flexíveis ou mesmo metálicos!

A curva de aprendizado da impressão 3D é íngreme

Portanto, seja paciente e não fique desmotivado nas primeiras falhas. Continue sempre tentando e aprendendo!

11. Nick Lievendag

11. Nick Lievendag

Vivendo e trabalhando na Creativity & Technology, Nick é co-fundador do estúdio de animação Captain Motion. Em seu tempo livre, ele está explorando as possibilidades criativas da impressão em 3D e compartilha suas descobertas por meio de seu Blog, que inclui resenhas de impressoras 3D, bem como artigos sobre Filamento e Softwares. Nick mora em Haarlem, na Holanda.

Confira suas dicas de impressão!

Concentre-se na experiência do usuário em vez de métricas ao comprar uma impressora

Talvez você ainda esteja decidindo qual máquina comprar. Você provavelmente está sobrecarregado com a quantidade de fabricantes que oferecem o produto na mesma faixa de preço. Há uma grande armadilha em sua missão: comparar métricas que ainda não significam nada para você. Você certamente quer saber qual oferece a melhor relação custo-benefício. Então no topo dessa lista, você deve ter colocado especificações mensuráveis ​​como velocidade e altura da camada. Certo? Mas, isso no começo é irrelevante. Compare essa escolha a compra de um carro: você não vai comprar um carro que seja muito rápido, mas tenha um desempenho ruim nas curvas. É por isso que você testa em vez de comprar baseado nas especificações do folheto. Portanto, neste momento você tem algumas opções: tente encontrar análises detalhadas das impressoras 3D e procure pessoas nas redes sociais que já possuem aquele modelo para obter mais informações.

Explore as ferramentas de design e comece a criar você mesmo

Ao fazer sua primeira impressão em 3D, não importa qual objeto você escolheu – é tudo mágico! Mas enquanto muitos entusiastas continuam procurando coisas novas para imprimir em sites como o Thingiverse, gosto de encorajar qualquer um a começar a explorar a grande variedade de aplicativos de softwares que permitem que você projete suas próprias peças. Existem muitos aplicativos para projetar seus próprios objetos sem que você tenha qualquer experiência com modelagem 3D ou software CAD. A primeira vez que você imprime algo que você mesmo criou, métricas como a velocidade de impressão tornam-se insignificantes. Isso porque você experimentará a sensação que teve quando fez sua primeira impressão 3D em uma escala dez vezes maior.

Por fim, fica aqui a dica de impressão da 3D Lab para os novos integrantes da comunidade 3D: mesmo que pareça um pouco complicado ou até mesmo difícil, a impressão 3D realmente não é algo impossível de se aprender. Tentativa e erro são coisas naturais para quem está aprendendo, por isso não desista!

Então agora que você já viu todas essas dicas de impressão dadas por pessoas que realmente sabem do que estão falando, que tal dar uma olhada nos 42 termos do glossário de impressão 3D que você precisa saber?

Impressão 3D: tudo o que você precisa está aqui na 3D Lab!

Impressão 3D: tudo o que você precisa está aqui na 3D Lab!

Você já conhece a 3D Lab? Nossa empresa trabalha com a solução completa em impressão 3D, incluindo a fabricação de impressoras 3D, filamentos, serviço de manutenção e prototipagem, além de diferentes opções de curso de capacitação na tecnologia. Veja, neste conteúdo, como a nossa empresa pode lhe ajudar hoje!


Sempre digo para nossos clientes aqui na 3D Lab ou interessados em entrar no mundo da impressão 3D que uma impressora ainda não é “plug and play”. Ou seja, não é igual a um eletrodoméstico comum que basta conectar na tomada e apertar o botão de ligar. Para conseguir utilizar a tecnologia em alto desempenho é preciso buscar muito conhecimento, além de manter a máquina em perfeito estado, utilizar filamentos de qualidade, entender as limitações, características, possibilidades e outros pontos importantes.

Pensando nisso é que tivemos uma revolução dentro da nossa empresa! A 3D Lab nasceu como fabricante de filamentos, mas hoje nós queremos mais! Somos a única empresa no Brasil que reúne tudo sobre impressão 3D em um só lugar. Quer saber o porquê? É só continuar a leitura deste material!

O que é a impressão 3D?

Antes de mais nada, você já se perguntou o que é a impressão 3D? Já pensou em tudo o que essa tecnologia influencia? Mesmo aqueles que já são experientes, que utilizam uma ou mais impressoras no dia a dia, deveriam fazer essa análise.

Gosto de pensar que a impressão 3D é um método revolucionário de fabricação de ideias. Uma maneira de gerar na prática o que você pensa na teoria. Confuso? Então vou explicar! Quem nunca teve um pneu do carro furado? Hoje, todo mundo que anda de carro ou moto está exposto a isso e é muito chato ter que trocar pneu no meio de uma rodovia… de madrugada. A Michelin, empresa mundial e referência na fabricação de pneus, já pensou nisso.

Case de aplicação: Michelin

Em 2017 a Michelin apresentou um conceito bem interessante: um pneu fabricado em uma impressora 3D, utilizando materiais orgânicos recicláveis e biodegradáveis. O conceito não precisa de ar para inflar, portanto, você não precisará parar seu veículo para trocar um pneu furado! É claro que isso ainda é um conceito, mas já dá indícios do que veremos daqui alguns anos, ou até menos tempo…

 

Pensando neste exemplo você pode achar que impressão 3D é algo voltado para grandes empresas, mas não é bem assim.

Depois que as patentes de impressora 3D caíram em 2009 os preços das máquinas foram bastante reduzidos. Além disso, há uma ideia muito interessante utilizando a impressão 3D: ganhar dinheiro! Você já pensou em ter uma segunda renda ou mesmo a sua renda principal diretamente dessa tecnologia? Muitas pessoas já estão fazendo isso!

Case de aplicação: Arte da Jakie

A Jakie, uma de nossas clientes, criou a Arte da Jakie, empresa especializada em cortadores e marcadores para biscoitos e biscuit. A empreendedora enxergou na impressão 3D uma possibilidade de gerar renda e o negócio vem crescendo a cada dia. Além disso ela realmente é uma artista!

 

Mas como a 3D Lab pode ajudar você?

Na introdução deste conteúdo dissemos que a 3D Lab nasceu como uma empresa fabricante de filamentos, e realmente aconteceu. Começamos em 2013, nos tornamos a marca que mais vende filamentos no mercado em 2016 e agora estamos em plena expansão! Mudamos toda a nossa sede para comportar uma produção maior, além disso novos ambientes para receber o público e novas demandas foram criados.

No entanto, a maior mudança foi em nossa visão! Queremos oferecer ao público brasileiro tudo o que ele precisa para explorar a impressão 3D, e isso pode ser encontrado em 5 soluções diferentes que agora oferecemos. Vejamos cada uma delas:

1. Impressoras 3D

 

 

Nós trabalhamos com várias marcas de impressoras 3D do mercado, todas testadas e consolidadas pela nossa equipe. No entanto, não somos um simples vendedor de máquinas. Sabemos que escolher a impressora não é simples e há muitas variáveis.

Oferecemos uma consultoria gratuita para ajudar os interessados a encontrarem a impressora 3D ideal. Então, pensando nisso, analisamos a necessidade, o objetivo com a impressora, o orçamento disponível e demais pontos para direcionar à melhor compra, aquela que realmente o cliente se sentirá totalmente satisfeito!

Ah, se você comprar uma impressora conosco, ganha um curso de inicialização para aprender como operar!

2. Filamentos

 

Modéstia à parte, nossos filamentos dispensam apresentações, certo? Fabricamos os materiais a partir das melhores matérias-primas do mundo. Nossa produção é de larga escala, mas estamos sempre atentos aos mínimos detalhes.

Recentemente nós passamos por grandes mudanças nas embalagens dos produtos. Visando um maior controle de umidade aos filamentos, começamos a utilizar um plástico metalizado, embalado à vácuo. Dessa forma a garantia de alta qualidade é estendida. Além disso, esse tipo de embalagem também protege contra raios UV, que podem prejudicar as características do filamento.

Nossa caixa também foi modernizada! Agora ela tem mais informações relevantes, controle de lote e material e, claro, mais bonita também!

Não é só isso! Nosso time de engenheiros sempre busca novos materiais e temos algumas novidades para serem lançadas. Já pensou em um filamento de Nylon, com alta resistência, mas sem problemas de umidade? Não contem para a concorrência, mas estamos trabalhando nisso! Além dele, estamos desenvolvendo filamentos com base em carbono, cobre e polímeros de Engenharia, voltados para aplicações industriais!

Hoje nós oferecemos seis tipos de materiais com propriedades bem distintas. São eles: PLA, ABS Premium, PETG, Flexível, Wood e HIPS (Solúvel).

Nossa equipe está sempre pronta para tirar qualquer dúvida. Você pode entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo chat, redes sociais e WhatsApp (31) 97113-7028

3. Manutenção multimarcas

 

 

Para que você mantenha suas máquinas em perfeitas condições nós oferecemos o serviço de manutenção multimarcas. Somos autorizados pelas principais marcas do país para dar manutenção, dentro ou fora da garantia. Isso significa que se você está na região de Belo Horizonte, não precisa mais enviar uma impressora com defeito para o fabricante em outro estado. Agora, basta trazê-la para nós e faremos as intervenções necessárias, seja manutenção preventiva ou corretiva.

Além da manutenção, fazemos upgrades e também montagem de kits de impressoras. Sabe aquele kit que você importou da China, mas não faz ideia de como montar? Traga para a gente e vamos lhe entregar a impressora montada e calibrada, pronta para uso!

Se você tem uma máquina para dar manutenção ou quer saber mais, envie um e-mail para [email protected]

4. Cursos e treinamentos

 

Para que você possa extrair o máximo da tecnologia, apresentamos 3 propostas de cursos, sendo duas delas presenciais e uma online.

Na primeira opção você vai ter a oportunidade de aprender a montar uma impressora Ender 3, um dos modelos mais vendidos em todo o mundo. Durante as aulas vamos orientar a montagem, calibragem, dar dicas de manutenção e vamos entrar nos conceitos de impressão 3D para que você saia do curso imprimindo seus projetos. Ahh, esqueci de um detalhe importante: nessa opção o aluno leva a impressora Ender 3 montada e calibrada para casa!

Nossa segunda modalidade do curso é voltada para quem quer usar a impressão 3D de forma mais aplicada. Teremos aulas em que serão ensinadas técnicas intermediárias e avançadas de impressão. O foco desse curso é permitir que os alunos comecem a ganhar dinheiro com impressão 3D! Quem tiver interesse nessa modalidade ainda pode escolher se fica com uma Ender 3 ou somente as aulas!

Por fim, temos uma opção de educação à distância, com o Curso Online. O conteúdo é semelhante ao demonstrado presencialmente, mas na versão online nós atualizamos sempre o material, postando novidades e lançamentos do mundo da impressão 3D.

Para saber mais informações sobre os nossos cursos, entre em contato pelo e-mail [email protected]

5. Engenharia do produto e prototipagem

 

Por fim, nossa quinta solução é voltada para quem deseja criar um produto ou protótipo. Basta ter uma ideia que nós tomamos conta do resto. Podemos atuar desde a modelagem do objeto até a impressão.

Essa solução é muito utilizada por quem ainda não tem uma impressora 3D em casa ou no trabalho, além daqueles que querem ver primeiro uma prova de que a compra da máquina é uma boa opção.

Para que você possa criar os seus projetos basta solicitar um orçamento pelo e-mail para [email protected]

Portanto, como vimos ao longo do conteúdo, agora você não precisa ficar procurando entre várias empresas quando tiver alguma demanda relacionada à tecnologia de impressão 3D. Nós reunimos tudo em um só lugar e estamos à sua disposição para oferecer o melhor!

Impressoras 3D, filamentos, manutenção multimarcas, cursos e treinamentos, além da Engenharia de produto e prototipagem. Você encontra tudo isso aqui na 3D Lab!

Precisa de ajuda com alguma informação sobre impressão 3D ou deseja comprar uma impressora 3D? Entre em contato conosco pelo formulário abaixo!

    impressao3d-para-reduzir-custos capa

    Como utilizar a impressão 3D para reduzir os custos de produção

    Qual gestor não vive em busca de maneiras estratégicas de reduzir os custos operacionais de sua empresa? Essa busca constante permite que o custo reduza e, consequentemente, o lucro aumente! Seguindo essa mesma linha de raciocínio, você já pensou na impressão 3D para reduzir os custos? É totalmente possível e vamos mostrar como neste conteúdo!


    Utilizar a impressão 3D para reduzir os custos de prototipagem, assim como os de produção, é uma prática muito eficaz! Isso porque essa tecnologia pode ser um excelente recurso de otimização das operações industriais.

    Ela pode permitir que você melhore seus produtos com um custo menor. Criando peças mais leves, trabalhando no design para obter impressões mais eficientes e mais adaptadas ao seu uso, você pode reduzir consideravelmente os custos em diferentes níveis.

    Então, incluir a essa tecnologia nos processos de prototipagem e produção pode ajudar substancialmente as empresas. Vejamos agora mais detalhadamente como tudo isso impacta os custos de fabricação em um processo de manufatura. Confira!

    Reduzindo o investimento em ferramentas

    Mais do que o preço da peça individual, é possível utilizar a impressão 3D para reduzir os custos em todo o processo de fabricação. Ela pode ser uma maneira de repensar totalmente seu processo de produção e permitir uma melhoria na cadeia de suprimentos.

    Uma excelente maneira de economizar dinheiro no processo de manufatura é reduzindo os custos com ferramentas. Por exemplo, é possível criar mecanismos na própria peça 3D para diminuir a necessidade de ferramentas durante a produção, como um encaixe sem a necessidade de parafusos. Outra alternativa é criar peças que não necessitam de nenhum pós-processamento.

    Alguns fabricantes de automóveis já identificaram uma redução de até 90% no custo de ferramental para o processo de montagem apenas criando mecanismos com a impressão 3D. Lógico que essa redução depende do ramo de atuação da empresa e de como a tecnologia é utilizada. De qualquer forma é uma boa maneira de reduzir seus custos quando se trata de ferramentas.

    Acelerando o processo de desenvolvimento de produtos

    A impressão 3D para reduzir os custos é um método incrível, que ajuda na criação de muitos projetos com um preço mais baixo quando se trata de prototipagem.

    Nos métodos tradicionais de fabricação, com moldes por injeção, você terá que criá-los antes de fabricar o produto. Esse processo é muito caro e leva bastante tempo. Além de que se algo der errado você pode perder seu molde e ter que começar tudo do zero. Isso geraria um custo ainda maior. No entanto, quando a impressão é utilizada, basta preparar um arquivo 3D em algum software de modelagem. Assim você pode modificá-lo quantas vezes quiser, fazendo diferentes interações em seu protótipo durante o processo. Esse recurso é um trunfo para o desenvolvimento de produto.

    Para exemplificar observe essa peça abaixo:

    Acelerando o processo de desenvolvimento de produtos

    Imagine se ela tivesse em seu projeto um molde injetado para criação do seu protótipo e quando ele estivesse pronto um mal dimensionamento fosse identificado. Então, qual seria a saída? Possivelmente começar o projeto do zero e perder um molde de alguns milhares de reais.

    Já no caso dessa peça impressa mesmo que você precise fazer um novo protótipo o máximo que você gastará será o tempo de alteração dimensional em seu modelo 3D (que é super rápido) e o tempo de uma nova impressão. Além do custo com filamentos — que nem se compara ao preço de um molde injetado.

    Além disso, a tecnologia 3D está permitindo produzir objetos que seriam muito difíceis em um método de fabricação tradicional. Um exemplo disso são as peças com desenhos extremamente complexos.

    Utilizando esse recurso em seus protótipos e projetos com maior grau de complexidade você levará menos tempo para desenvolvê-los. Economizando tempo obviamente ocorrerá economia de dinheiro também.

    Otimizando o design da impressão 3D para reduzir os custos

    Se você quiser usar a impressão 3D para reduzir os custos em processos industriais, terá que otimizar seu modelo. Trabalhar no design do produto pode permitir que você melhore sua peça impressa e reduza seu custo. Isso porque, ao criar seu modelo em um software de modelagem 3D, você pode elaborar um projeto realmente ideal e usar a quantidade certa de material, evitando assim o desperdício.

    Outro fator importante é que se você tiver uma peça impressa bem projetada ela minimizará as etapas de pós-produção. Essas etapas adicionam custo e tempo ao desenvolvimento de seu produto. Portanto isso ajudará a reduzir os custos de produção!

    As peças impressas em 3D bem projetadas seguem muitas das mesmas regras que as feitas com moldes por injeção. Por isso use transições graduais entre superfícies adjacentes. Elimine grandes diferenças na seção transversal e no volume da peça. Evite cantos afiados que frequentemente criam tensão residual na peça final. Observe que as paredes finas e sem suporte não ficam muito altas, ou então pode ocorrer deformação ou distorção.

    Saindo do tradicional

    Os projetistas 3D aproveitam muitas formas “orgânicas” em seus projetos. Portanto não tenha medo de usar essas formas, desde que isso crie peças mais leves e também mais resistentes.

    Você não deve temer ousar no design de sua peça. Com a fabricação tradicional a abertura de furos em um bloco sólido aumenta o custo e o desperdício da peça. No entanto, no universo 3D mais espaços sem preenchimento significam menos material gasto e geralmente menos tempo de processamento.

    Lembre-se de que os furos nas peças não precisam ser redondos. Com bastante frequência, uma forma de orifício elíptica, hexagonal ou de forma livre é a mais adequada ao design da peça e também a mais fácil de imprimir.

    Considerando os próximos passos

    A impressão 3D é uma excelente alternativa quando falamos em protótipos e em produções iniciais. No entanto quando o plano futuro é produzir em larga escala é importante pensar no projeto durante todo o ciclo de vida do produto. Isso porque como ela oferece enorme flexibilidade de design, é fácil terminar o projeto inicial, sem considerar como as peças serão fabricadas futuramente.

    Com base em nossos exemplos no início deste conteúdo, um número crescente de empresas está considerando a utilização da impressão 3D adequada para peças industriais. No entanto muitas delas passarão para usinagem, moldagem ou fundição conforme os volumes de produção aumentam. Portanto quando cria-se alternativas que não são aplicadas aos futuros processos produtivos isso pode acarretar retrabalho e perda de dinheiro.

    Então tente sempre integrar a tecnologia 3D a todos os processos necessários para a produção, analisando logo no início todo o ciclo de vida do produto. Isso garante uma produção sempre econômica.

    Usando materiais mais baratos

    A utilização da impressão 3D oferece a empresa diversas possibilidades de escolher entre diferentes tipos de filamentos. Você pode reduzir os custos de material graças a uma escolha mais em conta. Mas lembre-se sempre que a sua aplicação deve ser levada em consideração durante a definição da matéria prima.

    Todos esses materiais são diferentes e possuem propriedades específicas. Você terá que encontrar o melhor material para o seu projeto. Por exemplo, para algumas aplicações você pode utilizar o ABS que é um tipo de filamento com menor custo, no entanto, para outros o mais indicado é o PLA ou o PETG por causa de suas propriedades.

    Evitando o excesso das tolerâncias

    Projetistas e engenheiros devem evitar o “excesso de tolerância” de suas peças pois isso pode forçá-las a serem produzidas com maior tempo e custo. Em muitos casos, exigirão operações de usinagem secundárias para atender dimensões finais extremamente precisas.

    Como a impressão 3D oferece uma ampla possibilidade de configuração das peças, criar protótipos com dimensões e encaixes mais precisos não é algo dispendioso. Isso também faz com que ajustes nas peças já finalizadas não sejam tão necessários, economizando tempo e custos com pós-processamento.

    Olhando para o quadro geral da impressão 3D para reduzir os custos

    Com o projeto 3D bem dimensionado você tem uma grande possibilidade de diminuição de quantidade de peças perdidas, redução de peso e maior integridade estrutural, menores custos de montagem e outros recursos que não são possíveis nos projetos tradicionais.

    Além disso, lembre-se de que alguns acessórios, moldes e outros tipos de ferramentas não são necessários na impressão 3D. Assim você elimina custos que podem não estar diretamente associados ao preço individual. Concentrar-se apenas no valor da peça impressa, em vez da funcionalidade do produto e na “visão geral” pode assustar um pouco. Mas muito além disso pode fazer com que você perca oportunidades gerais de otimização na fabricação.

    Com a diminuição dos custos de produção, otimização dos processos, e todas as outras métricas citadas, fica mais fácil atingir os objetivos do seu projeto. Portanto esperamos que este conteúdo tenha ajudado você a enxergar com mais clareza os benefícios da impressão 3D para reduzir os custos dos processos industriais.

    Agora que você já aprendeu a como utilizar a impressão 3D para reduzir os custos dos seus processos, que tal conhecer 10 possibilidades com a impressão 3D?

    Saiba escolher o melhor sentido de impressão das peças 3D!

    Você sabia que o sentido de impressão tem total influência em diversos parâmetros da sua peça? Resistência mecânica, qualidade superficial e muitas outras características podem sofrer variação dependendo de como você posiciona seu modelo para imprimir.

    Antes da impressora 3D começar a produzir uma peça há muito trabalho de preparação. O arquivo pode ser modelado do zero ou então ser buscado em algum site na internet. Depois disso, é hora de fatiar a peça em um software de impressão, como o Simplify 3D ou Cura. Nesse momento, escolher o sentido de impressão das peças em relação à base é fundamental.

    Apesar de tamanha importância, muitos usuários de impressão 3D não se atentam para a posição em que as peças serão colocadas para imprimir. Se o objeto tiver que suportar um certo esforço, essa escolha tem influência direta na resistência mecânica e, portanto, pode ditar o sucesso ou fracasso do projeto.

    Então, criamos este conteúdo justamente para deixar claro a importância do sentido de impressão das peças e como fazer essa escolha. Acompanhe!

    Importância do sentido de impressão das peças em relação à base

    Em qualquer projeto é importante considerar a qualidade desejada para sua impressão 3D ao selecionar a orientação. Dependendo da geometria do objeto eles podem ter força, estética e velocidade ideais de construção a partir de uma única mudança de sentido de impressão das peças.

    Portanto, na maioria das vezes o sentido de impressão das peças desempenha um papel crítico na determinação do resultado do seu projeto.

    Então, agora vejamos como alguns parâmetros são afetados com essa escolha:

    Precisão

    Considere um cilindro com um orifício (10mm de diâmetro externo, 6mm de diâmetro interno, 30mm de comprimento) impresso com seu eixo central vertical. A impressora 3D construiria essa peça como uma série de círculos concêntricos sobrepostos. Isso produziria um cilindro final com uma superfície externa relativamente lisa.

    Se o mesmo cilindro for reorientado horizontalmente com seu eixo central, a peça será construída como uma série de retângulos (com largura ligeiramente diferente) sobrepostos. Além disso, a superfície do cilindro que toca a mesa será plana.

    Ao escolher um diferente sentido de impressão das peças pode haver uma diferença significativa na precisão do modelo. Isso pode ser observado na foto abaixo.

    Precisão

    Tempo de impressão

    O sentido de impressão das peças também pode ter um impacto significativo no tempo de impressão.

    Usando como exemplo o cilindro da seção anterior, a orientação horizontal levará significativamente menos tempo para imprimir. Isso porque o número total de camadas é significativamente reduzido. Nesse exemplo o cilindro horizontal será impresso com 100 camadas totais e o vertical com 300 camadas. Podendo resultar assim em diferenças significativas de tempo para peças grandes.

    Essa diferença de tempo é explicada pela velocidade de movimentação no eixo Z ser bem inferior aos valores encontrados nos eixos X e Y.

    Além disso, por causa do uso do material de suporte a velocidade de impressão da peça também pode ser afetada. Assim girar uma peça para um sentido diferente pode diminuir o uso do suporte e consequentemente o tempo de impressão.

    Tempo de impressão

    O sentido de impressão das peças afeta o tempo de impressão e o consumo de material (esquerda); orientação adequada pode reduzir ambos (direita).
    Em geral, diferentes sentidos visam minimizar a altura total do Z e o material de suporte, para maximizar o rendimento do projeto. No entanto, recomenda-se avaliar também o sentido de impressão das peças quanto ao acabamento ou resistência. Pois as orientações otimizadas para a velocidade podem afetar negativamente tanto a resistência quanto o acabamento da superfície.

    Força

    Algumas impressões 3D, principalmente FDM, criam peças que possuem propriedades inerentemente anisotrópicas. Ou seja, certas propriedades físicas como dureza, resistência mecânica, refração da luz, por exemplo, dependem da direção em que são medidas. Por isso elas são muito mais fortes na direção XY do que na direção Z.

    Força

    Quando você está cortando seu modelo 3D para impressão, o primeiro foco é normalmente a maneira mais fácil de colocar sua peça para ser impressa. Realmente isso é muito importante e deve ser considerado. No entanto, para a maioria dos modelos é possível obter diferentes orientações para o mesmo objeto. Como tal, pode ser muito benéfico planejar a impressão de forma a maximizar sua força.

    Geralmente, o eixo Z de uma impressão é considerado o mais fraco. Isso ocorre porque nesse eixo existe a possibilidade de separação entre camadas. Enquanto os eixos X e Y são compostos de muito mais filamentos contínuos. Isso significa que, se todo o resto for igual, a impressão provavelmente falhará entre as camadas no eixo Z. O grau da diferença de força entre os diferentes eixos dependerá da impressora e do material, pois alguns têm melhor aderência de camadas do que outros.

    Exemplo:

    Ao imprimir um objeto como este suporte de carretel abaixo, o sentido de impressão desempenhará um papel importante na resistência final do objeto.

    Exemplo:

    Neste exemplo a maior parte do estresse estará em um único eixo. Por isso podemos simplesmente escolher o sentido que moverá as camadas mais fracas do eixo Z para não se alinharem com a nossa direção do estresse. Abaixo você pode ver um layout melhor para a força geral do objeto (ângulo de 45º).

    Exemplo

    Assim essa orientação vai resultar em uma parte muito mais forte para a peça. A única desvantagem de escolher o sentido mais forte é que ele pode exigir material adicional (suporte) e consequentemente um tempo maior de impressão.

    Vale lembrar que a maioria das peças que você imprime pode não precisar ter seu sentido otimizado. No entanto, essa é uma excelente maneira de ganhar um pouco mais de força. Muitas vezes o posicionamento ideal é em torno de um ângulo de 45º. Pois isso pode servir para a distribuição da fragilidade entre dois eixos em seu objeto e reduzir a chance geral de falha durante o uso.

    Resistência à flexão

    Para verificar os efeitos do sentido de impressão das peças FDM na resistência geral do projeto, utilizamos um teste de flexão de três pontos realizado pela Plos One. Todas as amostras testadas foram impressas em ABS. Usando assim a mesma geometria retangular em cada sentido de impressão das peças.

    Os parâmetros de impressão e trajetória de extrusão afetam as camadas do ABS. Portanto, influenciam em sua resistência geral!

    Embora as amostras tenham sido impressas em vários sentidos, todas foram submetidas a testes de flexão na mesma orientação. Um diagrama de sentido de impressão das peças também é mostrado para ilustrar as diferenças.

    Resistência à flexão

    Estruturas de suporte

    O material de suporte adiciona tempo e custo extras a uma impressão 3D. Portanto, muito tempo de projeto é gasto no sentido ideal da peça para reduzir a probabilidade de falha de impressão e a quantidade de material necessário.

    O uso do suporte também depende do sentido da peça. Saliências devem ser apoiadas! No exemplo abaixo, o suporte à esquerda teria uma quantidade muito grande de material. No entanto, o apoio à direita usaria uma quantidade mínima. Menos material de suporte também reduzirá seus tempos de construção.

    Estruturas de suporte

    A remoção de suporte é uma preocupação! No exemplo abaixo, os suportes que preenchem o furo mais longo na parte esquerda serão difíceis de remover. Isso porque eles estão dentro da peça. A mesma peça à direita não precisará de suportes no furo maior. Isso porque ele é vertical e os suportes nos orifícios mais rasos serão relativamente fáceis de remover.

    Qualidade do acabamento

    O sentido de impressão das peças afeta o acabamento da superfície. Isso é devido ao processo de fatiamento e a construção no eixo Z. Isso porque orientar a peça de modo que as superfícies curvadas ou inclinadas sejam construídas paralelamente ao eixo Z resultará em superfícies mais lisas.

    Quando houver superfícies curvas na parte superior ou inferior da peça, aparecerão “degraus escalonados” depois de serem projetadas. Ao orientar a peça com superfícies curvas posicionadas no eixo Z (para os lados), as superfícies parecerão muito mais suaves.

    Geralmente, as superfícies voltadas para cima terão o melhor acabamento superficial, mas isso varia de processo para processo:

    • Para FDM, a superfície superior é suavizada pela ponta de extrusão, a superfície em contato com a mesa de impressão geralmente será brilhante e as superfícies acima das estruturas de suporte terão um acabamento pior.
    • Para o SLA, as superfícies inferiores terão marcas de suporte e exigirão pós-processamento, enquanto as superfícies superiores serão lisas e sem marcas de suporte.
    • Peças impressas com processos de impressão 3D como SLS e Binder Jetting, terão um acabamento mais granulado em suas superfícies inferiores.
    • As peças impressas com Material Jetting terão um acabamento mate na superfície impressa em suportes. Caso contrário, terá um acabamento brilhante.

    Algumas dicas

    Confira agora algumas dicas extras que preparamos:

    • oriente os recursos cilíndricos verticalmente para obter um acabamento de superfície mais suave;
    • considere a direção do carregamento ao escolher o sentido quando se tratar de uma peça funcional;
    • a orientação das peças é mais importante para os processos de impressão 3D FDM e SLA / DLP.

    Vale ressaltar que orientar peças em FDM tem um impacto enorme em sua resistência e aparência geral, especialmente para recursos finos e concêntricos. Recursos concêntricos ficam melhores quando as camadas são impressas paralelamente ao eixo XY. Muitos recursos finos (como guias) são mais fortes quando impressos paralelamente ao eixo XY.

    Projetar uma peça para que os recursos frágeis e concêntricos fiquem na mesma direção ajudará a determinar a melhor orientação para sua impressão 3D.

    Agora que você já sabe que o sentido de impressão das peças 3D pode ajudar a deixá-las mais fortes, que tal aprender outras maneiras de deixar suas impressões mais resistentes?

    Conheça os tipos de impressão 3D e os seus benefícios!

    Conheça os tipos de impressão 3D e os seus benefícios!

    Existem diversos tipos de impressão 3D, cada um com um princípio de funcionamento, resultados diferentes, insumos e componentes distintos. Conhecer cada um dos tipos é muito interessante para estar sempre por dentro da tecnologia e saber qual o tipo ideal para cada necessidade.


    Um dos desafios iniciais que os recém-chegados enfrentam com a tecnologia de impressão 3D é distinguir entre os diferentes tipos de impressão 3D e materiais disponíveis.

    Qual é a diferença entre tipos de impressão 3D FDM e SLS, por exemplo? Ou SLS e DLP? Ou então EBM e DMLS?

    Pode ser bem confuso. Pois com tantas siglas diferentes, você seria perdoado por confundir os tipos de impressão 3D com um gênero musical.

    A primeira coisa a entender é que a impressão 3D é na verdade um termo abrangente que designa um grupo de processos de impressão 3D. Então não existe a impressão 3D, e sim existem AS impressões 3D!

    O padrão ISO / ASTM 52900, criado em 2015, visa padronizar toda a terminologia e classificar cada um dos diferentes tipos de impressoras 3D.

    No total, sete categorias diferentes de processos de manufatura para impressão 3D foram identificadas. Assim dentro desses sete processos foram agrupados diversas outras subcategorias que são utilizadas atualmente.

    Neste artigo vamos explicar os principais tipos de impressão 3D e quais os seus pontos positivos e negativos. Sendo eles:

    • Fabricação com Filamento Fundido (FDM ou FFF);
    • Estereolitografia (SLA);
    • Processamento de Luz Direta (DLP);
    • Sinterização Seletiva a Laser (SLS);
    • Sinterização Direta a Laser de Metal (MDLS);
    • Derretimento Seletivo a Laser (SLM);
    • Fusão de feixe de elétrons (EBM);
    • Fabricação de Objetos Laminados (LOM);
    • Jato de tinta (Inkjet);
    • Polyjet.

    Continue com a leitura para descobrir quais são esses tipos de impressão 3D e como cada um pode ser utilizado!

    FDM ou FFF (Fused Deposition Modeling)

    A extrusão de material é um processo de impressão 3D onde um filamento de material termoplástico sólido é empurrado através de um bocal aquecido, derretendo-o no processo. Então a impressora deposita o material em uma plataforma de construção ao longo de um caminho predeterminado, onde o filamento resfria e solidifica para formar um objeto sólido.

    • Tipos de impressão 3D: FDM (Fused Deposition Modeling), às vezes chamada FFF (Fused Filament Fabrication);
    • Materiais: filamento termoplástico (PLA, ABS, PETG, Flexível, HIPS – entre outros);
    • Precisão dimensional: ± 0.5% (limite inferior ± 0.5 mm);
    • Aplicações comuns: todo os tipos de peças, sendo o tamanho limitado pela área de impressão;
    • Pontos fortes: melhor acabamento superficial, cores diverdificadas e multi-materiais disponíveis;
    • Pontos fracos: tamanho de peça limitado pela área de impressão e peças menos resistentes que as usinadas.

    Conhecendo a história…

    O FDM é um processo de impressão 3D desenvolvido pela Scott Crump, e depois implementado pela Stratasys Ltd., nos anos 80. Assim ele utiliza materiais plásticos térmicos de qualidade de produção para imprimir objetos 3D.

    FDM é um dos tipos de impressão 3D que usa termoplásticos adequados para produção, portanto, os itens impressos têm excelentes atributos mecânicos, térmicos e químicos.

    Os dispositivos de extrusão de materiais são os tipos de tecnologia de impressão 3D mais comumente disponíveis e os mais baratos. Portanto eles são populares para produzir protótipos funcionais, modelos conceituais e para todos os tipos de peças. Portanto é uma tecnologia que pode criar detalhes precisos e possui uma excepcional relação resistência / peso.

    Antes do início do processo de impressão do FDM, o usuário precisa dividir os dados de seu modelo 3D em várias camadas usando um software fatiador. Então os dados CAD cortados vão para a impressora para serem impressos.

    Um carretel de filamento é carregado na impressora 3D e alimentado através de um bico no cabeçote de extrusão. O bico da impressora é aquecido a uma determinada temperatura. Então um motor empurra o filamento através do bico aquecido, fazendo com que derreta. A impressora move a cabeça de extrusão ao longo das coordenadas especificadas, depositando o material fundido na mesa de impressão, onde resfria e solidifica.

    Quando uma camada é concluída, a impressora continua a fazer a próxima camada. Esse processo de impressão de seções é repetido, construindo camada sobre camada, até que o objeto esteja totalmente formado. Dependendo da geometria do objeto, às vezes é necessário adicionar estruturas de suporte, por exemplo, se um modelo tiver partes salientes inclinadas.

    Como são as peças?

    Peças FDM brutas podem mostrar linhas de camadas razoavelmente visíveis em alguns objetos. Elas obviamente precisarão de lixamento manual e acabamento após a impressão. Portanto, esta é a única maneira de obter um produto final suave com uma superfície uniforme.

    Quando comparado ao SLA (tecnologia que veremos em seguida), o FDM tem uma velocidade de impressão mais lenta. O tempo total de impressão depende do tamanho e da complexidade do seu modelo. Objetos pequenos podem ser concluídos com relativa rapidez, enquanto peças maiores e mais complexas precisam de mais tempo.

    A tecnologia FDM é hoje amplamente difundida e usada em indústrias como fabricantes de automóveis, produtores de alimentos e fabricantes de brinquedos. Portanto o FDM é usado para desenvolvimento de novos produtos, prototipagem e até mesmo na fabricação de produtos finais.

    Através do uso deste método de impressão 3D, tornou-se possível construir objetos com geometrias e cavidades complexas. Assim podemos usar muitos tipos diferentes de termoplásticos com impressoras FDM. Os mais comuns são o ABS (acrilonitrila-butadieno-estireno) e o PLA (ácido polilático).

    Os objetos acabados do FDM são funcionais e duráveis. Com a assistência do FDM, você pode imprimir não apenas protótipos operacionais, mas também produtos prontos para uso. O que há de melhor nessa tecnologia é que todos os componentes impressos com FDM podem ser de alto desempenho.

    SLA e DLP

     

     

    São tipos de impressão 3D em que uma resina de fotopolímero é seletivamente curado por uma fonte de luz. As duas formas mais comuns desse tipo de polimerização são SLA (Estereolitografia) e DLP (Digital Light Processing). A diferença fundamental entre esses tipos de tecnologia de impressão 3D é a fonte de luz que eles usam para curar a resina. As impressoras SLA usam um laser de pontos, em contraste com a abordagem voxel usada por uma impressora DLP.

    • Tipos de impressão 3D: Estereolitografia (SLA), Processamento de Luz Direta (DLP);
    • Materiais: resina de fotopolímero (Padrão, Transparente, Alta Temperatura);
    • Precisão dimensional: ± 0,5% (limite inferior ± 0,15 mm);
    • Aplicações comuns: protótipos de polímero tipo injeção, jóias (fundição de investimento), aplicações dentárias, aparelhos auditivos – entre outros;
    • Pontos fortes: acabamento superficial suave;
    • Pontos fracos: frágil, não é adequado para peças mecânicas.

    SLA (Stereolithography)

    O SLA possui a distinção histórica de ser a primeira tecnologia de impressão 3D do mundo. A estereolitografia foi inventada por Chuck Hull em 1986, que realizou a patente da tecnologia e fundou a empresa 3D Systems para comercializá-la.

    O SLA é um processo de prototipagem rápida. Assim aqueles que usam essa tecnologia são certos quanto à exatidão e precisão. Ela pode produzir objetos a partir de arquivos de dados CAD 3D (gerados por computador) em pouco tempo. As máquinas que usam essa tecnologia produzem modelos, padrões, protótipos e várias peças de produção exclusivas.

    Elas fazem isso convertendo fotopolímeros líquidos em objetos 3D sólidos, uma camada por vez. O fotopolímero é primeiro aquecido para transformá-lo em uma forma semi-líquida, e então endurece ao contato. A impressora constrói cada uma dessas camadas usando um laser ultravioleta, direcionado por espelhos de varredura X e Y.

    Como funciona?

    Logo antes de cada ciclo de impressão, uma lâmina de recobrimento se move pela superfície para garantir que cada camada fina se espalhe uniformemente pelo objeto. Então o ciclo de impressão continua desta forma, criando objetos 3D de baixo para cima.

    Depois de concluído a parte 3D normalmente terá um banho químico para remover qualquer excesso de material. Também é prática comum pós-cura do objeto em um forno ultravioleta. Isso porque o item finalizado se torna mais forte e mais estável. Dependendo da peça, ela pode passar por um processo de lixamento manual e fazer uma pintura profissional.

    A impressão SLA tornou-se uma opção econômica preferida para uma ampla variedade de indústrias. Alguns destes incluem automotivo, médico, aeroespacial, entretenimento e também para criar vários produtos de consumo.

    A maioria das impressoras SLA usa um laser de estado sólido para curar peças. A desvantagem desses tipos de tecnologia de impressão 3D usando um laser de pontos é que pode levar mais tempo para rastrear a seção transversal de um objeto quando comparado ao DLP.

    DLP (Digital Light Processing)

    A DLP é um dos mais antigos tipos de impressão 3D, criado por um homem chamado Larry Hornbeck em 1987. É semelhante ao SLA, já que também trabalha com fotopolímeros e tornou-se conhecida por seu uso na produção de projetores.

    Enquanto o SLA usa luz ultravioleta, o DLP usa uma fonte de luz mais tradicional, geralmente lâmpadas de arco. Este processo resulta em impressionantes velocidades de impressão. Quando há muita luz, a resina endurece rapidamente (estamos falando em segundos).

    Olhando para máquinas de processamento digital de luz, esses tipos de tecnologia de impressão 3D são quase o mesmo que o SLA. A principal diferença é que o DLP usa um projetor de luz digital para gerar uma única imagem de cada camada de uma vez (ou vários flashes para partes maiores). Como o projetor é uma tela digital, a imagem de cada camada é composta de pixels quadrados, resultando em uma camada formada por pequenos blocos retangulares chamados voxels.

    Em comparação com a impressão SLA, o DLP atinge tempos de impressão mais rápidos para a maioria das peças. Isso porque ele expõe camadas inteiras de uma só vez. Com a impressão SLA, um laser precisa extrair cada uma dessas camadas e isso leva tempo.

    Outro ponto positivo para a tecnologia de impressão DLP é que ela é robusta e produz modelos de alta resolução todas as vezes. Também é econômico com a capacidade de usar materiais mais baratos para objetos complexos e detalhados. Isso é algo que não apenas reduz o desperdício, mas também reduz os custos de impressão.

    SLS (Selective Laser Sintering)

    É um dos tipos de impressão 3D em que uma fonte de energia térmica induz seletivamente a fusão entre partículas de pó dentro de uma área de construção para criar um objeto sólido.

    Muitos dispositivos de Fusão em Cama de Pó também empregam um mecanismo para aplicação e alisamento de pó simultâneo a um objeto que está sendo fabricado, então o item final é envolto e suportado em pó não utilizado.

    • Tipos de impressão 3D: Sinterização Seletiva a Laser (SLS);
    • Materiais: pó termoplástico (Nylon 6, Nylon 11, Nylon 12);
    • Precisão dimensional: ± 0.3% (limite inferior ± 0.3 mm);
    • Aplicações comuns: peças funcionais; desenhos ocos; produção de peças de baixa produção;
    • Pontos fortes: partes funcionais, boas propriedades mecânicas e geometrias complexas;
    • Pontos fracos: prazos de entrega mais longos, custo mais alto que o FFF para aplicações funcionais.

    Conhecendo a história…

    Um empresário, inventor e professor americano chamado Dr. Carl Deckard desenvolveu e patenteou a tecnologia SLS em meados dos anos 80. É uma técnica de impressão 3D que usa lasers de CO2 de alta potência para fundir partículas.

    Então, à medida que as patentes industriais expiram, esses tipos de tecnologia de impressão 3D estão se tornando cada vez mais comuns e de menor custo.

    A produção consiste em utilizar um recipiente de pó de polímero aquecido a uma temperatura logo abaixo do ponto de fusão do mesmo. Em seguida, uma lâmina de recobrimento ou limpador deposita uma camada muito fina do material em pó – geralmente 0,1 mm de espessura – sobre uma plataforma de construção. Um raio laser de CO2 começa então a escanear a superfície. O laser irá seletivamente sinterizar o pó e solidificar uma seção transversal do objeto.

    Assim como o SLA, o laser é focado no local correto por um par de galvos. Quando toda a seção transversal é digitalizada, a plataforma de construção se moverá para baixo. A lâmina de recobrimento deposita uma nova camada de pó no topo da última camada escaneada, e o laser irá sinterizar a próxima seção transversal do objeto sobre as seções transversais previamente solidificadas. Essas etapas são repetidas até que o objeto seja totalmente fabricado.

    A plataforma de construção, ou mesa, diminui gradualmente com cada varredura a laser sucessiva. Assim o processo se repete uma camada de cada vez até atingir a altura do objeto. Há suporte não sinterizado de outros pós durante o processo de construção que envolve e protege o modelo. Isso significa que os objetos 3D não precisam de outras estruturas de suporte durante a construção.

    Como são as peças?

    O SLS produz peças duráveis ​​e de alta precisão e pode usar uma ampla variedade de materiais. É uma ótima tecnologia para peças e protótipos de uso final totalmente funcionais. Ele é bastante semelhante à tecnologia SLA no que diz respeito à velocidade e qualidade. A principal diferença é com os materiais, já que o SLS usa substâncias em pó, enquanto o SLA usa resinas líquidas.

    Como os tipos de impressão 3D listados acima, o método começa com a criação de um arquivo CAD, que então deve ser convertido para o formato .stl com softwares específicos. O material usado para impressão pode variar de nylon, vidro e cerâmica a alguns metais como alumínio, prata ou aço.

    Devido à grande variedade de materiais que podem ser usados ​​com este tipo de impressora 3D, a tecnologia é bastante popular para a impressão 3D de produtos personalizados. O SLS está mais difundido entre os fabricantes do que as pessoas que utilizam a impressão 3D como hobby, já que essa tecnologia exige o uso de lasers de alta potência, o que faz com que essas impressoras sejam caras.

    DMLS, SLM e EBM

    São processos de impressão 3D que produzem objetos sólidos, usando uma fonte térmica para induzir a fusão entre partículas de pó metálico uma camada de cada vez.

    A maioria dessas tecnologias empregam mecanismos para adicionar pó à medida que o objeto é construído, resultando no componente final envolvido no pó de metal. No entanto, as principais variações nessas tecnologias vêm da utilização de diferentes fontes de energia: lasers ou feixes de elétrons.

    • Tipos de impressão 3D: Direct Metal Laser Sintering (DMLS), Selective Laser Melting (SLM), Electron Beam Melting (EBM);
    • Materiais: metal em pó: alumínio, aço inoxidável, titânio;
    • Precisão dimensional: ± 0,1 mm
    • Aplicações comuns: peças de metal funcionais (aeroespacial e automotivo), medicina e odontologia;
    • Pontos fortes: partes mais fortes e funcionais e geometrias complexas;
    • Pontos fracos: pequenos tamanhos de construção e maior preço entre todas as tecnologias.

    DMLS (Direct Metal Laser Sintering)

    A DMLS (Direct Metal Laser Sintering) e a SLM (Selective Laser Melting) produzem objetos de maneira semelhante ao SLS. No entanto, a principal diferença é que esses tipos de tecnologia de impressão 3D são aplicados à produção de peças de metal.

    Para funcionar ela necessita de um laser poderoso (Yb-fibre laser) que consiga fundir as partículas dos metais para formar as camadas do objeto. Portanto sua grande vantagem é que permite criar peças finais complexas, que nos modelos tradicionais de fabricação seriam bem complicadas de produzir.

    Possui um custo altíssimo tanto da impressora quanto das peças impressas, por isso é usada em poucas áreas, sendo estas principalmente a indústria aeroespacial, a medicina e a odontologia.

    SLM (Selective Laser Melting)

    O SLM é um dos tipos de impressão 3D que usa o laser para obter uma fusão completa do pó metálico, formando uma parte homogênea. Assim ele resulta em uma peça que tem uma temperatura de fusão única (algo que não é produzido com uma liga).

    Essa é a principal diferença entre o DMLS e o SLM. O primeiro produz partes de ligas metálicas, enquanto o segundo forma materiais de elemento único, como o titânio.

    Ao contrário do SLS, os processos DMLS e SLM requerem suporte estrutural, a fim de limitar a possibilidade de qualquer distorção que possa ocorrer (apesar do fato de que o pó circundante fornece suporte físico).

    As peças DMLS / SLM estão em risco de deformação devido às tensões residuais produzidas durante a impressão, por causa das altas temperaturas. As peças também são normalmente tratadas termicamente após a impressão, enquanto ainda são fixadas na mesa, para aliviar qualquer tensão.

    EBM (Electron Beam Melting)

    EBM é outro tipo de fabricação de aditivos para peças metálicas. Foi originalmente criado pela Arcam AB Inc. no início deste século. Assim como o SLM, este método de impressão 3D é uma técnica de fusão de leito de pó. Enquanto o SLM usa o feixe de laser de alta potência como fonte de energia, o EBM usa um feixe de elétrons, que é a principal diferença entre esses dois métodos. O restante dos processos é bem parecido.

    O material usado no EBM é o pó metálico que derrete e forma camada por camada por meio de um computador, que controla o feixe de elétrons em alto vácuo. Ao contrário do SLS, o EBM vai para o derretimento total do pó de metal. Assim o processo é geralmente conduzido sob alta temperatura de até 1000° C.

    Comparado ao SLM, o processo do EBM é bastante lento e caro, e a disponibilidade de materiais é limitada. Portanto, o método não é tão popular, embora ainda seja usado em alguns processos de fabricação. 

    Atualmente, os materiais mais bem distribuídos que são usados ​​para EBM são Titânio, Inconel 718 e Inconel 625 comercialmente puros. A aplicação de EBM é principalmente focada em implantes médicos e na área aeroespacial.

    LOM (Laminated Object Manufacturing)

    A fabricação de objetos laminados (Laminated Object Manufacturing, LOM) é mais um sistema de prototipagem rápida desenvolvido pela empresa Helisys Inc., sediada na Califórnia.

    Durante o processo LOM, camadas de papel revestido com adesivo, plástico ou laminados de metal são fundidos usando calor e pressão e, em seguida, cortados com um laser controlado por computador ou faca. O pós-processamento das peças inclui etapas como usinagem e furação.

    O processo LOM inclui várias etapas. Em primeiro lugar, o arquivo CAD é transformado em formato de computador, que geralmente é STL ou 3DS. As impressoras LOM usam folhas contínuas revestidas com um adesivo, que é colocado no substrato com um rolo aquecido. O rolo aquecido que é passado sobre a folha de material no substrato derrete seu adesivo. Então o laser ou a faca traçam as dimensões desejadas da peça. Além disso, o laser ajuda a remover facilmente as partes em excesso após a impressão ser feita.

    Depois que uma camada é concluída, a plataforma é movida para baixo por cerca de um décimo de polegada. Uma nova folha do material é puxada pelo substrato e aderida a ele com um rolo aquecido. O processo é repetido várias vezes até que a peça 3D seja totalmente impressa. Quando qualquer material em excesso tiver sido cortado, a peça pode ser lixada ou selada com uma tinta. Se materiais de papel forem usados ​​durante a impressão, o objeto terá propriedades semelhantes a madeira, o que significa que ele precisa ser protegido da umidade. Então, cobri-lo com uma laca ou tinta pode ser uma boa ideia.

    Provavelmente, o LOM não é o método de impressão 3D mais popular, mas um dos mais acessíveis e rápidos. Isso porque o custo de impressão é baixo devido a matérias-primas não caras. Objetos impressos com LOM podem ser relativamente grandes, o que significa que nenhuma reação química é necessária para imprimir peças grandes.

    Jato de tinta (Inkjet)

    Também chamada de Inkjet, esse tipo de impressora 3D derivou da impressora 2D a jato de tinta. No entanto, nesse caso, são os jatos que criam as formas do objeto. Existem duas modalidades desse tipo de impressora 3D:

    • a primeira delas utiliza um tipo de material aglutinante que é lançado pelo jato sobre um pó de resina plástica. Nos locais em que esse pó cai, ele se funde e solidifica, dando origem às formas. O processo repete-se camada por camada até que o objeto fique completamente pronto. Permite-se a utilização de diferentes tipos de materiais aglutinantes, como cerâmica e comida;
    • a segunda modalidade é aquela na qual o material liberado pelo jato é a própria tinta. Geralmente, elas possuem muitas cabeças de impressão que, atuando todas ao mesmo tempo, favorecem que um mesmo objeto seja composto por diferentes materiais.

    Dos tipos de impressoras 3D, a impressora a jato de tinta é a que envolve maiores custos e também consome mais tempo. A matéria-prima é disponibilizada no formato de cartuchos, o que dá oportunidade para que os fabricantes explorem bem as possibilidades de maiores lucros.

    Uma boa vantagem dessa impressora é que ela permite a impressão em cores. Apesar de não ser muito usada por causa de seu custo-benefício pouco atraente, é provável que, no futuro, ela seja muito popular para as impressões domésticas.

    Polyjet

    A impressão PolyJet é semelhante à impressão a jato de tinta, mas, em vez de jatear gotas de tinta sobre o papel, as impressoras 3D PolyJet jateiam camadas de um fotopolímero líquido curável sobre uma bandeja de montagem.

    Suas principais vantagens são a de permitir imprimir uma mesma peça com cores e texturas diferentes e o excelente acabamento final das peças. No entanto, ela possui um alto custo de impressão.

    Agora que você já sabe que não existe apenas um tipo de impressão 3D e sim tipos de impressão 3D. Sabe também o quanto essa tecnologia pode ser amplamente utilizada, não vale mais tratar essa tecnologia como algo banal. Pois, tenho certeza que de alguma forma ela pode ser incorporada no seu dia a dia.

    Então, que tal aprender agora a como escolher a impressora 3D ideal para sua utilização e aproveitar tudo que ela tem a te oferecer?

    Minha conta


    Reconhecida como a melhor empresa de impressão 3D do Brasil. Impressoras, filamentos e resina para impressão 3D, cursos, manutenção e prototipagem.

    Endereço

    Rua Toyota, n°490, Jardim Piemont - Betim - MG 
    A 20 min do centro de Belo Horizonte.

    Horário de funcionamento

    08:00 às 17:00 | Segunda à sexta-feira

    Dúvidas gerais | Suporte | Vendas

    Nossas redes

    Este site é protegido pelo reCAPTCHA, a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.
    3D Lab Industria Ltda.
    CNPJ 20.212.019-0001/09
    Compre aqui!