Em compras acima de R$ 400,00 o frete é grátis! *Exceto impressoras 3D

Tag: como usar a impressão 3d

impressao3d-para-reduzir-custos capa

Como utilizar a impressão 3D para reduzir os custos de produção

Qual gestor não vive em busca de maneiras estratégicas de reduzir os custos operacionais de sua empresa? Essa busca constante permite que o custo reduza e, consequentemente, o lucro aumente! Seguindo essa mesma linha de raciocínio, você já pensou na impressão 3D para reduzir os custos? É totalmente possível e vamos mostrar como neste conteúdo!


Utilizar a impressão 3D para reduzir os custos de prototipagem, assim como os de produção, é uma prática muito eficaz! Isso porque essa tecnologia pode ser um excelente recurso de otimização das operações industriais.

Ela pode permitir que você melhore seus produtos com um custo menor. Criando peças mais leves, trabalhando no design para obter impressões mais eficientes e mais adaptadas ao seu uso, você pode reduzir consideravelmente os custos em diferentes níveis.

Então, incluir a essa tecnologia nos processos de prototipagem e produção pode ajudar substancialmente as empresas. Vejamos agora mais detalhadamente como tudo isso impacta os custos de fabricação em um processo de manufatura. Confira!

Reduzindo o investimento em ferramentas

Mais do que o preço da peça individual, é possível utilizar a impressão 3D para reduzir os custos em todo o processo de fabricação. Ela pode ser uma maneira de repensar totalmente seu processo de produção e permitir uma melhoria na cadeia de suprimentos.

Uma excelente maneira de economizar dinheiro no processo de manufatura é reduzindo os custos com ferramentas. Por exemplo, é possível criar mecanismos na própria peça 3D para diminuir a necessidade de ferramentas durante a produção, como um encaixe sem a necessidade de parafusos. Outra alternativa é criar peças que não necessitam de nenhum pós-processamento.

Alguns fabricantes de automóveis já identificaram uma redução de até 90% no custo de ferramental para o processo de montagem apenas criando mecanismos com a impressão 3D. Lógico que essa redução depende do ramo de atuação da empresa e de como a tecnologia é utilizada. De qualquer forma é uma boa maneira de reduzir seus custos quando se trata de ferramentas.

Acelerando o processo de desenvolvimento de produtos

A impressão 3D para reduzir os custos é um método incrível, que ajuda na criação de muitos projetos com um preço mais baixo quando se trata de prototipagem.

Nos métodos tradicionais de fabricação, com moldes por injeção, você terá que criá-los antes de fabricar o produto. Esse processo é muito caro e leva bastante tempo. Além de que se algo der errado você pode perder seu molde e ter que começar tudo do zero. Isso geraria um custo ainda maior. No entanto, quando a impressão é utilizada, basta preparar um arquivo 3D em algum software de modelagem. Assim você pode modificá-lo quantas vezes quiser, fazendo diferentes interações em seu protótipo durante o processo. Esse recurso é um trunfo para o desenvolvimento de produto.

Para exemplificar observe essa peça abaixo:

Acelerando o processo de desenvolvimento de produtos

Imagine se ela tivesse em seu projeto um molde injetado para criação do seu protótipo e quando ele estivesse pronto um mal dimensionamento fosse identificado. Então, qual seria a saída? Possivelmente começar o projeto do zero e perder um molde de alguns milhares de reais.

Já no caso dessa peça impressa mesmo que você precise fazer um novo protótipo o máximo que você gastará será o tempo de alteração dimensional em seu modelo 3D (que é super rápido) e o tempo de uma nova impressão. Além do custo com filamentos — que nem se compara ao preço de um molde injetado.

Além disso, a tecnologia 3D está permitindo produzir objetos que seriam muito difíceis em um método de fabricação tradicional. Um exemplo disso são as peças com desenhos extremamente complexos.

Utilizando esse recurso em seus protótipos e projetos com maior grau de complexidade você levará menos tempo para desenvolvê-los. Economizando tempo obviamente ocorrerá economia de dinheiro também.

Otimizando o design da impressão 3D para reduzir os custos

Se você quiser usar a impressão 3D para reduzir os custos em processos industriais, terá que otimizar seu modelo. Trabalhar no design do produto pode permitir que você melhore sua peça impressa e reduza seu custo. Isso porque, ao criar seu modelo em um software de modelagem 3D, você pode elaborar um projeto realmente ideal e usar a quantidade certa de material, evitando assim o desperdício.

Outro fator importante é que se você tiver uma peça impressa bem projetada ela minimizará as etapas de pós-produção. Essas etapas adicionam custo e tempo ao desenvolvimento de seu produto. Portanto isso ajudará a reduzir os custos de produção!

As peças impressas em 3D bem projetadas seguem muitas das mesmas regras que as feitas com moldes por injeção. Por isso use transições graduais entre superfícies adjacentes. Elimine grandes diferenças na seção transversal e no volume da peça. Evite cantos afiados que frequentemente criam tensão residual na peça final. Observe que as paredes finas e sem suporte não ficam muito altas, ou então pode ocorrer deformação ou distorção.

Saindo do tradicional

Os projetistas 3D aproveitam muitas formas “orgânicas” em seus projetos. Portanto não tenha medo de usar essas formas, desde que isso crie peças mais leves e também mais resistentes.

Você não deve temer ousar no design de sua peça. Com a fabricação tradicional a abertura de furos em um bloco sólido aumenta o custo e o desperdício da peça. No entanto, no universo 3D mais espaços sem preenchimento significam menos material gasto e geralmente menos tempo de processamento.

Lembre-se de que os furos nas peças não precisam ser redondos. Com bastante frequência, uma forma de orifício elíptica, hexagonal ou de forma livre é a mais adequada ao design da peça e também a mais fácil de imprimir.

Considerando os próximos passos

A impressão 3D é uma excelente alternativa quando falamos em protótipos e em produções iniciais. No entanto quando o plano futuro é produzir em larga escala é importante pensar no projeto durante todo o ciclo de vida do produto. Isso porque como ela oferece enorme flexibilidade de design, é fácil terminar o projeto inicial, sem considerar como as peças serão fabricadas futuramente.

Com base em nossos exemplos no início deste conteúdo, um número crescente de empresas está considerando a utilização da impressão 3D adequada para peças industriais. No entanto muitas delas passarão para usinagem, moldagem ou fundição conforme os volumes de produção aumentam. Portanto quando cria-se alternativas que não são aplicadas aos futuros processos produtivos isso pode acarretar retrabalho e perda de dinheiro.

Então tente sempre integrar a tecnologia 3D a todos os processos necessários para a produção, analisando logo no início todo o ciclo de vida do produto. Isso garante uma produção sempre econômica.

Usando materiais mais baratos

A utilização da impressão 3D oferece a empresa diversas possibilidades de escolher entre diferentes tipos de filamentos. Você pode reduzir os custos de material graças a uma escolha mais em conta. Mas lembre-se sempre que a sua aplicação deve ser levada em consideração durante a definição da matéria prima.

Todos esses materiais são diferentes e possuem propriedades específicas. Você terá que encontrar o melhor material para o seu projeto. Por exemplo, para algumas aplicações você pode utilizar o ABS que é um tipo de filamento com menor custo, no entanto, para outros o mais indicado é o PLA ou o PETG por causa de suas propriedades.

Evitando o excesso das tolerâncias

Projetistas e engenheiros devem evitar o “excesso de tolerância” de suas peças pois isso pode forçá-las a serem produzidas com maior tempo e custo. Em muitos casos, exigirão operações de usinagem secundárias para atender dimensões finais extremamente precisas.

Como a impressão 3D oferece uma ampla possibilidade de configuração das peças, criar protótipos com dimensões e encaixes mais precisos não é algo dispendioso. Isso também faz com que ajustes nas peças já finalizadas não sejam tão necessários, economizando tempo e custos com pós-processamento.

Olhando para o quadro geral da impressão 3D para reduzir os custos

Com o projeto 3D bem dimensionado você tem uma grande possibilidade de diminuição de quantidade de peças perdidas, redução de peso e maior integridade estrutural, menores custos de montagem e outros recursos que não são possíveis nos projetos tradicionais.

Além disso, lembre-se de que alguns acessórios, moldes e outros tipos de ferramentas não são necessários na impressão 3D. Assim você elimina custos que podem não estar diretamente associados ao preço individual. Concentrar-se apenas no valor da peça impressa, em vez da funcionalidade do produto e na “visão geral” pode assustar um pouco. Mas muito além disso pode fazer com que você perca oportunidades gerais de otimização na fabricação.

Com a diminuição dos custos de produção, otimização dos processos, e todas as outras métricas citadas, fica mais fácil atingir os objetivos do seu projeto. Portanto esperamos que este conteúdo tenha ajudado você a enxergar com mais clareza os benefícios da impressão 3D para reduzir os custos dos processos industriais.

Agora que você já aprendeu a como utilizar a impressão 3D para reduzir os custos dos seus processos, que tal conhecer 10 possibilidades com a impressão 3D?

Negócio com impressão 3D: conheça 4 diferentes áreas para atuar!

As impressoras 3D vem dominando cada vez mais o mercado nesses últimos anos e não deve demorar muito para que elas se tornem um acessório comum até mesmo em nossas casas e ambientes de trabalho. Inicialmente, as impressões 3D começaram a ter um papel crucial em alguns setores industriais e com o passar do tempo foram conquistando seu lugar em muitas outras áreas que vão desde a parte de automação com robôs em indústrias até a parte de confeitaria e decoração imprimindo formas de doces e biscoitos.


Provavelmente você já viu algo sobre impressoras 3D na mídia. Uma reportagem sobre uma grande empresa que utiliza a tecnologia ou mesmo um grupo de jovens que montou sua própria impressora. Mas você já se perguntou se dá para criar um negócio com impressão 3D? Pois bem, saiba que uma máquina pode lhe ajudar a atuar em diferentes campos.

A tecnologia de impressão 3D, apesar de não ser tão nova, está crescendo bastante e se tornando conhecida e muito utilizada. Empresas como Ford e Embraer estão reduzindo custos na criação de protótipos e investindo na tecnologia de impressão.

Quais áreas posso criar um negócio com impressão 3D?

Um dos grandes atrativos de uma impressora 3D é a possibilidade de imprimir praticamente qualquer coisa. Seja um protótipo de uma peça técnica para Engenharia ou uma peça de roupa, para o setor de Moda. Basta modelar o arquivo da peça em 3D e conhecer algumas técnicas de impressão. Porém, há também alguns sites que disponibilizam o arquivo já pronto, como o Thingiverse e MyMiniFactory. Veja agora alguns campos em que é possível criar um negócio com impressão 3D:

1 – Design

A área de Design é muito ampla. Há várias possibilidades de especialização e a impressão 3D pode beneficiar várias delas. Um bom exemplo é o design de interiores. Com acesso à impressora, pode-se criar o ambiente imaginado, com detalhes que uma visualização pela tela do computador não permite.

Então, outra área que pode se beneficiar é a de criação de personagens, muito presente em filmes e jogos. Hoje é possível imprimir miniaturas fiéis aos personagens de filmes, agregando um alto valor à peça.

Design

Design de produto também é bastante beneficiado. Por exemplo, você pode criar um protótipo fiel ao produto final, com preço baixo e tempo curto é um ponto importante que uma impressora 3D fornece.

2 – Engenharia

O campo da Engenharia enxerga a impressão 3D com ótimos olhos. Ultimamente a NASA divulgou que enviou para o espaço uma impressora, com o objetivo de criar lá, as peças e ferramentas de substituição. Isso representa uma economia grande, visto que antes era necessário aguardar o carregamento trazido por outras naves. Uma operação cara e demorada.

Na criação de protótipos está outra forte aplicação da tecnologia. Com ela é possível testar exaustivamente a utilização de um conceito, sem ter que investir em moldes caros, com várias limitações para alterações.

Engenharia

3 – Moda

Não pense que um negócio com impressão 3D é limitado a cálculos e desenhos. Ela não só pode como é bastante aplicada na Moda. Um dos maiores impérios do ramo, a grife Chanel já apresentou uma jaqueta inteira impressa em 3D. Marcas como Iris Van Herpen, Ateliê Versace e Ohne Tite também já desfilaram suas produções impressas.

Moda

4 – Gastronomia

Não, você não leu errado. A impressão 3D também pode ser usada para criação de alimentos. Claro que o equipamento tem de ser próprio para isso, para evitar contaminação dos ingredientes, mas já há impressoras voltadas para esse propósito.

A Food Ink é uma empresa que trabalha com a impressão 3D para este fim. Ela foi a primeira empresa no mundo com um cardápio impresso em 3D. Os pratos servidos vão desde doces e salgados até massas de pizza.

Gastronomia

Portanto, como vimos em nosso artigo, abrir um negócio com impressão 3D é totalmente possível e pode ser feito em diversas áreas. A tecnologia vem se expandindo a cada dia, mostrando novas possibilidades e aplicações, reduzindo custos e tempo e criando facilidades necessárias à um mundo que não para.

Então, gostou deste post? Não deixe de compartilhar em suas redes sociais e siga nossa página para estar sempre por dentro das novidades.

4 características do melhor filamento para impressão 3D

4 características do melhor filamento para impressão 3D

Quer conhecer o melhor filamento para impressão 3D do mercado? Escolher materiais de qualidade tem total influência nos resultados finais. Por isso, criamos este conteúdo com 4 características que você deve buscar para identificar o melhor filamento.


O filamento para impressora 3D representa a matéria prima dessa tecnologia que vem mudando e otimizando os processos de fabricação. Uma impressora é capaz de fazer coisas incríveis, desde brinquedos e peças domésticas até próteses e equipamentos industriais. Porém, não basta ter uma boa impressora se o filamento não é de qualidade.

Um erro bem comum é optar por materiais de baixo custo, que não atendem aos requisitos mínimos para uma boa impressão. Essa “economia” pode gerar uma baita dor de cabeça no final do projeto e acabar elevando bastante o custo final. Por isso, é essencial buscar o melhor filamento para impressora 3D!

Então, para que você consiga identificar todas as boas características de um filamento, criamos uma lista com as 4 principais. Confira!

A importância em contar com o melhor filamento para impressão 3D

Uma regra inicial para escolher um bom filamento é não focar somente no preço. Calma, você não precisa pagar valores irreais, como no caso de filamentos importados, para ter um bom material. No Brasil há empresas sérias que se preocupam em entregar bons produtos. Por isso, no nosso artigo vamos mostrar como identificar um bom filamento e garantir o sucesso do seu projeto.

Antes de falar das 4 características vamos mostrar um exemplo do que representa o preço do filamento em uma peça impressa, que será comercializada.

Então, imagine que você está usando a impressora 3D com fim comercial, imprimindo projetos. Você optou por cobrar pela hora de impressão, com o valor de R$30,00 a hora. A peça em questão é de uma figura criada para um jogo. A impressão levou 12 horas e, no final, usou, entre o objeto e as perdas com material de suporte, 200 gramas. O material utilizado foi ABS Premium 3D Lab, que custa R$89,90 o quilo (preço atualizado em Fevereiro/2020).

Dados do projeto

  • monetização: R$30,00 por hora de impressão;
  • tempo gasto: 12 horas;
  • material escolhido: ABS Premium Cinza 3D Lab;
  • preço do filamento: R$89,90 o quilo do material;
  • quantidade de material gasto no projeto: 200g;
  • custo do material gasto: R$18,00;
  • valor cobrado pelo projeto: R$360,00.

Conclusão

Ou seja, o valor cobrado pelo trabalho foi de R$360,00 e o gasto em filamento foi de R$18,00, o equivalente a 5%. É um custo muito baixo por um filamento de alta qualidade, não é mesmo?

Agora, imagine que você encontrou uma outra opção de filamento, o quilo do ABS por R$60,00. O preço é convidativo. No entanto, imagine que você colocou o mesmo projeto para imprimir e quando a peça estava com 60%, a impressão começou a apresentar falhas e você teve que interromper o trabalho.

Foi necessário retirar a peça e começar novamente, depois de mais de 7 horas de funcionamento da impressora. Você recolocou o projeto e a peça saiu legal dessa vez.

No fim das contas, você recebeu os mesmos R$360,00, já que o preço é passado antes do trabalho ao cliente. O total de filamento gasto foi de 120 gramas na primeira tentativa e 200 na segunda, totalizando 320 gramas. Com o preço de R$60,00 o quilo, você gastou R$19,20.

Assim, você gastou mais no segundo caso do que no primeiro. Mas você pode dizer: A diferença foi pouca, prefiro arriscar! Bom, engano seu.

A diferença principal está no tempo! No segundo caso, com um filamento que não é de qualidade, você gastou aproximadamente 19 horas totais, 7 a mais do que no primeiro caso. Se você tivesse usado esse tempo para fazer um outro projeto, cobrando as mesmas R$30,00/hora, você teria faturado R$210,00 a mais!

Ou seja, por causa de uma “economia” de R$25,00 você deixou de faturar R$210,00. Triste, não é mesmo? Então, sempre escolha o melhor filamento para impressão 3D!

A escolha do melhor filamento para impressão 3D

Então, como prometido, vamos às 4 características fundamentais do melhor filamento para impressão 3D:

1. Diâmetro dentro da faixa estipulada

1. Diâmetro dentro da faixa estipulada

 

Tão importante quanto escolher a impressora, é escolher o melhor filamento para a impressão 3D. Então, o primeiro ponto que destacamos é o controle do diâmetro.

Algumas pessoas tentam compensar um filamento fora do padrão alterando a configuração do fatiador, mas isso não é indicado, pois se o material está fora do recomendado, mesmo colocando a faixa de variação para baixo ou para cima, você não terá a certeza de que o diâmetro estará dentro desses valores.

Problemas causados por falha no filamento

  • sub extrusão (filamento abaixo do diâmetro) que causa a falta de preenchimento das camadas;
  • sobre extrusão (filamento acima do diâmetro) que é o excesso de material, causando bolhas a má formação das camadas;
  • travamento no tracionador: pode ser causado pelo diâmetro mais fino, fazendo com que o tracionador “patine” e não gere tração no filamento, ou pode ser causado pelo diâmetro acima, travando o tracionador com excesso de material;
  • entupimento no bico: que pode ser causado pelo diâmetro acima, com excesso de material ou até mesmo impureza no filamento, gerando um inchaço em um ponto do filamento;
  • desgaste excessivo do tubo de teflon: em impressoras com o tubo, trabalhar com diâmetro acima pode causar desgaste excessivo, levando a necessidade de troca rapidamente.

Todos esses pontos são problemas trazidos pela falta do controle dimensional do filamento. Para garantir que seu material está correto, a melhor forma é usar um paquímetro e medir o diâmetro do filamento.

Mas, como esse não é um equipamento presente na maioria das residências, converse com o fabricante do material e pergunte sobre como ele controla o diâmetro.

O mais indicado é que esse controle seja feito por meio de sensores eletrônicos, garantindo que o material esteja dentro da faixa especificada.

Então, lembre-se: as medidas dos filamentos utilizadas comercialmente são 1,75 e 2,85mm, com tolerância de +/- 0,05. Dessa forma, o filamento pode variar entre 1,70 – 1,80mm e 2,80 – 2,90mm. Se o filamento que você estiver usando está fora desses intervalos, pode estar aí a causa de alguns problemas enfrentados. Nesse caso, entre em contato com o fabricante e cobre uma solução.

2. Mesma tonalidade de cor em diferentes lotes

Imagine que você compra um carretel de um quilo de um determinado fabricante de filamentos. Porém, você está imprimindo uma peça grande, com várias partes.

Você acabou uma etapa e precisa de mais material para finalizar o trabalho. Então, obviamente, consultou o mesmo fabricante e solicitou mais material. Porém, para sua surpresa, o tom da cor foi alterado e sua peça ficou com duas variações. Você não quer passar por isso, não é mesmo?

Manter o mesmo tom das cores ofertadas é um requisito que deve ser cobrado de todos os fabricantes. Por isso, sempre mantemos um controle de tonalidade entre cada lote, com o cálculo exato da concentração dos pigmentos e parâmetros da máquina extrusora.

3. Filamento com controle de umidade

3. Filamento com controle de umidade

 

A umidade é uma das principais vilãs dos filamentos. Um material que ficou exposto por um bom tempo ao ar, principalmente se o ar ambiente do local está mais úmido, não apresenta as mesmas características de quando ele foi produzido.

A umidade pode trazer, entre os efeitos:

  • filamento mais quebradiço, podendo romper durante a impressão e parar o projeto;
  • falhas na impressão, onde são formadas bolhas de ar que interrompem o fluxo de material;
  • aspereza nas peças;
  • problemas de adesão entre as camadas.

Para garantir o controle de umidade nos filamentos, nós, da 3D Lab, embalamos cada carretel à vácuo, junto com um plástico zip para utilização após abertura e o pacote de sílica. Assim, você pode abrir, utilizar o material e voltar com ele para dentro do plástico. Isso é muito importante.

Muitas pessoas colocam o filamento na impressora e deixam ele lá depois da impressão. Não faça isso. Sempre que não estiver usando, guarde-o.

Uma outra alternativa é utilizar uma caixa separadora, que consiga manter os filamentos isolados da umidade. Coloque sílica ou produtos que retiram a umidade dentro da caixa, junto com os filamentos. Esses produtos podem ser encontrados em supermercados.

4. Enrolamento no carretel

4. Enrolamento no carretel

Uma grande dor de cabeça ao utilizar os filamento para impressora 3D é quando ele está mal enrolado no carretel. Você prepara a impressora, inicia o trabalho e, quando se dá conta, o carretel está travado, com um nó ou alguma interferência. Novamente, isso pode representar uma perda de tempo e dinheiro!

O carretel tem uma função importante no enrolamento. Ele deve ser feito para aguentar a pressão necessária para que o produto se mantenha tensionado. Utilizar carretéis de papelão ou outros materiais de pior qualidade pode colocar em risco a sua impressão.

Outro ponto é o enrolamento do filamento. Ele deve garantir que o fio não trave, começando de uma ponta, indo até a outra e voltando. Para que isso seja feito de maneira correta, nós utilizamos um sistema eletrônico, programado para o carretel específico.

Se você suspeitar que o enrolamento do seu filamento não está legal, entre em contato conosco e resolveremos o seu problema.

A relação entre filamentos de qualidade e ótimas impressões!

Portanto, como vimos em nosso artigo, utilizar o melhor filamento para impressão 3D pode garantir a qualidade dos seus projetos. Escolher opções de baixo custo pode gerar muita dor de cabeça e até colocar toda a lucratividade do seu negócio em risco, além de consumir muito tempo e dinheiro.

Para descobrir se o filamento que você usa tem qualidade, avalie os 4 pontos que destacamos. Então, confira o diâmetro do material, se está entre 1,70 e 1,80mm ou 2,80 e 2,90mm.

Certifique-se que a empresa fornecedora mantém a mesma tonalidade do filamento em diferentes lotes. Tenha atenção se a embalagem do material permite armazená-lo de forma a controlar a umidade e confira se o enrolamento está legal.

Atentando para esses pontos você será capaz de tomar a melhor decisão de compra do filamento para impressora 3D.

Gostou do nosso artigo? Então agora vá até a nossa loja e garanta seus filamentos!

Como escolher uma impressora 3D? Confira 4 dicas importantes

Você sabe como escolher uma impressora 3D e o que levar em conta nessa hora? De fato, muitos compradores sentem-se perdidos quando decidem investir nesse tipo de tecnologia.


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

A impressão 3D representa um avanço tecnológico e vem mudando o mercado global. Diferentes áreas de conhecimento e aplicação já utilizam a tecnologia e apresentam ganhos enormes, em custo, disponibilidade e adaptabilidade. No entanto, como escolher uma impressora 3D ainda é um desafio tanto para uso empresarial quanto para uso doméstico.

Embora essa tecnologia seja usada por grandes empresas e organizações, como NASA, Fiat e Embraer, uma impressora 3D pode muito bem resolver problemas domésticos ou de pequenos negócios. Assim, muitos empreendedores estão buscando a melhor opção de impressora no mercado para o seu caso específico.

Neste post, você encontrará dicas essenciais de como escolher uma impressora 3D para a sua necessidade.

 

Há diferença entre as impressoras?

Com certeza. A primeira coisa que você precisa saber é que, no mercado, existem impressoras para todas as aplicações. Desde equipamentos para impressão de peças decorativas até impressões de peças técnicas e complexas.

Quando se fala de impressão 3D, existem 4 principais tipos de impressão 3D. São elas:

  • FDM – Fusão e deposição de material
  • SLS – Sinterização seletiva a laser
  • SLA – Estereolitografia
  • DLP – Processamento por luz direta

Cada técnica tem mecanismos diferentes e apresentam resultados distintos. Para deixar nosso post mais didático e leve, vamos concentrar na tecnologia de fusão e deposição de material, a FDM, que é a mais utilizada atualmente.

Como escolher uma impressora 3D?

Agora, vamos mostrar 4 dicas para que você consiga comprar a melhor impressora 3D para o seu negócio e não perca dinheiro ou tempo na sua escolha.

1 – Calcule o seu investimento disponível

Antes de começar a pesquisar as impressoras disponíveis no mercado, calcule qual o investimento que você tem para aplicar. No Brasil, existem opções de R$2.000,00 até modelos de R$25.000,00.

Se você quer comprar uma impressora para hobby, por exemplo, escolha modelos de entrada, mais baratos. As impressoras com mais tecnologia agregada têm mais a oferecer, mas para sua aplicação, é um investimento que não fará muito sentido.

No entanto, se você deseja adquirir uma impressora para produzir peças de alta qualidade, com controle dimensional e qualidade impecáveis, você precisa verificar as limitações de uma impressora de entrada.

2 – Defina o seu objetivo com a impressora 3D

Esse ponto é fundamental. Algumas impressoras têm limitações de uso, seja pelo tamanho, velocidade de impressão, qualidade da peça impressa ou pelos materiais aceitos. Hoje, o PLA é um dos materiais mais utilizados no mundo para impressão. É biodegradável, fácil de imprimir, com boa qualidade para a peça. Pode ser utilizado em qualquer impressora, aberta ou fechada, com mesa aquecida ou não.

O ABS já possui algumas características diferentes. Derivado do petróleo, esse material tem ótima resistência mecânica e pode ser usado em exposição a temperaturas maiores do que o PLA. No entanto, sua utilização é mais indicada em impressoras fechadas e, necessariamente, com mesa aquecida. Se você deseja utilizar esse material, deve procurar por impressoras que tenham essas características.

Outros filamentos, como o flexível, também têm alguns pré-requisitos. Para usar o flex, o sistema de tração do filamento na impressora não deve ter folga excessiva. É importante definir o tipo de peça que deseja imprimir e quais os materiais que serão usados, para verificar quais modelos aceitam esse material.

Se você deseja imprimir uma grande quantidade de peças de uma só vez, o tamanho da mesa será importante, assim como as dimensões de uma peça única. Se for um objeto grande, ele pode não caber em uma mesa de 20x20x20 centímetros. Se deseja imprimir objetos pequenos, uma mesa de 40x40x40 centímetros pode ser exagerada. Tudo isso influenciará no preço da impressora.

  • Trabalhar com PLA – Aceito em qualquer impressora do mercado;
  • Trabalhar com ABS – Preferencialmente em impressoras fechadas, necessariamente com mesa aquecida;
  • Outros filamentos – Ver cada limitação da impressora de acordo com o material.

3 – Avalie o seu conhecimento em eletrônica

Pensando no primeiro item, você pode encontrar os kits de montagem de impressora. É mais barato e bem legal você montar seu próprio equipamento. Além de ser customizável, você aprenderá bastante sobre o funcionamento e importância de cada peça, ajudando em resoluções de problemas futuros.

No entanto, para montar um kit são necessários alguns conhecimentos prévios, principalmente em eletrônica. Se você não tem muita prática nisso, considere comprar uma impressora já montada. Isso pode reduzir muito o tempo para ter sua impressora funcionando e causar menos dor de cabeça, pois calibrar a impressora para produzir peças com qualidade não é tão simples.

  • Bom conhecimento de eletrônica – Kit de montagem é boa opção;
  • Sem conhecimento – Adquira impressora já montada.

4 – Determine o seu tempo disponível para trabalhar com a impressora

Esse último ponto trata da sua disponibilidade. As impressoras 3D ainda não são “plug and play”, ou seja, elas ainda não funcionam como um eletrodoméstico, que você liga na tomada e ele já está funcionando. Por mais que as mais modernas estejam caminhando para isso, as impressoras necessitam de alguns ajustes.

Muitos fatores irão interferir em uma impressão, como, por exemplo, a temperatura ambiente. Os filamentos também vão mudar os parâmetros da máquina. Cada fornecedor trabalha com faixas de temperaturas. É interessante encontrar um bom fornecedor de filamentos e trabalhar sempre com ele.

Diante de tudo que colocamos, encontrar a melhor opção de impressora 3D é uma etapa importante do seu empreendimento ou uso pessoal. Uma compra mal feita pode fazer com que você desista dessa tecnologia e que não colha os frutos de um equipamento com grandes possibilidades. Procure avaliar cada ponto aqui colocado.

O que achou do nosso artigo? Se ainda tem dúvidas de como escolher uma impressora 3D, entre em contato conosco que teremos o prazer em lhe ajudar.

Empresa referência em impressão 3D. Impressoras, filamentos e resina para impressão 3D, cursos, manutenção e prototipagem.

Endereço

Rua Toyota, n°490, Jardim Piemont - Betim - MG 
A 20 min do centro de Belo Horizonte.

Horário de funcionamento

08:00 às 17:00 | Segunda à sexta-feira

Dúvidas gerais | Suporte | Vendas

Nossas redes

Este site é protegido pelo reCAPTCHA, a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.
3D Lab Industria Ltda.
CNPJ 20.212.019-0001/09
0