Em compras acima de R$ 400,00 o frete é grátis! *Exceto impressoras 3D

Tag: Impressão 3D

Diâmetro de bicos capa

Aprenda a usar diferentes diâmetros de bicos para impressoras 3D!

Algumas das grandes dúvidas que surgem aos usuários de impressão 3D são: “que diferenças há entre os diferentes tipos de bicos disponíveis no mercado, qual utilizar em cada ocasião, e quais conselhos de uso e manutenção eles devem considerar?”

Um dos diâmetros padrões dos bicos para impressoras 3D é de 0,4 mm. A troca do bico leva apenas alguns minutos e pode trazer vários benefícios. Um bico menor é ótimo para impressões detalhadas (mais lentas), enquanto bicos maiores imprimem mais rápido, mas a qualidade sofre, não é mesmo?

Na realidade, é um pouco mais complicado. Em nosso artigo, demonstraremos os benefícios de bicos para impressoras 3D menores e maiores em situações reais. Mas primeiro, precisamos esclarecer algo que os usuários frequentemente erram – a correlação entre a altura da camada e o diâmetro do bico. Confira!

Altura da camada versus diâmetro do bico

A altura da camada não deve exceder 80% do diâmetro dos bicos para impressoras 3D. Se você estiver usando um bico de 0.4 mm, a altura máxima da camada deve ser de 0,32 mm. No entanto, com um bico de 0,6 mm, é possível alcançar uma altura de camada de 0,48 mm.

Altura da camada versus diâmetro do bico

Além dessas limitações, os dois parâmetros são independentes uns dos outros. Ajustar suas configurações separadamente trará resultados completamente diferentes. Os diâmetros dos bicos para impressoras 3D afetam o nível geral de detalhe quase exclusivamente no plano horizontal (paralelo à superfície de impressão).

O que isto significa? Com um bico menor, você poderá imprimir uma parte mais detalhada, desde que ela seja colocada na parte superior do objeto impresso. Ao contrário disso, a altura da camada afeta o nível de detalhe nos lados verticais e inclinados de um objeto. Quanto mais baixo você definir a altura da camada, melhor será o resultado geral. Por outro lado, faz pouco sentido imprimir objetos de formato retangular com altura de camada muito baixa. Haverá pouca ou nenhuma diferença no resultado final, mas o tempo de impressão será desnecessariamente longo.

Imprima até 4 vezes mais rápido!

Uma impressão com apenas alguns centímetros de altura pode levar várias horas para ser concluída. Por isso, porque ainda descartamos a possibilidade de imprimir utilizando bicos para impressoras 3D de grande diâmetro, mesmo com o fato de que a troca pode levar a uma melhoria significativa na velocidade de impressão?

Um bico para impressora 3D de maior diâmetro estabelece perímetros mais largos, o que significa que ele usa menos perímetros do que um bico de menor diâmetro para imprimir uma parede da mesma espessura.

Bicos para impressoras 3D com um diâmetro maior também permitem imprimir com maior altura da camada. Combinar esses dois efeitos leva a um tempo de impressão notavelmente menor.

Mas há uma pegadinha: se você mantiver a mesma altura da camada para imprimir algo com apenas um perímetro, como um vaso, você não perceberá nenhuma melhora na velocidade. Isso porque o bico tem que passar exatamente pela mesma sequência de movimentos, independente do diâmetro. Sim, o vaso terá uma parede ligeiramente mais grossa, mas o tempo de impressão será quase o mesmo.

Efeito nas propriedades mecânicas

Outra vantagem de usar bicos para impressoras 3D maiores é uma maior resistência dos objetos impressos. Os objetos impressos com o bico de 0,6 mm absorvem até 25,6% de energia mais do que aqueles impressos com um bico de 0,4 mm. E objetos impressos com bico de 0,25 mm absorveram 3,6% menos energia do que aqueles impressos com o de 0,4 mm.

Efeito nas propriedades mecânicas

Dados obtidos no teste de resistência ao impacto Charpy.

Suporte

Se você for para as configurações do fatiador, poderá notar que os suportes são deliberadamente subextrusados, para facilitar a remoção. E, claro, usar bicos para impressoras 3D diferentes afetam diretamente a largura das paredes de suporte.

Você pode transformar isso em uma vantagem. Simplesmente usando um bico menor, os suportes serão mais finos e fáceis de remover. A utilização de bicos maiores tem um efeito oposto, levando a suportes mais largos e resistentes, o que pode ser um pouco difícil de remover.

Diferentes bicos para impressoras 3D

Bico de 0,25 mm

Prós

  • Melhores detalhes;
  • Melhor resolução nos eixos XY;
  • Suportes extremamente fáceis de remover.

Contras

  • Tempos de impressão significativamente maiores;
  • Maior risco de o bico ficar entupido;
  • Não compatível com alguns filamentos (filamentos contendo partículas maiores).

Exemplos práticos

Impressão de linhas finas

Este é outro ótimo uso de um bico para impressora 3D menor. A diferença entre um bico de 0,4 mm e um de 0,25 mm não é tão drástica, porque mesmo um bico de 0,4 mm pode imprimir objetos pequenos razoavelmente bem. As melhorias serão visíveis, especialmente ao imprimir linhas finas.

Impressão de linhas finas

Impressão de miniaturas

Surpreendentemente, a impressão de miniaturas usando um bico de pequeno diâmetro leva a uma pequena melhoria na qualidade de impressão. Você notará o maior aprimoramento durante a impressão de suportes para esses objetos. Os suportes impressos com um bico de 0,25 mm são fáceis de remover e deixam marcas praticamente invisíveis no objeto.

Impressão de miniaturas

Por outro lado, se você não precisar de suportes, a diferença entre os bicos de 0,4 mm e 0,25 mm será próxima de zero. Honestamente, se tivéssemos mudado os rótulos acima desses dois baús, você saberia identificar a diferença?

Impressão de miniaturas

Bico de 0,60 mm

Um bico de 0,60 mm é adequado para qualquer impressão que não dependa de pequenos detalhes. Vários suportes, prateleiras ou vasos de flores… podem ser impressos na metade do tempo normal.

Prós

  • Imprimir até duas vezes mais rápido;
  • Quase a mesma qualidade de impressão que um bico de 0.4 mm;
  • Impressões mais duráveis;
  • Baixo risco de um bico entupido.

Contras

  • Pior resolução de pequenos detalhes e textos;
  • Os suportes são mais difíceis de remover.

Exemplos de uso prático (0,6 mm)

Vasos de flores

Geralmente, os vasos de flores não apresentam detalhes, portanto, a diferença entre uma impressão de 0,4 mm e uma de 0,6 mm é quase impossível de se dizer. No exemplo abaixo, estamos usando a mesma altura da camada. Com uma altura de camada aumentada o 0,6 mm terminaria a impressão ainda mais rápido. E graças à forma do vaso de flores, a diferença não seria muito perceptível.

Vasos de flores

Buddy the Dog

Buddy é um modelo bastante detalhado. No entanto, o bico de 0,6 mm não tem problemas com isso quando a altura de camada é de 0,2 mm.

Lâmpada de Voronoi

Graças à forma desta lâmpada (grandes superfícies planas), quase nenhuma qualidade foi sacrificada. Um bico de 0,6 mm requer menos tempo para atingir a mesma espessura da parede que um bico de 0,4 mm. Assim economizou-se uma enorme quantidade de tempo, com uma redução de quase 9 horas!

Lâmpada de Voronoi

Bico de 1,0 mm

Um milímetro? Sim, correto. Esqueça tudo o que você acha que sabe sobre impressão 3D. Mesmo impressões que levam dezenas de horas para terminar podem ser feitas em apenas algumas horas usando um bico para impressora 3D de 1,0 mm. Isso porque você pode obter velocidades de impressão até 5 vezes mais rápidas em comparação com um bico de 0,4 mm. Claro, há um preço a pagar. Com um bico de 1,0 mm, você normalmente imprime em uma altura de camada de 0,5 mm, mas é possível aumentar ainda mais. Claro, as camadas do objeto impresso serão altamente visíveis, mas às vezes isso não atrapalha.

Em alguns casos, pode até mesmo dar ao modelo uma estética interessante, o que pode ser bastante desafiador para se conseguir com o uso de outros métodos.

Prós

  • Impressão extremamente rápida;
  • Impressões muito resistentes;
  • Aparência incomum com camadas altamente visíveis;
  • Quase zero risco de um bico entupido.

Contras

  • Falta de detalhes;
  • Camadas visíveis;
  • Suportes muito difíceis de remover.

Exemplos de uso prático (1,0 mm) 

Dinossauro – um brinquedo para crianças

Uma vantagem surpreendente de usar um bico de 1,0 mm é a capacidade de imprimir bordas arredondadas naturalmente – sem configurações adicionais. Isso é ótimo para imprimir brinquedos para crianças, pois o risco de cortar um dedo em uma borda afiada é minimizado. Além disso, o brinquedo foi impresso cinco vezes mais rápido em comparação com o bico de 0,4 mm.

Dinossauro – um brinquedo para crianças

Porta lápis

Porta lápis

Impressões transparentes sem preenchimento

Modelos impressos usando um filamento transparente (por exemplo, PETG) sem um preenchimento e com uma altura de camada muito alta têm a capacidade de refratar a luz de uma maneira interessante. Conseguir um visual semelhante seria, de outro modo, bastante complicado.

Impressões transparentes sem preenchimento

Em resumo o bico de 0,6 oferece tempos de impressão consideravelmente menores, mas ainda é possível imprimir modelos razoavelmente detalhados. Caso você tenha o hábito de imprimir modelos pequenos com textos, linhas finas ou logotipos, considere também o bico para impressora 3D de 0,25 mm. A versão de 1,0 mm tem uso limitado, mas ainda é muito divertido de usar. Esse pequeno investimento pode ter um impacto surpreendentemente grande na maneira como você imprime.

Portanto, agora que você já sabe quando utilizar os diferentes diâmetros de bicos para impressoras 3D, que tal aprender agora 3 formas simples de como desentupir o bico da sua impressora 3D?

Conteúdo baseado em testes divulgados no site da Prusa.

Qual é a influência da altura da camada em suas peças 3D?

Layer é a camada de impressão. A resolução das peças será medida justamente por ela, pela altura da camada. Quanto maior for, pior será a resolução.


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

Quem usa impressão 3D sabe que temos uma infinidade de variáveis que podem ser trabalhadas para gerar diferentes resultados. Um dos parâmetros avaliados antes de se produzir uma peça é a resolução, ou, neste caso, a altura da camada. Essa característica permite alterar a qualidade superficial da peça, mas isso gera uma consequência grande no tempo de impressão.

Então, neste artigo mostraremos um teste que fizemos. Selecionamos uma peça e fizemos a impressão com diferentes alturas da camada. Encontramos grandes curiosidades. Confira!

 

O que é a altura da camada na impressão 3D?

A altura da camada é a espessura de cada camada impressa. Sabemos que o processo de impressão 3D por FDM consiste na deposição de material em camadas, com progresso vertical. A cabeça de impressão realiza a deposição de um nível inteiro e sobe ao nível seguinte, e assim sucessivamente até o término do projeto.

As impressoras 3D do mercado normalmente conseguem imprimir entre a altura da camada de 0,05 milímetros e 0,4 milímetros, mantendo o mesmo bico de impressão. Aliás, esse é um ponto que gera muitas dúvidas nas pessoas: preciso alterar o bico para mudar a resolução? A resposta é não!

O que acontece é que o determinante para a altura da camada da peça é o fluxo de material, ou seja, a quantidade de filamento que é projetado sobre o bloco aquecedor e que passa pelo bico. Ao variar a resolução, o software de impressão calcula a velocidade do motor que traciona o filamento, criando uma compensação.

Para que fique mais claro a influência desse parâmetro na peça, fizemos um teste em uma de nossas impressoras 3D. Selecionamos um modelo, da estátua Moai, e fizemos a impressão variando a altura da camada. Essa foi a única variável que alteramos. Mantemos a mesma temperatura e velocidades, justamente para isolar essa característica e ver a sua influência no resultado. Utilizamos um filamento ABS Premium Marrom da 3D Lab.

Para comparação, duplicamos uma das peças geradas e fizemos um acabamento com vapor de acetona. Vamos comparar a qualidade superficial entre elas. Confira, nas fotos abaixo, como foram os dados obtidos:

Teste de impressão com variação na altura da camada

Teste de impressão com variação na altura da camada

Como fica claro nas imagens acima, a variação da qualidade superficial das peças foi muito grande. Excluindo a peça tratada com vapor de acetona, a impressão da esquerda tem uma superfície mais lisa, com uma aparência de maior qualidade. Ao aumentar as camadas, até chegar na peça à direita, essa qualidade vai reduzindo.

Porém, uma análise muito importante de se fazer é no tempo de impressão. Como podemos ver na primeira imagem, o tempo de impressão da peça com 0,05 milímetros, ou 50 mícrons, foi de 171 minutos, enquanto a peça de 0,4 milímetros demorou somente 24 minutos, o que representa 14% do tempo da primeira.

Outro ponto interessante que observamos foi no brilho da peça. Percebe-se claramente que a que possui uma melhor resolução, ou menor altura de camada, tem um aspecto mais fosco, enquanto a peça de 0,4mm é mais brilhante. Na verdade, esse efeito é resultado da dispersão da luz. Com camadas mais grossas, a curvatura da superfície externa reflete mais a luz, gerando o brilho mais forte.

Para compararmos a qualidade superficial, separamos uma das peças e a tratamos com vapor de acetona. O procedimento é bem simples: com um recipiente fechado, umidecemos papel toalha com acetona pura, preenchemos a parede do recipiente com esse material e colocamos a peça no interior. Deixamos esse processo reagir por 1 hora e meia, com uma peça de 0,4 milímetros. Fizemos esse mesmo procedimento também com uma peça de 50 mícrons. O tempo necessário de acabamento foi menor, de 30 minutos, mas o resultado na superfície da peça foi similar. Por isso, focamos somente na peça de 0,4.

Segue a configuração utilizada nos testes. A variação dos parâmetros ficou somente na altura da camada.

Software: Simplify3D

Teste de impressão com variação na altura da camada 2
Teste de impressão com variação na altura da camada 3
Teste de impressão com variação na altura da camada 4

Então, qual é a melhor resolução para as peças?

Como vimos no teste, a diferença na qualidade superficial entre as peças obtidas é muito grande, porém, o tempo necessário de impressão também é. Não podemos falar que a peça de 50 mícrons é melhor do que a peça de 0,4 milímetros. Isso vai depender da finalidade do projeto.

Então, o primeiro passo para identificar qual é a altura de camada que você deve usar em suas impressões é analisar o objetivo da peça. Será que ela realmente precisa de uma qualidade superficial tão alta? Qual seria o tempo de impressão em uma resolução melhor? Fizemos esse teste com uma peça com altura de 5 centímetros, mas e se ela fosse projetada com altura de 40 centímetros? O tempo de impressão com uma camada mais fina para esse caso seria muito longo, praticamente inviável.

O acabamento das peças também se mostrou uma boa opção, mas é preciso ter cuidado com o manuseamento dos materiais utilizados.

Gostou do nosso artigo sobre a altura de camada? Então aprenda agora sobre as principais propriedades técnicas dos filamentos para impressão 3D.

 

Filamento PLA: como imprimir com esse filamento

Filamento PLA é o nome mais comum para ácido polilático, ou melhor dizendo, poliácido láctico. Ele possui esse nome porque é formado por várias cadeias de repetição do ácido lático (composto orgânico de função mista – ácido carboxílico e álcool).


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

O filamento PLA é um dos principais filamentos para impressora 3D. Esse material possui diversas propriedades que o tornam uma excelente opção para quem quer obter peças com boa qualidade e segurança, sendo utilizado em praticamente todas as impressoras 3D por processo de fusão e deposição. No entanto, para obter o máximo de desempenho com o PLA, é preciso conhecer a fundo suas características.

Por isso, criamos este artigo com tudo que você deve saber. Ao final dele você estará preparado para imprimir como um profissional. Confira!

 

Por que o filamento PLA é usado na impressão 3D?

O filamento PLA é um poliéster termoplástico, produzido a partir de fontes naturais como milho e cana de açúcar, o que o faz ser um material biodegradável. É um plástico de fácil utilização e não emite odor ou gás durante o processo de impressão sendo um grande diferencial perante aos demais termoplásticos. Seu processo de impressão 3D resulta em qualidade dimensional da peça e também apresenta ótimo resultado em peças de maior porte. O maior produtor desse material é os Estados Unidos. Atualmente, a 3D Lab trabalha com a melhor matéria prima disponível no mundo, da marca NatureWorks.

Por que o filamento PLA é usado na impressão 3D

A utilização do filamento PLA é bastante difundida pela facilidade de impressão que ele proporciona. Qualquer impressora 3D do mercado consegue trabalhar com o filamento PLA, com extrema tranquilidade. Por isso para iniciantes nessa tecnologia, é uma excelente porta de entrada. Para os mais experientes, ele proporciona uma ótima qualidade superficial e dureza elevada.

Em sua forma natural ele é translúcido, mas carretéis de filamentos pigmentados podem ser usados ​​para fazer objetos em cores diferentes.

Pensando na preservação do meio ambiente, o filamento PLA por ser obtido a partir de fontes renováveis, é o mais indicado para a utilização. Porque seu uso não implica em gases tóxicos e o material é biodegradável. Mas atenção: ele ser biodegradável não significa que você perderá a sua peça em pouco tempo! Uma peça em PLA pode durar muitos e muitos anos!

Quais são as vantagens e desvantagens desse material para os outros disponíveis?

Atualmente, os dois materiais mais utilizados na impressão 3D são o PLA e o ABS. Enquanto o primeiro representa um material biodegradável, o segundo é derivado do petróleo. Outro material que vem ganhando destaque é o PETG, que possui características mescladas com os dois principais. Então, veja a seguir uma tabela comparativa entre os materiais mais utilizados:

Quais são as vantagens e desvantagens desse material para os outros disponíveis

É ótimo que o filamento PLA possui a possibilidade de ser biodegradado, mas nem sempre isso é possível. Para ocorrer a degradação adequada é preciso que os descartes de plástico PLA sejam feitos corretamente. Isso implica que o material seja depositado em usinas de compostagem, onde há condições adequadas de luz, umidade, temperatura e quantidade correta de micro-organismos.Então, com essas informações, o filamento PLA é um material indicado para as seguintes situações:

  • peças grandes;
  • que precisam de um ótimo acabamento superficial sem tratamento pós impressão;
  • expostas a carga estática;
  • que necessitem de alta dureza superficial;
  • que sofram de esforços de atrito;
  • impressão em locais com clima frio.
  • impressora abertas;

No entanto, em comparação, ele não é indicado para peças que:

  • terão de sofrer acabamento posterior, como lixa e acetona;
  • ficarão expostas ao sol ou temperaturas elevadas;
  • terão de resistir mecanicamente a impactos.

Como configurar a sua impressora para o filamento PLA?

Na página do filamento PLA, na aba “Downloads” em nossa loja virtual, disponibilizamos o arquivo pronto para a impressão, em FFF, configurado para o Simplify3D e uma impressora padrão. Portanto pode ser necessário alguns ajustes como volume de impressão etc. Caso você o utilize, é só baixar o arquivo, salvá-lo no seu computador, abrir o programa e importar o arquivo.

Assim, vamos mostrar os principais parâmetros a seguir. Confira:

Filamento PLA 3D Lab

Temperatura do extrusor: de 200 a 220°C (utilizamos 210°C)

Temperatura da mesa: ambiente até 70°C (utilizamos temperatura de 60°C)

Retract: 3 milímetros (verificar cada impressora)

Fator de extrusão: 1,0 (100%)

Diâmetro do filamento: 1,75mm ou 2,85mm

Tipo de extrusor: pode ser usado em qualquer tipo. Mas, para extrusores All Metal é recomendado usar lubrificação com óleo lubrificante (óleo de máquina ou até azeite)

Extrusion Width: 0,48mm (largura de extrusão padrão)

Então, com essas informações você conseguirá utilizar muito bem o filamento PLA na sua impressora. Lembre-se que os pilares do sucesso para a impressão 3D são uma boa impressora, filamento de qualidade e conhecimento! Sempre prezar por filamentos de qualidade, que garantam uma boa segurança para as suas impressões.

Agora que você já sabe como utilizar o filamento PLA na sua impressora, descubra qual é a influência da altura da camada em suas peças!

Filamento ABS: como imprimir com esse material

Você já teve dificuldades em imprimir com o filamento ABS? Esse material é usado para diferentes aplicações, mas é preciso ter alguns cuidados especiais para não cometer erros. Neste conteúdo nós vamos falar sobre como imprimir com filamento ABS, mostrando as melhores dicas!


O filamento ABS é um material amplamente utilizado na indústria, principalmente automotiva. Partes dos carros, como o painel, absorvem uma grande quantidade desse material. Na impressão 3D, ele também tem suas aplicações. Porém, muitas pessoas não conseguem utilizá-lo e acabam perdendo grandes oportunidades.

Por isso, criamos este artigo para te ajudar. Mostraremos tudo o que você precisa fazer na sua impressora para que consiga produzir peças de qualidade com esse filamento para impressora 3D. Boa leitura!

Por que o filamento ABS é bastante utilizado?

A sigla ABS representa Acrilonitrila Butadieno Estireno. Se trata de um polímero bastante utilizado pelas empresas por conta de suas boas propriedades, como a resistência mecânica. Esse material é obtido a partir do petróleo.

Na impressão 3D o filamento ABS, juntamente com o PLA, é o material mais utilizado. Sua ótima resistência mecânica, resistência térmica e a facilidade de dar acabamento posterior, seja com lixa ou tratamento com acetona, o tornam uma grande opção.

Porém, é intrínseco ao material uma forte contração quando ele é resfriado e isso é visto principalmente em impressoras abertas (warp). Pensando nisso, as principais marcas fabricantes de impressoras estão desenvolvendo as máquinas já com uma estrutura que isola a temperatura ambiente da peça.

Se a sua impressora é aberta e você quer imprimir com o filamento ABS, fechá-la com uma estrutura simples de acrílico já ajuda bastante.

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium?

Além da forte contração, este material apresenta um cheiro forte, característico de sua origem no petróleo. Então, para melhorar o cheiro, a contração e ainda melhorar a fluidez do material e a adesão entre camadas, a 3D Lab desenvolveu o seu ABS Premium. Hoje, esse material é utilizado por diferentes empresas, desde pequenos negócios até multinacionais.

Na foto abaixo percebe-se um outro ganho do Premium sobre o comum, que é a capacidade de impressão em ângulo, sem o uso de suporte. Atualmente a 3D Lab só trabalha com o filamento ABS Premium devido às enormes vantagens. A partir deste ponto do conteúdo, sempre que falarmos em ABS, estamos tratando do Premium 3D Lab.

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium 1

Quais são as vantagens e desvantagens desse material?

O filamento ABS, como já falamos, tem uma forte resistência mecânica, pode ser exposto ao sol sem se deformar e aceite com facilidade alguns processos de acabamento, como lixa e tratamento com acetona. Em desvantagem ao PLA, ele é mais indicado para impressoras fechadas por apresentar uma forte contração quando resfria. Obrigatoriamente é necessária mesa aquecida para se trabalhar com este material, possibilitando a fixação na mesa, aplicando uma cola líquida, fita adesiva ou mesmo o laquê de cabelo, que é bastante utilizado para esse fim.

Portanto, para entender melhor a relação entre os materiais, confira a tabela abaixo:

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium 2

Como preparar a impressora para o filamento ABS?

Para configurar a sua impressora e deixá-la pronta para imprimir com o nosso filamento, você pode baixar o arquivo pronto, disponibilizado na página do produto, na aba de “Downloads“. O arquivo é para o Simplify3D é de uma impressora padrão, podendo ser necessário alguns ajustes como volume de impressão,etc. Então, caso você use outro software ou queira entender os parâmetros, siga as recomendações:

Filamento ABS Premium 3D Lab

Temperatura de extrusão: 220 a 240°C (235°C utilizado em testes)

Temperatura da mesa: 110°C com adesivo para fixação

Retract: 1,0mm

Fator de extrusão: 1,0 (100%)

Diâmetro do filamento: 1,75mm ou 2,85mm

Extrusion Width: 0,48mm (largura de extrusão padrão)

Então, como vimos em nosso artigo, o filamento ABS é um ótimo material para impressão 3D. Ele é muito utilizado para diversas finalidades dos projetos. Atente para as configurações que indicamos para alcançar bons resultados. Lembre-se de prezar por filamentos de qualidade, com procedência para que suas impressões saiam perfeitas.

Agora que você já sabe como imprimir com o nosso filamento ABS, conheça um método simples e muito eficiente para dar acabamento em peças produzidas com esse material!

Negócio com impressão 3D: conheça 4 diferentes áreas para atuar!

As impressoras 3D vem dominando cada vez mais o mercado nesses últimos anos e não deve demorar muito para que elas se tornem um acessório comum até mesmo em nossas casas e ambientes de trabalho. Inicialmente, as impressões 3D começaram a ter um papel crucial em alguns setores industriais e com o passar do tempo foram conquistando seu lugar em muitas outras áreas que vão desde a parte de automação com robôs em indústrias até a parte de confeitaria e decoração imprimindo formas de doces e biscoitos.


Provavelmente você já viu algo sobre impressoras 3D na mídia. Uma reportagem sobre uma grande empresa que utiliza a tecnologia ou mesmo um grupo de jovens que montou sua própria impressora. Mas você já se perguntou se dá para criar um negócio com impressão 3D? Pois bem, saiba que uma máquina pode lhe ajudar a atuar em diferentes campos.

A tecnologia de impressão 3D, apesar de não ser tão nova, está crescendo bastante e se tornando conhecida e muito utilizada. Empresas como Ford e Embraer estão reduzindo custos na criação de protótipos e investindo na tecnologia de impressão.

Quais áreas posso criar um negócio com impressão 3D?

Um dos grandes atrativos de uma impressora 3D é a possibilidade de imprimir praticamente qualquer coisa. Seja um protótipo de uma peça técnica para Engenharia ou uma peça de roupa, para o setor de Moda. Basta modelar o arquivo da peça em 3D e conhecer algumas técnicas de impressão. Porém, há também alguns sites que disponibilizam o arquivo já pronto, como o Thingiverse e MyMiniFactory. Veja agora alguns campos em que é possível criar um negócio com impressão 3D:

1 – Design

A área de Design é muito ampla. Há várias possibilidades de especialização e a impressão 3D pode beneficiar várias delas. Um bom exemplo é o design de interiores. Com acesso à impressora, pode-se criar o ambiente imaginado, com detalhes que uma visualização pela tela do computador não permite.

Então, outra área que pode se beneficiar é a de criação de personagens, muito presente em filmes e jogos. Hoje é possível imprimir miniaturas fiéis aos personagens de filmes, agregando um alto valor à peça.

Design

Design de produto também é bastante beneficiado. Por exemplo, você pode criar um protótipo fiel ao produto final, com preço baixo e tempo curto é um ponto importante que uma impressora 3D fornece.

2 – Engenharia

O campo da Engenharia enxerga a impressão 3D com ótimos olhos. Ultimamente a NASA divulgou que enviou para o espaço uma impressora, com o objetivo de criar lá, as peças e ferramentas de substituição. Isso representa uma economia grande, visto que antes era necessário aguardar o carregamento trazido por outras naves. Uma operação cara e demorada.

Na criação de protótipos está outra forte aplicação da tecnologia. Com ela é possível testar exaustivamente a utilização de um conceito, sem ter que investir em moldes caros, com várias limitações para alterações.

Engenharia

3 – Moda

Não pense que um negócio com impressão 3D é limitado a cálculos e desenhos. Ela não só pode como é bastante aplicada na Moda. Um dos maiores impérios do ramo, a grife Chanel já apresentou uma jaqueta inteira impressa em 3D. Marcas como Iris Van Herpen, Ateliê Versace e Ohne Tite também já desfilaram suas produções impressas.

Moda

4 – Gastronomia

Não, você não leu errado. A impressão 3D também pode ser usada para criação de alimentos. Claro que o equipamento tem de ser próprio para isso, para evitar contaminação dos ingredientes, mas já há impressoras voltadas para esse propósito.

A Food Ink é uma empresa que trabalha com a impressão 3D para este fim. Ela foi a primeira empresa no mundo com um cardápio impresso em 3D. Os pratos servidos vão desde doces e salgados até massas de pizza.

Gastronomia

Portanto, como vimos em nosso artigo, abrir um negócio com impressão 3D é totalmente possível e pode ser feito em diversas áreas. A tecnologia vem se expandindo a cada dia, mostrando novas possibilidades e aplicações, reduzindo custos e tempo e criando facilidades necessárias à um mundo que não para.

Então, gostou deste post? Não deixe de compartilhar em suas redes sociais e siga nossa página para estar sempre por dentro das novidades.

4 características do melhor filamento para impressão 3D

4 características do melhor filamento para impressão 3D

Quer conhecer o melhor filamento para impressão 3D do mercado? Escolher materiais de qualidade tem total influência nos resultados finais. Por isso, criamos este conteúdo com 4 características que você deve buscar para identificar o melhor filamento.


O filamento para impressora 3D representa a matéria prima dessa tecnologia que vem mudando e otimizando os processos de fabricação. Uma impressora é capaz de fazer coisas incríveis, desde brinquedos e peças domésticas até próteses e equipamentos industriais. Porém, não basta ter uma boa impressora se o filamento não é de qualidade.

Um erro bem comum é optar por materiais de baixo custo, que não atendem aos requisitos mínimos para uma boa impressão. Essa “economia” pode gerar uma baita dor de cabeça no final do projeto e acabar elevando bastante o custo final. Por isso, é essencial buscar o melhor filamento para impressora 3D!

Então, para que você consiga identificar todas as boas características de um filamento, criamos uma lista com as 4 principais. Confira!

A importância em contar com o melhor filamento para impressão 3D

Uma regra inicial para escolher um bom filamento é não focar somente no preço. Calma, você não precisa pagar valores irreais, como no caso de filamentos importados, para ter um bom material. No Brasil há empresas sérias que se preocupam em entregar bons produtos. Por isso, no nosso artigo vamos mostrar como identificar um bom filamento e garantir o sucesso do seu projeto.

Antes de falar das 4 características vamos mostrar um exemplo do que representa o preço do filamento em uma peça impressa, que será comercializada.

Então, imagine que você está usando a impressora 3D com fim comercial, imprimindo projetos. Você optou por cobrar pela hora de impressão, com o valor de R$30,00 a hora. A peça em questão é de uma figura criada para um jogo. A impressão levou 12 horas e, no final, usou, entre o objeto e as perdas com material de suporte, 200 gramas. O material utilizado foi ABS Premium 3D Lab, que custa R$89,90 o quilo (preço atualizado em Fevereiro/2020).

Dados do projeto

  • monetização: R$30,00 por hora de impressão;
  • tempo gasto: 12 horas;
  • material escolhido: ABS Premium Cinza 3D Lab;
  • preço do filamento: R$89,90 o quilo do material;
  • quantidade de material gasto no projeto: 200g;
  • custo do material gasto: R$18,00;
  • valor cobrado pelo projeto: R$360,00.

Conclusão

Ou seja, o valor cobrado pelo trabalho foi de R$360,00 e o gasto em filamento foi de R$18,00, o equivalente a 5%. É um custo muito baixo por um filamento de alta qualidade, não é mesmo?

Agora, imagine que você encontrou uma outra opção de filamento, o quilo do ABS por R$60,00. O preço é convidativo. No entanto, imagine que você colocou o mesmo projeto para imprimir e quando a peça estava com 60%, a impressão começou a apresentar falhas e você teve que interromper o trabalho.

Foi necessário retirar a peça e começar novamente, depois de mais de 7 horas de funcionamento da impressora. Você recolocou o projeto e a peça saiu legal dessa vez.

No fim das contas, você recebeu os mesmos R$360,00, já que o preço é passado antes do trabalho ao cliente. O total de filamento gasto foi de 120 gramas na primeira tentativa e 200 na segunda, totalizando 320 gramas. Com o preço de R$60,00 o quilo, você gastou R$19,20.

Assim, você gastou mais no segundo caso do que no primeiro. Mas você pode dizer: A diferença foi pouca, prefiro arriscar! Bom, engano seu.

A diferença principal está no tempo! No segundo caso, com um filamento que não é de qualidade, você gastou aproximadamente 19 horas totais, 7 a mais do que no primeiro caso. Se você tivesse usado esse tempo para fazer um outro projeto, cobrando as mesmas R$30,00/hora, você teria faturado R$210,00 a mais!

Ou seja, por causa de uma “economia” de R$25,00 você deixou de faturar R$210,00. Triste, não é mesmo? Então, sempre escolha o melhor filamento para impressão 3D!

A escolha do melhor filamento para impressão 3D

Então, como prometido, vamos às 4 características fundamentais do melhor filamento para impressão 3D:

1. Diâmetro dentro da faixa estipulada

1. Diâmetro dentro da faixa estipulada

 

Tão importante quanto escolher a impressora, é escolher o melhor filamento para a impressão 3D. Então, o primeiro ponto que destacamos é o controle do diâmetro.

Algumas pessoas tentam compensar um filamento fora do padrão alterando a configuração do fatiador, mas isso não é indicado, pois se o material está fora do recomendado, mesmo colocando a faixa de variação para baixo ou para cima, você não terá a certeza de que o diâmetro estará dentro desses valores.

Problemas causados por falha no filamento

  • sub extrusão (filamento abaixo do diâmetro) que causa a falta de preenchimento das camadas;
  • sobre extrusão (filamento acima do diâmetro) que é o excesso de material, causando bolhas a má formação das camadas;
  • travamento no tracionador: pode ser causado pelo diâmetro mais fino, fazendo com que o tracionador “patine” e não gere tração no filamento, ou pode ser causado pelo diâmetro acima, travando o tracionador com excesso de material;
  • entupimento no bico: que pode ser causado pelo diâmetro acima, com excesso de material ou até mesmo impureza no filamento, gerando um inchaço em um ponto do filamento;
  • desgaste excessivo do tubo de teflon: em impressoras com o tubo, trabalhar com diâmetro acima pode causar desgaste excessivo, levando a necessidade de troca rapidamente.

Todos esses pontos são problemas trazidos pela falta do controle dimensional do filamento. Para garantir que seu material está correto, a melhor forma é usar um paquímetro e medir o diâmetro do filamento.

Mas, como esse não é um equipamento presente na maioria das residências, converse com o fabricante do material e pergunte sobre como ele controla o diâmetro.

O mais indicado é que esse controle seja feito por meio de sensores eletrônicos, garantindo que o material esteja dentro da faixa especificada.

Então, lembre-se: as medidas dos filamentos utilizadas comercialmente são 1,75 e 2,85mm, com tolerância de +/- 0,05. Dessa forma, o filamento pode variar entre 1,70 – 1,80mm e 2,80 – 2,90mm. Se o filamento que você estiver usando está fora desses intervalos, pode estar aí a causa de alguns problemas enfrentados. Nesse caso, entre em contato com o fabricante e cobre uma solução.

2. Mesma tonalidade de cor em diferentes lotes

Imagine que você compra um carretel de um quilo de um determinado fabricante de filamentos. Porém, você está imprimindo uma peça grande, com várias partes.

Você acabou uma etapa e precisa de mais material para finalizar o trabalho. Então, obviamente, consultou o mesmo fabricante e solicitou mais material. Porém, para sua surpresa, o tom da cor foi alterado e sua peça ficou com duas variações. Você não quer passar por isso, não é mesmo?

Manter o mesmo tom das cores ofertadas é um requisito que deve ser cobrado de todos os fabricantes. Por isso, sempre mantemos um controle de tonalidade entre cada lote, com o cálculo exato da concentração dos pigmentos e parâmetros da máquina extrusora.

3. Filamento com controle de umidade

3. Filamento com controle de umidade

 

A umidade é uma das principais vilãs dos filamentos. Um material que ficou exposto por um bom tempo ao ar, principalmente se o ar ambiente do local está mais úmido, não apresenta as mesmas características de quando ele foi produzido.

A umidade pode trazer, entre os efeitos:

  • filamento mais quebradiço, podendo romper durante a impressão e parar o projeto;
  • falhas na impressão, onde são formadas bolhas de ar que interrompem o fluxo de material;
  • aspereza nas peças;
  • problemas de adesão entre as camadas.

Para garantir o controle de umidade nos filamentos, nós, da 3D Lab, embalamos cada carretel à vácuo, junto com um plástico zip para utilização após abertura e o pacote de sílica. Assim, você pode abrir, utilizar o material e voltar com ele para dentro do plástico. Isso é muito importante.

Muitas pessoas colocam o filamento na impressora e deixam ele lá depois da impressão. Não faça isso. Sempre que não estiver usando, guarde-o.

Uma outra alternativa é utilizar uma caixa separadora, que consiga manter os filamentos isolados da umidade. Coloque sílica ou produtos que retiram a umidade dentro da caixa, junto com os filamentos. Esses produtos podem ser encontrados em supermercados.

4. Enrolamento no carretel

4. Enrolamento no carretel

Uma grande dor de cabeça ao utilizar os filamento para impressora 3D é quando ele está mal enrolado no carretel. Você prepara a impressora, inicia o trabalho e, quando se dá conta, o carretel está travado, com um nó ou alguma interferência. Novamente, isso pode representar uma perda de tempo e dinheiro!

O carretel tem uma função importante no enrolamento. Ele deve ser feito para aguentar a pressão necessária para que o produto se mantenha tensionado. Utilizar carretéis de papelão ou outros materiais de pior qualidade pode colocar em risco a sua impressão.

Outro ponto é o enrolamento do filamento. Ele deve garantir que o fio não trave, começando de uma ponta, indo até a outra e voltando. Para que isso seja feito de maneira correta, nós utilizamos um sistema eletrônico, programado para o carretel específico.

Se você suspeitar que o enrolamento do seu filamento não está legal, entre em contato conosco e resolveremos o seu problema.

A relação entre filamentos de qualidade e ótimas impressões!

Portanto, como vimos em nosso artigo, utilizar o melhor filamento para impressão 3D pode garantir a qualidade dos seus projetos. Escolher opções de baixo custo pode gerar muita dor de cabeça e até colocar toda a lucratividade do seu negócio em risco, além de consumir muito tempo e dinheiro.

Para descobrir se o filamento que você usa tem qualidade, avalie os 4 pontos que destacamos. Então, confira o diâmetro do material, se está entre 1,70 e 1,80mm ou 2,80 e 2,90mm.

Certifique-se que a empresa fornecedora mantém a mesma tonalidade do filamento em diferentes lotes. Tenha atenção se a embalagem do material permite armazená-lo de forma a controlar a umidade e confira se o enrolamento está legal.

Atentando para esses pontos você será capaz de tomar a melhor decisão de compra do filamento para impressora 3D.

Gostou do nosso artigo? Então agora vá até a nossa loja e garanta seus filamentos!

10 possibilidades com impressão 3D para você conhecer agora mesmo!

Você realmente conhece as principais possibilidades com impressão 3D? Estamos vendo pessoas e empresas explorarem essa tecnologia em diversas áreas. Saúde, educação, engenharia, decoração, arquitetura… essas são só algumas das áreas que já estão usando a impressão 3D como uma ferramenta poderosa!


A impressora 3D está se tornando cada vez mais popular e aumentando sua aplicação. São inúmeras as possibilidade de criação em uma impressora. Ela pode fabricar desde objetos mais complexos até os mais simples, de maneira eficiente e mais barata. Então, fizemos uma lista com 10 possibilidades com impressão 3D. Confira agora mesmo!

10 possibilidades com impressão 3D!

1. Fones de ouvido

O fone de ouvido é um dos objetos possíveis de se fazer em uma impressora 3D. A empresa Normal criou fones que são modelados e impressos de acordo com o formato da entrada do canal auditivo de cada usuário. Dessa forma, elimina-se o problema comum dos fones convencionais que é a dificuldade de encaixe no ouvido.

O usuário manda fotos das orelhas para a empresa através de um aplicativo, podendo ainda escolher a cor e o comprimento dos cabos. Outra empresa que está trabalhando com o mesmo seguimento é a OwnPhones. A ideia ainda está no site de financiamento coletivo do Kickstarter que já se diferencia por criar fones wireless e ter mais opções de customização.

2. Comida

Além de objetos, as impressoras 3D possibilitam fabricar comida de vários tipos. Os alunos do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), desenvolveram uma máquina que cria sorvete, em menos de 15 minutos.

Já a Dovetailed desenvolveu uma impressora que transforma essências orgânicas em alimentos, utilizando a técnica de gastronomia molecular. A máquina não consegue reproduzir, por exemplo, uma maçã em sua forma e consistência, ela cria pequenas pérolas gelatinosas com sabor da fruta.

3. Veículos

veículos

Não são apenas objetos pequenos que as impressoras conseguem produzir. Pois já foram impressos uma bicicleta e até mesmo um carro. A Airbike foi construída através de várias camadas de pó de nylon que reproduz o design da bicicleta.

A empresa Local Motors desenvolveu o Strati, o primeiro carro a ser produzido por impressora 3D. O projeto foi construído ao vivo, na frente dos visitantes, em um evento realizado em Chicago.

4. Casas

A tecnologia de impressão 3D não para de surpreender. Impressoras foram capazes de imprimir um castelo. O projeto foi criado com as dimensões de uma casa para crianças e fabricado na impressora RepRap. O modelo serviu como teste para uma ideia mais ambiciosa: levantar uma casa de dois andares feita com impressão 3D.

Outra proposta semelhante foi o da WASP, que utilizou a impressora para imprimir casas usando lama. A ideia é promover um recurso prático e acessível para que habitações sejam construídas de maneira ágil, rápida e barata.

casas

5. Roupas e acessórios

roupas e acessórios

O mundo da moda agora pode se beneficiar das impressões tridimensionais, já que a tecnologia está produzindo roupas e acessórios. É o caso da designer israelense Danit Peleg, que fez o primeiro desfile com roupas inteiramente produzidas por impressoras 3D.

A NIKE, durante a copa do mundo de 2014, também entrou na onda da impressão 3d. Fabricou um modelo de bolsa de viagem exclusivo para jogadores de futebol.

6. Instrumentos musicais

Outro segmento invadido pela impressão tridimensional foi o mundo da música. Uma banda formada por alunos da universidade de Lund, na Suécia, utiliza instrumentos totalmente produzido em impressora 3D. O concerto foi realizado com membros da Academia de Música da Universidade de Malmo, com os instrumentos impressos.

A empresa brasileira Robtec, que foi adquirida pela americana 3D Systems, também idealizou o projeto de uma guitarra. Para fazer o projeto foi usada uma máquina SLS, que cria um material flexível e resistente o suficiente para ser moldado e então receber os acessórios metálicos da guitarra.

7. Ferramentas

As ferramentas também são possibilidades com impressão 3D. Um exemplo é a Mcor IRIS, capaz de criar vários objetos a partir de cola e papel. O processo de fabricação é bem simples: através  de uma impressora comum são impressas as camadas da peça. As folhas de papel são colocadas dendro da Mcor IRIS, que corta as folhas de acordo com o projeto.

Outros tipos de ferramentas que podem ser criadas são as de peça de aço. No entanto, se nos outros exemplos foi destacado o custo baixo, neste caso é o inverso. A produção deste tipo de material ainda tem custo elevado.

8. Tatuagem

tatuagem

As impressoras 3D, além de produzir objetos, são capazes de exercer a função de alguns profissionais. É o caso da Tatoué, que foi criada com a união de uma Makerbot 3D com agulha de tatuagem. A máquina é capaz de tatuar a pele no ritmo de 150 perfurações por segundo.

Os estudantes de design Pierre Emm, Piotr Widelka e Johan da Silveira ainda estão trabalhando em questões como pressão da pele, velocidade de impressão, escaneamento do braço e reconhecimento de profundidade.

9. Avanços na medicina

Avanços na medicina

Uma das utilidades mais significativas de uma impressora 3D, se não a melhor delas, é poder ajudar na medicina. Isso porque a tecnologia é capaz de criar inúmeros objetos que ajudam em tratamentos e procedimentos.

Podem ser impressas próteses de um braço — 114 vezes mais barata que as convencionais — até um exoesqueleto, que foi capaz de ajudar uma mulher paralisada a andar.

Cientistas ainda conseguiram criar uma prótese de vértebra e uma cartilagem a partir de impressora 3D.

10. Impressora 3D

Depois de carro, comida, castelo e próteses, o que mais uma impressora 3D pode imprimir? Uma impressora 3D! Já existem modelos capazes de criar réplicas de si mesmos. No Brasil, um grupo de desenvolvedores está projetando uma impressora com quase 100% das peças impressas. Ela foi apresentada na Campus Party de 2012.

Além disso, existe também a FABtotum, uma impressora 3D com vários recursos: sua cabeça de impressão pode ser removida e instalado ferramentas de corte com precisão. Assim muitas de suas peças podem ser feitas de sua própria impressão, com exceção de seus componentes eletrônicos.

Portanto, como vimos em nosso artigo, são muitas as possibilidades com impressão 3D, em diferentes áreas. A impressora consegue produzir de casas a alimentos, de ferramentas a equipamentos médicos. Mostramos que esta é uma tecnologia capaz de revolucionar diversos segmentos. A pergunta que fica é: o que virá a seguir?

Então, gostou do nosso artigo? Compartilhe em suas redes sociais e peça seus amigos para comentar quais mais possibilidades com impressão 3D eles conhecem!

Como escolher uma impressora 3D? Confira 4 dicas importantes

Como escolher uma impressora 3D? Confira 4 dicas importantes

Você sabe como escolher uma impressora 3D e o que levar em conta nessa hora? De fato, muitos compradores sentem-se perdidos quando decidem investir nesse tipo de tecnologia.


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

A impressão 3D representa um avanço tecnológico e vem mudando o mercado global. Diferentes áreas de conhecimento e aplicação já utilizam a tecnologia e apresentam ganhos enormes, em custo, disponibilidade e adaptabilidade. No entanto, como escolher uma impressora 3D ainda é um desafio tanto para uso empresarial quanto para uso doméstico.

Embora essa tecnologia seja usada por grandes empresas e organizações, como NASA, Fiat e Embraer, uma impressora 3D pode muito bem resolver problemas domésticos ou de pequenos negócios. Assim, muitos empreendedores estão buscando a melhor opção de impressora no mercado para o seu caso específico.

Neste post, você encontrará dicas essenciais de como escolher uma impressora 3D para a sua necessidade.

 

Há diferença entre as impressoras?

Com certeza. A primeira coisa que você precisa saber é que, no mercado, existem impressoras para todas as aplicações. Desde equipamentos para impressão de peças decorativas até impressões de peças técnicas e complexas.

Quando se fala de impressão 3D, existem 4 principais tipos de impressão 3D. São elas:

  • FDM – Fusão e deposição de material
  • SLS – Sinterização seletiva a laser
  • SLA – Estereolitografia
  • DLP – Processamento por luz direta

 

 

Cada técnica tem mecanismos diferentes e apresentam resultados distintos. Para deixar nosso post mais didático e leve, vamos concentrar na tecnologia de fusão e deposição de material, a FDM, que é a mais utilizada atualmente.

Como escolher uma impressora 3D?

Agora, vamos mostrar 4 dicas para que você consiga comprar a melhor impressora 3D para o seu negócio e não perca dinheiro ou tempo na sua escolha.

1 – Calcule o seu investimento disponível

Antes de começar a pesquisar as impressoras disponíveis no mercado, calcule qual o investimento que você tem para aplicar. No Brasil, existem opções de R$2.000,00 até modelos de R$25.000,00.

Se você quer comprar uma impressora para hobby, por exemplo, escolha modelos de entrada, mais baratos. As impressoras com mais tecnologia agregada têm mais a oferecer, mas para sua aplicação, é um investimento que não fará muito sentido.

No entanto, se você deseja adquirir uma impressora para produzir peças de alta qualidade, com controle dimensional e qualidade impecáveis, você precisa verificar as limitações de uma impressora de entrada.

2 – Defina o seu objetivo com a impressora 3D

Esse ponto é fundamental. Algumas impressoras têm limitações de uso, seja pelo tamanho, velocidade de impressão, qualidade da peça impressa ou pelos materiais aceitos. Hoje, o PLA é um dos materiais mais utilizados no mundo para impressão. É biodegradável, fácil de imprimir, com boa qualidade para a peça. Pode ser utilizado em qualquer impressora, aberta ou fechada, com mesa aquecida ou não.

O ABS já possui algumas características diferentes. Derivado do petróleo, esse material tem ótima resistência mecânica e pode ser usado em exposição a temperaturas maiores do que o PLA. No entanto, sua utilização é mais indicada em impressoras fechadas e, necessariamente, com mesa aquecida. Se você deseja utilizar esse material, deve procurar por impressoras que tenham essas características.

Outros filamentos, como o flexível, também têm alguns pré-requisitos. Para usar o flex, o sistema de tração do filamento na impressora não deve ter folga excessiva. É importante definir o tipo de peça que deseja imprimir e quais os materiais que serão usados, para verificar quais modelos aceitam esse material.

Se você deseja imprimir uma grande quantidade de peças de uma só vez, o tamanho da mesa será importante, assim como as dimensões de uma peça única. Se for um objeto grande, ele pode não caber em uma mesa de 20x20x20 centímetros. Se deseja imprimir objetos pequenos, uma mesa de 40x40x40 centímetros pode ser exagerada. Tudo isso influenciará no preço da impressora.

  • Trabalhar com PLA – Aceito em qualquer impressora do mercado;
  • Trabalhar com ABS – Preferencialmente em impressoras fechadas, necessariamente com mesa aquecida;
  • Outros filamentos – Ver cada limitação da impressora de acordo com o material.

3 – Avalie o seu conhecimento em eletrônica

Pensando no primeiro item, você pode encontrar os kits de montagem de impressora. É mais barato e bem legal você montar seu próprio equipamento. Além de ser customizável, você aprenderá bastante sobre o funcionamento e importância de cada peça, ajudando em resoluções de problemas futuros.

No entanto, para montar um kit são necessários alguns conhecimentos prévios, principalmente em eletrônica. Se você não tem muita prática nisso, considere comprar uma impressora já montada. Isso pode reduzir muito o tempo para ter sua impressora funcionando e causar menos dor de cabeça, pois calibrar a impressora para produzir peças com qualidade não é tão simples.

  • Bom conhecimento de eletrônica – Kit de montagem é boa opção;
  • Sem conhecimento – Adquira impressora já montada.

4 – Determine o seu tempo disponível para trabalhar com a impressora

Esse último ponto trata da sua disponibilidade. As impressoras 3D ainda não são “plug and play”, ou seja, elas ainda não funcionam como um eletrodoméstico, que você liga na tomada e ele já está funcionando. Por mais que as mais modernas estejam caminhando para isso, as impressoras necessitam de alguns ajustes.

Muitos fatores irão interferir em uma impressão, como, por exemplo, a temperatura ambiente. Os filamentos também vão mudar os parâmetros da máquina. Cada fornecedor trabalha com faixas de temperaturas. É interessante encontrar um bom fornecedor de filamentos e trabalhar sempre com ele.

Diante de tudo que colocamos, encontrar a melhor opção de impressora 3D é uma etapa importante do seu empreendimento ou uso pessoal. Uma compra mal feita pode fazer com que você desista dessa tecnologia e que não colha os frutos de um equipamento com grandes possibilidades. Procure avaliar cada ponto aqui colocado.

O que achou do nosso artigo? Se ainda tem dúvidas de como escolher uma impressora 3D, entre em contato conosco que teremos o prazer em lhe ajudar.

Filamento solúvel HIPS: veja como imprimir com esse material

Filamento solúvel, ou HIPS, é uma mistura de material de poliestireno e borracha. Como ele se dissolve na solução de d’limoneno, é frequentemente usado para material de suporte, eliminando a necessidade de remoção por meio de abrasivos, ferramentas de corte ou quaisquer outras coisas que deixem sua impressão com acabamento superficial inferior.


Muitas vezes nos deparamos com impressões muito complexas, que necessitam de muito suporte e bom acabamento e já imaginamos o trabalho que será retirar todo o suporte e a qualidade ruim que ficará na superfície em questão. O avanço das impressoras 3D ajudou muito nesse desenvolvimento. Hoje, com as impressoras de duplo extrusor (2 bicos), podemos utilizar desse recurso de filamento solúvel nos suportes das impressões.

No bico principal você utilizará o filamento para impressora 3D da sua escolha, seja PLA, ABS ou outros. No bico auxiliar, ou segundo bico, vamos colocar o filamento solúvel. Cada impressora terá sua maneira de configurar para fazer a impressão com dois materiais diferentes.

Então, para que você consiga utilizar bem o filamento solúvel, criamos este guia com as principais dicas. Confira!

O que é filamento solúvel (HIPS)?

Filamento solúvel, ou HIPS, significa Poliestireno de Alto Impacto. É um copolímero de enxerto que combina poliestireno e polibutadieno. O resultado é um plástico barato que combina o melhor dos dois mundos: a rigidez e a tenacidade do poliestireno e a flexibilidade e absorção de impacto do polibutadieno.

O HIPS é muito semelhante ao ABS, na verdade é mais forte. Como tal, além de ser usado como material de suporte, também é muito capaz e útil como seu próprio material. O HIPS é facilmente pintado, usinável e funciona com um grande número de adesivos. É totalmente reciclável e não-hidroscópico, o que significa que não se degradará em ambientes úmidos.

Como imprimir com filamento solúvel?

Como imprimir com filamento solúvel?

Conforme a tabela acima, as temperaturas necessárias se assemelham bastante ao ABS no segundo extrusor.

Para uma melhor aderência na mesa do filamento solúvel é aconselhável a temperatura superior a 70°C e utilização de produto aderente na mesa (Cola ou Spray).

O filamento solúvel HIPS tem como seu principal solvente o d-limoneno. Esse produto é extraído da casca da laranja, encontrado na loja da 3D LAB ou em lojas especializadas como laboratório de materiais químicos. Então, após a impressão, mergulhar a peça no solvente, e esperar agir.

Como utilizar o solvente para o filamento solúvel?

 

Para essas peças utilizamos o suporte com densidade 100% e sem espaços entre a peça e o suporte. Assim garantimos o melhor acabamento na interface dos materiais.

Como o suporte era extremamente denso, deixamos submerso 24 horas para dissolver todo o suporte, dependendo de cada peça esse tempo pode variar. Para peças menores e com suportes espaçados podem dissolver em aproximadamente 30 minutos.

 

O filamento HIPS é um material muito bom de imprimir, podendo também ser utilizado como material principal. Suas características são próximas as do ABS.

O suporte solúvel é indicado para peças complexas que não possuem acesso para remoção do suporte facilmente. Além disso, peças que necessitam qualidade superficial na interface do suporte.

Conseguimos reaproveitar o D-Limoneno?

Após o uso do D-Limoneno, pode-se utilizar filtros de papel ou pano para reaproveitamento do material. O HIPS ficará dissolvido no composto. Como é um material mais denso, ficará depositado no filtro, enquanto o D-Limoneno passará  através dos poros.

 
 

Quais são os desafios de trabalhar com o HIPS?

Como material de filamento para a impressão, o uso do HIPS apresentará alguns desafios. O HIPS funcionará melhor com uma mesa de impressão aquecida para evitar warp. Também é sugerido usar impressoras fechadas, para se trabalhar com uma câmara aquecida. O HIPS também emite um leve odor devido à liberação de estireno, por isso recomendamos imprimir em um ambiente arejado.

Apesar dos desafios mencionados o HIPS já ganhou popularidade como um excelente material de suporte para impressões que usam ABS. No entanto, sua popularidade como material de filamento autônomo também começou a ganhar força.

Impressões feitas de HIPS são fortes e flexíveis, duráveis ​​sem serem frágeis e têm excelente resistência ao impacto. Se você quer sair da mesmice testando novos filamentos, sugerimos que você adquira o HIPS. Pois você pode ser agradavelmente surpreendido.

Portanto, como vimos em nosso artigo, o filamento solúvel HIPS é uma grande solução para peças que precisam ter uma alta qualidade em regiões de suporte. Esse material é solúvel em D-Limoneno, também oferecido pela nossa empresa.

Se você também deseja conhecer o filamento solúvel HIPS, confira agora as nossas promoções na Loja Virtual.

Diferenças entre ABS e ABS Premium da 3D Lab!

Você sabe quais são as diferenças entre ABS e ABS Premium? Esses filamentos são bem diferentes. Na verdade, a versão Premium é um desenvolvimento a partir da versão comum, corrigindo problemas graves para a impressão 3D. Neste conteúdo vamos mostrar quais são essas diferenças para você conhecer melhor o filamento que utiliza na sua impressora 3D.


PLA e ABS são os materiais mais comuns entre os utilizados para impressão 3D, principalmente no Brasil. Agora, vemos o surgimento do ABS Premium. Mas você sabe realmente quais são as reais diferenças entre ABS e ABS Premium? Algumas pessoas acham que esses filamentos para impressora 3D são bem semelhantes, mas não pense assim.

Na 3D Lab nós desenvolvemos o Premium justamente para acertar alguns pontos que o ABS comum era falho. Acompanhe o post e conheça as diferenças!

As características do ABS

O ABS tem vantagens e desvantagens se comparado ao filamento PLA. Entre algumas características, podemos citar a maior resistência mecânica e térmica e maior facilidade de pós processamento. Porém, o ABS tem algumas limitações importantes. Ele tem maior força de contração quando perde calor, aumentando a possibilidade de descolamento da mesa nas superfícies mais externas (warping) e empenando a peça.

Há também o risco de descolamento entre camadas, principalmente em peças grandes ou com “quinas vivas”.

 

O filamento ABS é bastante utilizado no Brasil, seja pelo preço mais baixo do que o PLA e também pelas impressoras nacionais já estarem bem adaptadas ao material. Devemos lembrar que para utilizar, a máquina obrigatoriamente deve possuir mesa aquecida, chegando até uma temperatura de 110°C, no mínimo.

Fora do Brasil esse filamento não é tão utilizado. Essa diferença pode ser explicada pela preocupação ambiental, já que o ABS é derivado do petróleo e, portanto, poluente. Já o PLA é considerado biodegradável. Além disso, em regiões mais frias se torna mais complicado a utilização pela questão da contração.

As diferenças entre ABS e ABS Premium

Nosso ABS Premium é um grade especial, desenvolvido pela 3D LAB para minimizar essas desvantagens do ABS normal.

Maior fluidez e adesão entre camadas

Ele apresenta maior fluidez, o que possibilita a impressão em maiores velocidades (podendo chegar até 150mm/s dependendo da máquina). Apresenta maior adesão entre camadas, possibilitando impressões maiores diminuindo os problemas de rachaduras na peça, conforme comparativo a seguir:

 

Possibilidade de maiores ângulos nas peças (overhang)

Outra vantagem é quanto ao overhang. Essa característica é quando vamos imprimir uma peça com uma inclinação em relação ao plano, sem a presença de suporte. Dependendo dessa inclinação, é preciso adicionar um suporte para que o material tenha consistência e se estabilizar. Enquanto o ABS normal consegue fazer impressões sem suportes com inclinações de até 50°, o ABS Premium apresenta essa possibilidade com ângulos de até 70° destacado na figura abaixo:

 
 

Portanto, como vimos em nosso artigo, após todos os testes, concluímos que o ABS Premium vem para substituir o ABS comum. Mantém todas as boas propriedades do ABS, melhorando os pontos de limitação.

Deixamos claro que cada fabricante de filamentos trabalha com grades específicos dos materiais. Todos os testes e resultados que apresentamos se tratam do ABS Premium da 3D Lab. Nós analisamos um número muito grande de grades e optamos pelo atual por acreditarmos ser o melhor para a impressão 3D.

Então, agora que já sabe quais são as diferenças entre ABS e ABS Premium, conheça um processo simples e barato para dar acabamento em suas peças!

Empresa referência em impressão 3D. Impressoras, filamentos e resina para impressão 3D, cursos, manutenção e prototipagem.

Endereço

Rua Toyota, n°490, Jardim Piemont - Betim - MG 
A 20 min do centro de Belo Horizonte.

Horário de funcionamento

08:00 às 17:00 | Segunda à sexta-feira

Dúvidas gerais | Suporte | Vendas

Nossas redes

Este site é protegido pelo reCAPTCHA, a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.
3D Lab Industria Ltda.
CNPJ 20.212.019-0001/09
0