Em compras acima de R$400,00 o frete é grátis! *Promoção valida para os estados do Sul e Sudeste, Exceto para impressoras 3D

Tag: filamento

O que é segurança de alimentos na impressão 3D?

Por estar se tornando cada vez mais acessível, a impressão 3D vem conquistando o seu espaço nos mais diversos segmentos. Um em especial é o setor alimentício, no qual utilizamos a tecnologia na fabricação de artigos de cozinha e objetos que terão contato direto com alimentos. Porém, como fica a segurança de alimentos na impressão 3D?


Mais do que imprimir utensílios para cozinha como suportes de diferentes finalidades, escorredores de louça e pregadores para pacotes de comidas, a manufatura aditiva já chegou na culinária, gastronomia e confeitaria.

Um suporte para cápsulas de café, por exemplo, possui contato mínimo com o produto — se restringindo à embalagem original do mesmo. Sobretudo agora os objetos estão gradativamente sendo usados de forma mais direta em alimentos e bebidas, como é o caso de:

  • espremedores de laranjas;
  • máquinas para modelagem de massas;
  • cortadores de biscoito e pasta americana;
  • recipientes e embalagens para armazenagem de bolos e doces.

Paralelo a isso, esse tipo de aplicação tem aumentado a preocupação no que se refere a segurança de alimentos na impressão 3D, pois há outros fatores importantes a serem levados em consideração além dos materiais seguros para esse fim.

Para entender melhor do que estamos falando, continue a leitura e saiba o que é e como manter a segurança de alimentos na utilização de impressões 3D!

Diferença entre segurança alimentar e segurança de alimentos

Segurança de Alimentos x Segurança Alimentar

Antes de tudo é importante explicar o que é segurança alimentar e o que é segurança de alimentos, pois apesar de parecer se tratarem de uma mesma coisa e estarem interligados, os termos possuem características distintas que os diferem entre si.

A segurança alimentar deriva de “Food Security”. Refere-se ao direito e garantia de acesso ao alimento saudável, nutritivo e adequado para o consumo a toda e qualquer pessoa do mundo. Isso envolve uma série de condutas de manipulação que visam garantir a integridade do alimento desde a produção até o consumo.

Já a segurança de alimentos aborda a garantia da qualidade do alimento, gerando maior segurança ao consumidor. O termo vem de “Food Safety” e objetiva controlar a entrada de qualquer agente contaminante que ofereça riscos para a saúde do consumidor e para a integridade do produto. Sendo realizado durante todo o processo de fabricação e distribuição do alimento.

O conceito de qualidade aqui implica que o alimento não seja contaminado por impurezas como:

  • componentes físicos (ex.: insetos e pedras);
  • componentes químicos (ex.: resíduos de agrotóxicos e metais pesados);
  • contaminantes biológicos (ex.: bactérias e vírus).

Nesse aspecto, a segurança de alimentos se dá por meio da implantação de práticas que objetivam assegurar que alimentos não gerem riscos à saúde. É justamente na segurança de alimentos que focaremos neste conteúdo, já que a impressão 3D pode oferecer riscos de contaminação nas peças impressas.

Os tipos de filamentos seguros para alimentos

Segurança de Alimentos na Impressão 3D

Muitas pessoas acreditam que o filamento PLA é o único material “seguro” para ser usado em alimentos, pois sua origem é de recursos naturais. Porém, existe um filamento correto para essa aplicação e não é o PLA: estamos falando do PETG!

Na verdade, o material PETG é o único que possui selo Food Safe. Ele é derivado do PET – o plástico usado na fabricação das garrafas PET – e contém glicol na sua composição, por isso o “G” no nome. Portanto, se tratando de certificação de segurança de alimentos na impressão 3D, esse é o filamento que você deve utilizar principalmente nas peças que possuem contato direto com comidas e bebidas.

Outro detalhe importante que faz do uso desse tipo de filamento preferível ao PLA, é a sua boa resistência térmica (o que não encontramos no filamento PLA).

Entretanto, é importante destacar que o próprio processo de impressão pode ocasionar resíduos e sujeiras no objeto 3D. Essas impurezas ocorrem, principalmente, durante o percurso do filamento no conjunto de extrusão.

Os cuidados necessários ao utilizar impressão 3D em alimentos

Para uma exposição segura de alimentos com objetos 3D é necessário levar vários fatores em consideração. Confira agora as principais preocupações que você deve ter para garantir a segurança e integridade tanto dos alimentos, quanto de quem vai ingeri-los:

Os riscos de contaminação do alimento na impressão 3D

Segurança de Alimentos na Impressão 3D

O acúmulo de micro-organismos é um dos principais riscos ao utilizar a impressão 3D em contato direto com alimentos. Mesmo a peça com a superfície mais lisinha pode conter pequenas cavidades propícias para o surgimento de germes e bactérias.

Para minimizar o problema, é necessário identificar qual será a verdadeira finalidade da peça e visualizar de que maneira aquele objeto pode virar um depósito de bactérias.

Em todo caso, o ideal é que você imprima a peça que terá contato direto com o alimento em camada 0,3. Já que, por se tratar de uma camada alta, a quantidade de fendas presentes entre as camadas da impressão será menor. O que por sua vez, oferece menos espaços para o acúmulo destes micro-organismos.

Quais materiais usar no acabamento da peça impressa

Segurança de Alimentos na Impressão 3D

Nunca lixe uma impressão 3D que será destinada ao contato direto com alimentos! Isso deixa resíduos na peça, que podem ser ingeridos junto com o alimento. O mesmo vale para acabamentos em pintura, a não ser que a tinta também tenha selo Food Safe.

Algo válido de se investir é na resina epóxi como selante para cobrir as fendas na superfície da peça. A vantagem de utilizar esta técnica é que reduz ainda mais o risco de acumular bactérias na superfície da impressão e o melhor: possui certificação de segurança alimentar!

Como higienizar este objeto

Álcool 70% na Impressão 3D

Embora o PLA seja indicado para peças que não tenham contato direto com alimentos, tanto ele quanto o PETG, precisam passar por higienização.

Como dissemos anteriormente, o PLA não possui boa resistência térmica. O PETG, apesar de ser superior nesse quesito, não suporta temperaturas acima 85C°. Então se você pensou em passar água quente em um objeto impresso, você deformará a impressão.

Uma forma efetiva seria, além de lavar normalmente, passar álcool 70%.

Período de exposição de alimentos na impressão 3D

Algo que você precisa dar certa atenção para proporcionar maior segurança dos alimentos na impressão 3D é o tempo de exposição do mesmo no objeto 3D. Um cortador de biscoito por exemplo, não necessita de um contato prolongado com a massa. O que consequentemente reduz o risco de contaminação.

Em vista disso, o ideal para garantir a integridade do alimento é focar na produção de peças de apoio. Isto é, artigos que apenas auxiliam na produção de comidas, doces e salgados.

O que é exatamente um dos benefícios de se ter uma impressora 3D em casa! Às vezes não enxergamos algumas das possibilidades que a tecnologia nos oferece, mas como você pode ver neste artigo, é mais que possível imprimir objetos realmente úteis para facilitar o dia a dia na cozinha.

Contando que você se atente à segurança de alimentos da impressão 3D, basta ser criativo e colocar literalmente a mão na massa!

Então se você já faz impressões com esse objetivo, ou pretende começar a se aventurar por este caminho, vá até a nossa loja para adquirir o filamento PETG! Basta acessar aqui.

Aumente o valor da sua impressão 3D com essas técnicas!

É fato que a qualidade afeta diretamente no valor da sua impressão 3D. Porém, não basta entregar somente peças com impressões perfeitas. A solução para esse dilema? Contaremos neste conteúdo!


Com o constante avanço da impressão 3D, os mais variados perfis de usuários estão se beneficiando da fabricação de peças seja para uso pessoal, seja para finalidade profissional. Isso porque são inúmeras as aplicações, que vão de hobbistas ao setor industrial. Joalheiros, designers, médicos, dentistas e engenheiros por exemplo, já identificaram o potencial e o valor da impressão 3D no seu cotidiano.

Se tratando de uma tecnologia com crescimento exponencial, as demandas relacionadas à interação dos usuários com a máquina e seu resultado final tem intensificado cada vez mais. Em resumo, quem está inserido no universo 3D espera:

  • qualidade cada vez melhor das peças fabricadas;
  • maior facilidade no manuseio da impressora 3D e seus componentes;
  • menor complexidade dos softwares utilizados para a impressão de um modo geral;

Estas necessidades estão sendo gradativamente superadas por empresas, universidades, governos e, principalmente, por uma grande comunidade de entusiastas. As várias frentes compartilham possibilidades de melhorias em softwares, hardwares, técnicas de modelagem e fatiamento de peças 3D, além de insumos como filamentos e resinas.

Se tratando de melhoria da qualidade de impressão, os processos que englobam o tratamento e acabamento das peças, assim como o nível de complexidade da técnica utilizada, nos levam a um quarto fator importante para o usuário: o valor da sua impressão 3D.

Atualmente é possível encontrar na internet algumas técnicas manuais de pós processamento que demandam baixo custo, como lixamento e pintura. Em contrapartida, para os mais aficionados pela tecnologia, existem possibilidades de sofisticação que levam a tradicional impressão 3D a um novo patamar.

É sobre estas alternativas de pós processamento que falaremos no conteúdo de hoje. Então pega a pipoca e curta a leitura!

Moldes de silicone a partir da impressão 3D

Molde de silicone para aumentar o valor da sua impressão 3D

A impressão 3D FDM (Fused Deposition Modeling, ou Modelagem por Fusão e Deposição) exige um tempo considerável para ser concluída. Algumas peças podem levar mais de 2 dias para serem impressas!

Mas calma, existe um método que entrega a mesma (ou até melhor) qualidade em bem menos tempo, com considerável redução no desperdício de material. Estamos falando sobre moldes de silicone a partir da impressão 3D! A técnica para gerar maior valor à sua impressão 3D consiste em imprimir um modelo perfeito na impressora 3D FDM e fazer o molde de silicone bipartido.

A partir daí, você consegue produzir várias réplicas do modelo utilizando resina – adquirindo a peça pronta em apenas trinta minutos! Como dito anteriormente, além da economia de tempo gasto, há também a de material, pois você não correrá o risco de perder sua impressão por alguma queda de energia por exemplo, depois de quase 40 horas de impressão.

Quer entender melhor como funciona essa técnica para otimizar o seu ganho com a impressão 3D? O Murilo da 3D Geek Show ensina o passo a passo! Confira:

 

Adicionar eletrônica para aumentar o valor da impressão 3D

Lithophane impressão 3D

Outra maneira de agregar valor à sua peça é deixar a criatividade rolar solta e investir em eletrônica! Um exemplo simples são as luminárias, itens de decoração relativamente simples, mas que possuem espaço garantido na casa de muita gente. Uma outra forma de impressão 3D com eletrônica que podemos citar é o lithophane.

Se trata de uma técnica que vem se popularizando bastante ultimamente, no qual acontece a projeção de uma foto 3D a partir da combinação da impressão com luz. Legal, né?! No vídeo disponibilizado abaixo, o canal Manual do Mundo explica como imprimir fotos 3D. Veja só:

Imprimir brinquedos articulados

Até os adultos não resistem a certos brinquedos, principalmente os que se mexem!

No Thingiverse mesmo você encontra vários modelos articuláveis para imprimir e se divertir. Melhor que isso é aumentar o seu ganho vendendo algumas destas peças! Porém, é válido dizer que em certos casos é interessante você ter um conhecimento avançado do software de fatiamento da peça, assim como o filamento a ser utilizado para a impressão.

Aqui no Showroom da 3D Lab temos alguns modelos de impressão 3D articuláveis. Um deles é o Pangolin, um mamífero de zona tropical encontrado na África e na Ásia, e que ganhou certo destaque na pandemia do novo coronavírus.

Você encontra o arquivo do Pangolim para imprimir aqui.

Peça maciça x peça oca

Um detalhe interessante, é que tendemos a acreditar que objetos mais pesados são melhores e mais resistentes que os objetos mais leves, mesmo se tratando de uma mesma peça. Portanto, investir em peças maciças provavelmente lhe trará um retorno melhor.

Neste ponto você deve estar se perguntando: mas então como vou ter maior retorno se precisarei gastar mais com filamento ou resina?

Existe solução! Basta você imprimir uma peça oca com uma parede bem reforçada, e preenchê-la com gesso! Assim, a peça fica mais pesada, trás uma maior sensação de segurança ao comprador e você gastará bem menos se comparado a uma impressão 3D com preenchimento 100%. Aliás, você economiza até tempo, já que o tempo de impressão reduzirá bastante.

Pós-processamento

Valor da impressão 3D

É claro que não poderíamos deixar de falar sobre o pós-processamento da impressão 3D! Para se ter um excelente acabamento, talvez seja necessário uma especialização ou maior experiência do usuário. Em todo caso, algumas das técnicas de pós processamento são:

  • limpeza;
  • pintura;
  • lixamento;
  • tratamento químico;
  • tratamento térmico.

Além disso, existe o processo de cura que deve ser realizado nas impressões de resina, que envolve a limpeza com álcool isopropílico (para a maior gama de resinas) e exposição da peça à luz UV para finalizar a solidificação.

Outro ponto é realizar, quando necessário, o acabamento superficial utilizando massa para pequenos reparos nas impressões que precisaram de suporte e ficaram com marcas depois da remoção do mesmo. Dessa forma, você dá um melhor tratamento à peça e consequentemente, entrega uma melhor qualidade do seu produto.

Agora é contigo: você já executa alguma dessas técnicas para aumentar o valor da sua impressão 3D? Deu resultado? Viu algo de diferente que pode colocar em prática? Conta pra gente nos comentários o que está dando certo para você e, se tiver alguma sugestão ou dica, compartilhe conosco!

Filamento PETG e a impressão de máscaras para combater o corona vírus

O filamento PETG é o mais adequado para impressão de máscaras que auxiliam na luta contra o novo corona vírus. Descubra quais as propriedades que fazem o uso do PETG ser mais adequado diante esse cenário. 


O filamento PETG é um dos principais tipos de filamentos utilizados na impressão 3D. Devido a pandemia do novo COVID-19, o PETG ganhou ainda mais notoriedade. Isso porque estão sendo impressas máscaras, utilizando esse filamento, que ajudam na proteção de profissionais de saúde no combate ao vírus.

A impressão das máscaras mobilizou o mundo todo e, em especial, a comunidade 3D, e é ai que entra o filamento PETG!

Considerando o grande aumento em sua procura, preparamos um conteúdo para você entender porque o PETG é o filamento mais adequado para impressão das máscaras (modelos conhecidos como face shields) e quais suas principais características.

Quais são as principais características do PETG?

Uma das principais características do PETG é sua resistência. Por isso, ele é bastante utilizado na impressão de peças que precisam absorver impactos.

Entre suas vantagens estão a não emissão de gases tóxicos, possibilidade de uso de impressoras abertas, além de não delaminar ou rachar (warp).

Além disso, a  matéria prima do filamento PETG é considerada FoodSafe, ou seja, pode entrar em contato com alimentos. Porém, como os filamento coloridos carregam pigmentos, indicamos apenas o PETG natural para esse fim. Vale lembrar que no próprio processo de impressão pode-se perder essa propriedade, pois as impressoras não são esterilizadas.

Se você quer saber mais sobre as características de impressão do PETG e como configurar sua impressora para usar esse filamento, temos um conteúdo bastante completo sobre isso!

Por que o  filamento PETG é utilizado na impressão de máscaras?

O PETG é o mais indicado para a impressão das máscaras que estão ajudando no combate ao corona vírus. No site da PRUSA, empresa que liberou os arquivos para impressão das peças, recomenda-se a utilização do PETG.

Mas afinal, qual a diferença entre o desempenho do PETG e de outros filamentos para essa finalidade?

Resistência mecânica

Resistência mecânica

 

O manuseio frequente das máscaras faz com que a resistência mecânica seja um diferencial necessário na impressão das peças. Ou seja, quanto maior a resistência mecânica, mais difícil  da máscara quebrar e maior seu tempo de vide útil.

Boa adaptação com a pele

Boa adaptação com a pele

 

A matéria prima do filamento PETG é a que possui melhor adaptação com a pele humana. Isso quer dizer que traz menos riscos à saúde de quem está utilizando, sendo menos propensa à alergias e irritações.

Assim, para os profissionais de saúde que a utilizarão por longos períodos, é essencial que a máscara não os machuque ou gere desconforto. Esse diferencial do PETG sem dúvidas é um dos principais motivos pelo qual ele é escolhido para impressão das máscaras.

Não reagente a álcool

Não reagente a álcool

 

Sabemos que a limpeza e esterilização dos materiais é imprescindível para manter a segurança de pacientes e profissionais. O PETG é um filamento que não reage ao álcool, por isso pode ser adequadamente higienizado, quantas vezes for necessário, que não sofrerá nenhum tipo de reação ou degradação.

Agora você já sabe porque o PETG é o filamento mais adequado na impressão de máscaras que ajudam no combate ao corona vírus. E se você também quer ajudar, sabemos que uma das melhores atitudes que pode ter é ficar em casa! Se você está de quarentena, confira nossas dicas sobre o que fazer na quarentena que irão te tirar do tédio!

A distância, porém, juntos: é assim que iremos passar por tudo isso! #3DCOMMUNITY19
Abraços virtuais!

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

Para quem deseja se tornar um especialista em impressão 3D, conhecer os principais termos é fundamental. O glossário de impressão 3D é bastante amplo e dá para criar um dicionário bem completo!


Cada nicho de mercado tem termos e curiosidades bem específicos, e na impressão 3D não é diferente. Hotend, layer e under extrusion são exemplos de termos comumente relacionados no dia a dia de quem trabalha com uma impressora. Por isso, é muito interessante conhecer um glossário de impressão 3D. Muitas palavras em inglês são utilizadas e se você não domina a língua, isso pode se tornar um problema na hora de solucionar os problemas.

Selecionamos tudo que você precisa saber para se tornar um especialista no assunto, seja você um iniciante, intermediário ou usuário avançado. Confira!

Glossário de impressão 3D

1. 3D Printer

3D Printer é a impressora 3D. No mercado existem diferentes marcas e modelos, cada um com suas características e diferenciais. As marcas nacionais são ótimas e apresentam modelos bem interessantes.

2. Fatiador

O fatiador é o programa utilizado para converter o modelo criado em 3D para coordenadas, a máquina entenderá o que deve ser feito através de posicionamento.

3. Extrusor

3. Extrusor

 

 

O extrusor é o principal conjunto de qualquer impressora 3D. Ele é a soma dos componentes que aquecem o filamento e depositam na mesa de impressão. Esse conjunto compreende o tracionador, dissipador de calor, bloco aquecedor e bico de impressão, além do resistor e termistor. Em algumas impressoras, ainda há o tubo de teflon.

4. Trator, ou tracionador

4. Trator, ou tracionador

O trator, ou tracionador, é o elemento responsável por fazer a movimentação do filamento, seja no sentido do extrusor, empurrando o material, ou na retração, puxando-o de volta. Basicamente, existem dois tipos de tratores: direct drive e bowden.

Na imagem acima estão mostrados os dois tipos, com uma variação. A ilustração da esquerda é do direct drive com redução. Do meio também é o direct, mas com o motor tracionando diretamente o filamento. Por último, a ilustração à direita mostra o sistema bowden.

5. Direct drive

Direct drive é o tipo de tracionador que fica posicionado junto ao carro de impressão. É um trator com redução ou que o motor traciona diretamente o filamento. A maior vantagem dessa opção é alcançada na impressão de filamentos flexíveis.

6. Bowden

O Bowden é o outro tipo de tracionador. A diferença é que nesse modelo o motor não fica posicionado no carro de impressão. Alguns fabricantes alegam que isso dá maior velocidade e menor vibração.

7. MK8

O MK8 é uma polia tratora conectada no motor, fazendo o tracionamento direto do filamento até o bloco aquecedor.

8. Hotend

O hotend é o conjunto que compreende os componentes que ficam expostos à temperatura mais elevada no extrusor, ou seja, o dissipador de calor, o bloco aquecedor e o bico de impressão.

9. Dissipador de calor, ou heatsink

O dissipador de calor é uma superfície aletada que fica posicionada entre o tracionador e o bloco aquecedor. A sua função é não deixar que o calor gerado no bloco seja transferido para áreas mais altas, por condução pelo filamento. Se o calor for transferido, o material expande e trava.

10. Bloco aquecedor

O bloco aquecedor é o penúltimo componente que o filamento atravessa até chegar na mesa de impressão. Esse bloco é o responsável por elevar a temperatura e fundir o material. Nele é posicionado e resistor e o termistor.

11. Resistor

O item 9 do nosso glossário de impressão 3D é a resistência que gera o aquecimento do bloco aquecedor. Por isso, ele é um dos componentes mais importantes em todo o conjunto do extrusor.

12. Termistor

O termistor é o componente responsável pela medição da temperatura do conjunto aquecedor. É muito importante que esse componente esteja funcionando corretamente para que a temperatura esteja correta. Caso contrário, a diferença do valor real e valor medido pode levar a falhas na impressão e até riscos na utilização da máquina, como super aquecimento.

13. Bico de impressão, ou nozzle

O bico de impressão é o último componente no caminho do filamento entre o tracionador e a mesa. O bico é como um funil, estreito no fundo. Normalmente, se utiliza bicos com saída de 0,4 a 1,0 milímetro.

14. Tubo de teflon

Basicamente, podemos distinguir as impressoras 3D em dois grupos: com tubo de teflon ou all metal. O tubo de teflon tem a função de conduzir o filamento. Cada fabricante de máquina trabalha com tamanhos diferentes de tubo, mas na maioria dos casos ele parte da entrada do dissipador de calor até o bico de impressão. A vantagem do tubo é uma melhor condução, com menor probabilidade de travamento, principalmente se for utilizado PLA. Porém, o teflon tem temperatura de amolecimento em torno de 250ºC, o que limita o uso de filamentos que precisam de temperaturas superiores a isso.

15. Allmetal

Allmetal representa a garganta  (heatbreak) do hotend  que não tem um tubo de teflon interno. A usinagem interna do canal deve ser bem feita para que o filamento não agarre. Em alguns casos, é interessante lubrificar o filamento com óleo ou azeite. Já a vantagem é a possibilidade de trabalhar com altas temperaturas, acima dos 250ºC limitados pelo teflon.

16. Bed, ou mesa de impressão

Bed é a cama de impressão, ou mesa. Normalmente, a mesa é composta por uma chapa metálica com sistema de aquecimento e um vidro por cima, em que o filamento extrudado é depositado.

17. PLA

O PLA é um dos materiais mais utilizados como insumo para a impressão 3D. A sigla representa o poliácido lático e é derivado de fontes naturais, como o amido de milho. As melhores características do PLA é a alta qualidade superficial, facilidade de impressão, possibilidade de utilizar o material em praticamente qualquer impressora 3D, além de ser um material biodegradável. Portanto, o PLA sempre será uma boa opção na sua impressora.

18. ABS

Provavelmente você nunca ouviu falar em Acrilonitrila Butadieno Estireno, mas ABS sim, certo? Essa é a abreviação desse nome complexo, de origem no petróleo. O ABS, assim como o PLA, também é bastante utilizado como insumo na tecnologia de impressão 3D. Sua alta resistência mecânica e a facilidade de dar acabamento são grandes atrativos para os usuários.

19. PETG

O PETG é um material que vem chamando a atenção de quem é apaixonado por impressão 3D. Na Europa e EUA, inclusive, esse material vem conquistando a preferência dos usuários. Ele mescla algumas vantagens do PLA e ABS, com alta resistência mecânica, possibilidade de ser impresso em qualquer máquina e ainda contar com boa resistência química e térmica.

20. Impressora fechada / aberta

Há várias maneiras de qualificarmos as impressoras 3D em grupos, e uma delas é se ela é aberta ou fechada. A primeira opção é ideal para impressão de PLA ou PETG, além de filamentos especiais com base em PLA. Já as impressoras fechadas são ótimas para o ABS, que possui alta contração e pode empenar se houver um fluxo externo de resfriamento.

Não há uma regra se a impressora aberta ou fechada é melhor ou pior do que a outra, o que deve ser observado é toda a sua estrutura. Impressoras com uma estrutura mais robusta são capazes de trabalhar em velocidades mais altas, mantendo um bom nível de precisão.

21. Stringing

21. Stringing

Stringing são as linhas de impressão que podem formar nas peças. Acontece que, se você tiver duas partes da peça distantes uma da outra, durante a movimentação do bico, o filamento pode “escorrer” um pouco, formando essas linhas.

Apesar de ser um problema, esse efeito pode ser facilmente retirado no acabamento posterior.

22. Overhang

22. Overhang

Overhang é, basicamente, a impressão inclinada, sem um suporte de sustentação. Essa característica está muito relacionada ao filamento e também ao resfriamento da peça. No caso de PLA, trabalhar com um cooler que resfria a peça ajuda bastante a impressora conseguir produzir peças com angulações maiores. No ABS deve-se tomar cuidado com esse cooler. Se ele jogar ar frio, pode empenar a peça, então o ar direcionado tem que ser quente.

23. Bridge

Bridge, em inglês, significa ponte. Em alguns casos, precisamos que a impressão se faça sem o suporte, com uma movimentação horizontal, formando uma verdadeira ponte. Para isso, é preciso contar com um filamento de qualidade, que garanta essa sustentação, além de trabalhar nos parâmetros corretos.

24. Skirt

24. Skirt

Quando você inicia uma impressão, já reparou que a máquina faz uma borda na peça? Já pensou para que serve isso? Esse é o skirt, em inglês, saia. O intuito disso é equalizar o fluxo de filamento, garantindo a deposição correta do material quando o bico começar a fazer a peça.

25. Brim

25. Brim

Em alguns casos, principalmente quando há uma área de suporte fino, o material pode não se sustentar na mesa, mesmo passando o adesivo fixador. Então, para aumentar essa fixação e garantir que a peça não se solte, é interessante habilitar o brim. Em inglês, o termo significa borda. A impressora fará uma espécie de borda ao redor da peça, garantindo a boa adesão na mesa.

26. Volume de impressão

O volume de impressão é a área que a sua impressora tem disponível para imprimir os projetos. Para conhecer esse valor, basta analisar as dimensões dos três eixos, no comprimento, largura e altura. Por exemplo, se a sua impressora tem as dimensões de 200x200x200 milímetros, esse é o seu volume de impressão.

27. Eixos X, Y e Z

A impressão 3D, como o próprio nome já diz, trabalha em três eixos: X, com movimento horizontal, Y, na profundidade e Z, na altura. É interessante conhecer bem sobre cada eixo para entender a movimentação e, caso você precise atuar manualmente na máquina, saber onde mexer.

28. Sílica

Poucas pessoas sabem, de fato, para que serve aquele pacotinho que vai junto ao seu filamento. Também encontrado em outros produtos, como sapatos e bolsas, esse item representa a sílica. O material retira a umidade do produto. Isso é muito importante para o filamento. Se ele pegar umidade, pode perder as suas características de impressão, prejudicando a qualidade das suas peças.

29. Warping

29. Warping

O warping é um defeito bastante conhecido e tem um lugar especial no nosso glossário de impressão 3D. Esse efeito acontece quando a peça começa a resfriar e empena. Como o resfriamento do objeto se faz no sentido das extremidades até o centro, as pontas se descolam e empenam.

Apesar desse problema ser comum no ABS, é possível resolvê-lo. Para isso, se quiser usar esse material, opte por uma impressora fechada ou use um fechamento para a mesma, junto com o adesivo fixador.

30. Duplo extrusor

Uma impressora 3D que consegue utilizar dois filamentos por vez, é chamada de duplo extrusor, ou dual extrusion. É possível mesclar as cores ou utilizar materiais diferentes, um em cada extrusor.

31. Fan / cooler

O fan é um acessório importante para a impressora. Ele tem a função de ventilar, enquanto o cooler resfria. No caso do dissipador de calor, por exemplo, o corpo aletado funciona como o cooler, enquanto o fan direciona a ventilação para a troca de calor.

Outra posição para se colocar o fan é na saída do bico, principalmente para PLA.

32. FFF

FFF é a configuração do fatiador Simplify3D, já mencionado nesse glossário de impressão 3D. Você pode importar o FFF com a configuração já pronta ou ainda colocar os seus parâmetros próprios.

33. STL

O STL é o arquivo dos modelos de impressão 3D. Existem alguns sites que você pode baixar o STL gratuitamente. Em outros, há venda dos modelos.

34. Filamento

O filamento é o insumo da impressão 3D. Existem diversos materiais diferentes, como PLA, ABS Premium, PETG, Flexível, HIPS e Wood. Escolha sempre filamentos de qualidade. Nós, da 3D Lab, prezamos muito em oferecer o melhor material aos nossos clientes para que as expectativas sejam superadas!

35. Infill, ou preenchimento

O preenchimento de uma peça é um dos parâmetros a serem escolhidos e, por isso, entra no nosso glossário de impressão 3D. Você pode variar o preenchimento, entre 0 (modo vase) até 100%, totalmente sólido. Cada projeto tem suas particularidades e a escolhe pelo preenchimento deve ser orientada de acordo com a necessidade.

Além disso, você também pode escolher a forma do preenchimento.

36. GCode

O GCode são as linhas de códigos responsáveis pelas movimentações da impressora. Você pode encontrar esses códigos dentro da configuração do fatiador.

37. Layer

Layer é a camada de impressão. A resolução das peças será medida justamente por ela, pela altura da camada. Quanto maior for, pior será a resolução. As layers habitualmente utilizadas variam entre 0,05 e 0,3 milímetros.

38. First layer

First layer é a primeira camada da impressão. Para que sua peça saia perfeita, é muito importante que a first layer fique bem. Ela será a base de todo o projeto. Se sair errado, o problema será somado com as camadas superiores.

Então, certifique-se que a primeira camada está homogênea, com o bico na distância certa da mesa e a adesão correta.

39. Top layer

Top layer é a camada de fechamento da peça. É muito importante configurar bem essas camadas para evitar que a peça tenha problemas no topo.

40. Adesão entre camadas

Adesão entre camadas é um importante termo do nosso glossário de impressão 3D. Ela pode ser resumida como a força de interação entre uma camada e outra. Se essa característica não estiver adequada, a peça pode se tornar frágil e quebrar com pouco esforço.

A adesão entre camadas também é uma característica do filamento. Por isso, mais uma vez, escolha materiais de alta qualidade!

41. Suporte

41. Suporte

O suporte nas peças permite que o bico deposite material onde não há filamento abaixo. Então, quando for depositar material sem uma camada embaixo, ele já cria um suporte para a sustentação. Esse suporte será facilmente removido após a impressão final.

42. Torre de temperatura

42. Torre de temperatura

A torre de temperatura é um termo bastante conhecido pelos amantes da impressão 3D. Ela representa um teste pré impressão, no sentido de encontrar a melhor temperatura de trabalho para o material. Na internet há vários modelos de torres, com a marcação das temperaturas. Assim, é possível observar o parâmetro mais indicado.

Portanto, vimos no nosso glossário de impressão 3D os principais termos relacionados a essa tecnologia. É muito importante conhecermos esses conceitos para sempre aprendermos mais e melhorarmos nossas impressões. Ficou muito claro que a qualidade das peças está bastante relacionada ao conhecimento da pessoa, ajustando corretamente os parâmetros da impressora, e também à qualidade do filamento. Então, utilize os nossos materiais para ter certeza que seus projetos serão um sucesso!

Se você conhece outro termo importante dessa tecnologia, deixe seu comentário aqui no conteúdo!

Filamento ABS: como imprimir com esse material

Você já teve dificuldades em imprimir com o filamento ABS? Esse material é usado para diferentes aplicações, mas é preciso ter alguns cuidados especiais para não cometer erros. Neste conteúdo nós vamos falar sobre como imprimir com filamento ABS, mostrando as melhores dicas!


O filamento ABS é um material amplamente utilizado na indústria, principalmente automotiva. Partes dos carros, como o painel, absorvem uma grande quantidade desse material. Na impressão 3D, ele também tem suas aplicações. Porém, muitas pessoas não conseguem utilizá-lo e acabam perdendo grandes oportunidades.

Por isso, criamos este artigo para te ajudar. Mostraremos tudo o que você precisa fazer na sua impressora para que consiga produzir peças de qualidade com esse filamento para impressora 3D. Boa leitura!

Por que o filamento ABS é bastante utilizado?

A sigla ABS representa Acrilonitrila Butadieno Estireno. Se trata de um polímero bastante utilizado pelas empresas por conta de suas boas propriedades, como a resistência mecânica. Esse material é obtido a partir do petróleo.

Na impressão 3D o filamento ABS, juntamente com o PLA, é o material mais utilizado. Sua ótima resistência mecânica, resistência térmica e a facilidade de dar acabamento posterior, seja com lixa ou tratamento com acetona, o tornam uma grande opção.

Porém, é intrínseco ao material uma forte contração quando ele é resfriado e isso é visto principalmente em impressoras abertas (warp). Pensando nisso, as principais marcas fabricantes de impressoras estão desenvolvendo as máquinas já com uma estrutura que isola a temperatura ambiente da peça.

Se a sua impressora é aberta e você quer imprimir com o filamento ABS, fechá-la com uma estrutura simples de acrílico já ajuda bastante.

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium?

Além da forte contração, este material apresenta um cheiro forte, característico de sua origem no petróleo. Então, para melhorar o cheiro, a contração e ainda melhorar a fluidez do material e a adesão entre camadas, a 3D Lab desenvolveu o seu ABS Premium. Hoje, esse material é utilizado por diferentes empresas, desde pequenos negócios até multinacionais.

Na foto abaixo percebe-se um outro ganho do Premium sobre o comum, que é a capacidade de impressão em ângulo, sem o uso de suporte. Atualmente a 3D Lab só trabalha com o filamento ABS Premium devido às enormes vantagens. A partir deste ponto do conteúdo, sempre que falarmos em ABS, estamos tratando do Premium 3D Lab.

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium 1

Quais são as vantagens e desvantagens desse material?

O filamento ABS, como já falamos, tem uma forte resistência mecânica, pode ser exposto ao sol sem se deformar e aceite com facilidade alguns processos de acabamento, como lixa e tratamento com acetona. Em desvantagem ao PLA, ele é mais indicado para impressoras fechadas por apresentar uma forte contração quando resfria. Obrigatoriamente é necessária mesa aquecida para se trabalhar com este material, possibilitando a fixação na mesa, aplicando uma cola líquida, fita adesiva ou mesmo o laquê de cabelo, que é bastante utilizado para esse fim.

Portanto, para entender melhor a relação entre os materiais, confira a tabela abaixo:

Qual é a diferença entre o filamento ABS e ABS Premium 2

Como preparar a impressora para o filamento ABS?

Para configurar a sua impressora e deixá-la pronta para imprimir com o nosso filamento, você pode baixar o arquivo pronto, disponibilizado na página do produto, na aba de “Downloads“. O arquivo é para o Simplify3D é de uma impressora padrão, podendo ser necessário alguns ajustes como volume de impressão,etc. Então, caso você use outro software ou queira entender os parâmetros, siga as recomendações:

Filamento ABS Premium 3D Lab

Temperatura de extrusão: 220 a 240°C (235°C utilizado em testes)

Temperatura da mesa: 110°C com adesivo para fixação

Retract: 1,0mm

Fator de extrusão: 1,0 (100%)

Diâmetro do filamento: 1,75mm ou 2,85mm

Extrusion Width: 0,48mm (largura de extrusão padrão)

Então, como vimos em nosso artigo, o filamento ABS é um ótimo material para impressão 3D. Ele é muito utilizado para diversas finalidades dos projetos. Atente para as configurações que indicamos para alcançar bons resultados. Lembre-se de prezar por filamentos de qualidade, com procedência para que suas impressões saiam perfeitas.

Agora que você já sabe como imprimir com o nosso filamento ABS, conheça um método simples e muito eficiente para dar acabamento em peças produzidas com esse material!

Minha conta


Reconhecida como a melhor empresa de impressão 3D do Brasil. Impressoras, filamentos e resina para impressão 3D, cursos, manutenção e prototipagem.

Endereço

Rua Toyota, n°490, Jardim Piemont - Betim - MG 
A 20 min do centro de Belo Horizonte.

Horário de funcionamento

08:00 às 17:00 | Segunda à sexta-feira

Dúvidas gerais | Suporte | Vendas

Nossas redes

Este site é protegido pelo reCAPTCHA, a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.
3D Lab Industria Ltda.
CNPJ 20.212.019-0001/09
Chat online