Em compras acima de R$400,00 o frete é grátis! *Promoção valida para os estados do Sul e Sudeste, Exceto para impressoras 3D

Tag: First layer

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

Para quem deseja se tornar um especialista em impressão 3D, conhecer os principais termos é fundamental. O glossário de impressão 3D é bastante amplo e dá para criar um dicionário bem completo!


Cada nicho de mercado tem termos e curiosidades bem específicos, e na impressão 3D não é diferente. Hotend, layer e under extrusion são exemplos de termos comumente relacionados no dia a dia de quem trabalha com uma impressora. Por isso, é muito interessante conhecer um glossário de impressão 3D. Muitas palavras em inglês são utilizadas e se você não domina a língua, isso pode se tornar um problema na hora de solucionar os problemas.

Selecionamos tudo que você precisa saber para se tornar um especialista no assunto, seja você um iniciante, intermediário ou usuário avançado. Confira!

Glossário de impressão 3D

1. 3D Printer

3D Printer é a impressora 3D. No mercado existem diferentes marcas e modelos, cada um com suas características e diferenciais. As marcas nacionais são ótimas e apresentam modelos bem interessantes.

2. Fatiador

O fatiador é o programa utilizado para converter o modelo criado em 3D para coordenadas, a máquina entenderá o que deve ser feito através de posicionamento.

3. Extrusor

3. Extrusor

 

 

O extrusor é o principal conjunto de qualquer impressora 3D. Ele é a soma dos componentes que aquecem o filamento e depositam na mesa de impressão. Esse conjunto compreende o tracionador, dissipador de calor, bloco aquecedor e bico de impressão, além do resistor e termistor. Em algumas impressoras, ainda há o tubo de teflon.

4. Trator, ou tracionador

4. Trator, ou tracionador

O trator, ou tracionador, é o elemento responsável por fazer a movimentação do filamento, seja no sentido do extrusor, empurrando o material, ou na retração, puxando-o de volta. Basicamente, existem dois tipos de tratores: direct drive e bowden.

Na imagem acima estão mostrados os dois tipos, com uma variação. A ilustração da esquerda é do direct drive com redução. Do meio também é o direct, mas com o motor tracionando diretamente o filamento. Por último, a ilustração à direita mostra o sistema bowden.

5. Direct drive

Direct drive é o tipo de tracionador que fica posicionado junto ao carro de impressão. É um trator com redução ou que o motor traciona diretamente o filamento. A maior vantagem dessa opção é alcançada na impressão de filamentos flexíveis.

6. Bowden

O Bowden é o outro tipo de tracionador. A diferença é que nesse modelo o motor não fica posicionado no carro de impressão. Alguns fabricantes alegam que isso dá maior velocidade e menor vibração.

7. MK8

O MK8 é uma polia tratora conectada no motor, fazendo o tracionamento direto do filamento até o bloco aquecedor.

8. Hotend

O hotend é o conjunto que compreende os componentes que ficam expostos à temperatura mais elevada no extrusor, ou seja, o dissipador de calor, o bloco aquecedor e o bico de impressão.

9. Dissipador de calor, ou heatsink

O dissipador de calor é uma superfície aletada que fica posicionada entre o tracionador e o bloco aquecedor. A sua função é não deixar que o calor gerado no bloco seja transferido para áreas mais altas, por condução pelo filamento. Se o calor for transferido, o material expande e trava.

10. Bloco aquecedor

O bloco aquecedor é o penúltimo componente que o filamento atravessa até chegar na mesa de impressão. Esse bloco é o responsável por elevar a temperatura e fundir o material. Nele é posicionado e resistor e o termistor.

11. Resistor

O item 9 do nosso glossário de impressão 3D é a resistência que gera o aquecimento do bloco aquecedor. Por isso, ele é um dos componentes mais importantes em todo o conjunto do extrusor.

12. Termistor

O termistor é o componente responsável pela medição da temperatura do conjunto aquecedor. É muito importante que esse componente esteja funcionando corretamente para que a temperatura esteja correta. Caso contrário, a diferença do valor real e valor medido pode levar a falhas na impressão e até riscos na utilização da máquina, como super aquecimento.

13. Bico de impressão, ou nozzle

O bico de impressão é o último componente no caminho do filamento entre o tracionador e a mesa. O bico é como um funil, estreito no fundo. Normalmente, se utiliza bicos com saída de 0,4 a 1,0 milímetro.

14. Tubo de teflon

Basicamente, podemos distinguir as impressoras 3D em dois grupos: com tubo de teflon ou all metal. O tubo de teflon tem a função de conduzir o filamento. Cada fabricante de máquina trabalha com tamanhos diferentes de tubo, mas na maioria dos casos ele parte da entrada do dissipador de calor até o bico de impressão. A vantagem do tubo é uma melhor condução, com menor probabilidade de travamento, principalmente se for utilizado PLA. Porém, o teflon tem temperatura de amolecimento em torno de 250ºC, o que limita o uso de filamentos que precisam de temperaturas superiores a isso.

15. Allmetal

Allmetal representa a garganta  (heatbreak) do hotend  que não tem um tubo de teflon interno. A usinagem interna do canal deve ser bem feita para que o filamento não agarre. Em alguns casos, é interessante lubrificar o filamento com óleo ou azeite. Já a vantagem é a possibilidade de trabalhar com altas temperaturas, acima dos 250ºC limitados pelo teflon.

16. Bed, ou mesa de impressão

Bed é a cama de impressão, ou mesa. Normalmente, a mesa é composta por uma chapa metálica com sistema de aquecimento e um vidro por cima, em que o filamento extrudado é depositado.

17. PLA

O PLA é um dos materiais mais utilizados como insumo para a impressão 3D. A sigla representa o poliácido lático e é derivado de fontes naturais, como o amido de milho. As melhores características do PLA é a alta qualidade superficial, facilidade de impressão, possibilidade de utilizar o material em praticamente qualquer impressora 3D, além de ser um material biodegradável. Portanto, o PLA sempre será uma boa opção na sua impressora.

18. ABS

Provavelmente você nunca ouviu falar em Acrilonitrila Butadieno Estireno, mas ABS sim, certo? Essa é a abreviação desse nome complexo, de origem no petróleo. O ABS, assim como o PLA, também é bastante utilizado como insumo na tecnologia de impressão 3D. Sua alta resistência mecânica e a facilidade de dar acabamento são grandes atrativos para os usuários.

19. PETG

O PETG é um material que vem chamando a atenção de quem é apaixonado por impressão 3D. Na Europa e EUA, inclusive, esse material vem conquistando a preferência dos usuários. Ele mescla algumas vantagens do PLA e ABS, com alta resistência mecânica, possibilidade de ser impresso em qualquer máquina e ainda contar com boa resistência química e térmica.

20. Impressora fechada / aberta

Há várias maneiras de qualificarmos as impressoras 3D em grupos, e uma delas é se ela é aberta ou fechada. A primeira opção é ideal para impressão de PLA ou PETG, além de filamentos especiais com base em PLA. Já as impressoras fechadas são ótimas para o ABS, que possui alta contração e pode empenar se houver um fluxo externo de resfriamento.

Não há uma regra se a impressora aberta ou fechada é melhor ou pior do que a outra, o que deve ser observado é toda a sua estrutura. Impressoras com uma estrutura mais robusta são capazes de trabalhar em velocidades mais altas, mantendo um bom nível de precisão.

21. Stringing

21. Stringing

Stringing são as linhas de impressão que podem formar nas peças. Acontece que, se você tiver duas partes da peça distantes uma da outra, durante a movimentação do bico, o filamento pode “escorrer” um pouco, formando essas linhas.

Apesar de ser um problema, esse efeito pode ser facilmente retirado no acabamento posterior.

22. Overhang

22. Overhang

Overhang é, basicamente, a impressão inclinada, sem um suporte de sustentação. Essa característica está muito relacionada ao filamento e também ao resfriamento da peça. No caso de PLA, trabalhar com um cooler que resfria a peça ajuda bastante a impressora conseguir produzir peças com angulações maiores. No ABS deve-se tomar cuidado com esse cooler. Se ele jogar ar frio, pode empenar a peça, então o ar direcionado tem que ser quente.

23. Bridge

Bridge, em inglês, significa ponte. Em alguns casos, precisamos que a impressão se faça sem o suporte, com uma movimentação horizontal, formando uma verdadeira ponte. Para isso, é preciso contar com um filamento de qualidade, que garanta essa sustentação, além de trabalhar nos parâmetros corretos.

24. Skirt

24. Skirt

Quando você inicia uma impressão, já reparou que a máquina faz uma borda na peça? Já pensou para que serve isso? Esse é o skirt, em inglês, saia. O intuito disso é equalizar o fluxo de filamento, garantindo a deposição correta do material quando o bico começar a fazer a peça.

25. Brim

25. Brim

Em alguns casos, principalmente quando há uma área de suporte fino, o material pode não se sustentar na mesa, mesmo passando o adesivo fixador. Então, para aumentar essa fixação e garantir que a peça não se solte, é interessante habilitar o brim. Em inglês, o termo significa borda. A impressora fará uma espécie de borda ao redor da peça, garantindo a boa adesão na mesa.

26. Volume de impressão

O volume de impressão é a área que a sua impressora tem disponível para imprimir os projetos. Para conhecer esse valor, basta analisar as dimensões dos três eixos, no comprimento, largura e altura. Por exemplo, se a sua impressora tem as dimensões de 200x200x200 milímetros, esse é o seu volume de impressão.

27. Eixos X, Y e Z

A impressão 3D, como o próprio nome já diz, trabalha em três eixos: X, com movimento horizontal, Y, na profundidade e Z, na altura. É interessante conhecer bem sobre cada eixo para entender a movimentação e, caso você precise atuar manualmente na máquina, saber onde mexer.

28. Sílica

Poucas pessoas sabem, de fato, para que serve aquele pacotinho que vai junto ao seu filamento. Também encontrado em outros produtos, como sapatos e bolsas, esse item representa a sílica. O material retira a umidade do produto. Isso é muito importante para o filamento. Se ele pegar umidade, pode perder as suas características de impressão, prejudicando a qualidade das suas peças.

29. Warping

29. Warping

O warping é um defeito bastante conhecido e tem um lugar especial no nosso glossário de impressão 3D. Esse efeito acontece quando a peça começa a resfriar e empena. Como o resfriamento do objeto se faz no sentido das extremidades até o centro, as pontas se descolam e empenam.

Apesar desse problema ser comum no ABS, é possível resolvê-lo. Para isso, se quiser usar esse material, opte por uma impressora fechada ou use um fechamento para a mesma, junto com o adesivo fixador.

30. Duplo extrusor

Uma impressora 3D que consegue utilizar dois filamentos por vez, é chamada de duplo extrusor, ou dual extrusion. É possível mesclar as cores ou utilizar materiais diferentes, um em cada extrusor.

31. Fan / cooler

O fan é um acessório importante para a impressora. Ele tem a função de ventilar, enquanto o cooler resfria. No caso do dissipador de calor, por exemplo, o corpo aletado funciona como o cooler, enquanto o fan direciona a ventilação para a troca de calor.

Outra posição para se colocar o fan é na saída do bico, principalmente para PLA.

32. FFF

FFF é a configuração do fatiador Simplify3D, já mencionado nesse glossário de impressão 3D. Você pode importar o FFF com a configuração já pronta ou ainda colocar os seus parâmetros próprios.

33. STL

O STL é o arquivo dos modelos de impressão 3D. Existem alguns sites que você pode baixar o STL gratuitamente. Em outros, há venda dos modelos.

34. Filamento

O filamento é o insumo da impressão 3D. Existem diversos materiais diferentes, como PLA, ABS Premium, PETG, Flexível, HIPS e Wood. Escolha sempre filamentos de qualidade. Nós, da 3D Lab, prezamos muito em oferecer o melhor material aos nossos clientes para que as expectativas sejam superadas!

35. Infill, ou preenchimento

O preenchimento de uma peça é um dos parâmetros a serem escolhidos e, por isso, entra no nosso glossário de impressão 3D. Você pode variar o preenchimento, entre 0 (modo vase) até 100%, totalmente sólido. Cada projeto tem suas particularidades e a escolhe pelo preenchimento deve ser orientada de acordo com a necessidade.

Além disso, você também pode escolher a forma do preenchimento.

36. GCode

O GCode são as linhas de códigos responsáveis pelas movimentações da impressora. Você pode encontrar esses códigos dentro da configuração do fatiador.

37. Layer

Layer é a camada de impressão. A resolução das peças será medida justamente por ela, pela altura da camada. Quanto maior for, pior será a resolução. As layers habitualmente utilizadas variam entre 0,05 e 0,3 milímetros.

38. First layer

First layer é a primeira camada da impressão. Para que sua peça saia perfeita, é muito importante que a first layer fique bem. Ela será a base de todo o projeto. Se sair errado, o problema será somado com as camadas superiores.

Então, certifique-se que a primeira camada está homogênea, com o bico na distância certa da mesa e a adesão correta.

39. Top layer

Top layer é a camada de fechamento da peça. É muito importante configurar bem essas camadas para evitar que a peça tenha problemas no topo.

40. Adesão entre camadas

Adesão entre camadas é um importante termo do nosso glossário de impressão 3D. Ela pode ser resumida como a força de interação entre uma camada e outra. Se essa característica não estiver adequada, a peça pode se tornar frágil e quebrar com pouco esforço.

A adesão entre camadas também é uma característica do filamento. Por isso, mais uma vez, escolha materiais de alta qualidade!

41. Suporte

41. Suporte

O suporte nas peças permite que o bico deposite material onde não há filamento abaixo. Então, quando for depositar material sem uma camada embaixo, ele já cria um suporte para a sustentação. Esse suporte será facilmente removido após a impressão final.

42. Torre de temperatura

42. Torre de temperatura

A torre de temperatura é um termo bastante conhecido pelos amantes da impressão 3D. Ela representa um teste pré impressão, no sentido de encontrar a melhor temperatura de trabalho para o material. Na internet há vários modelos de torres, com a marcação das temperaturas. Assim, é possível observar o parâmetro mais indicado.

Portanto, vimos no nosso glossário de impressão 3D os principais termos relacionados a essa tecnologia. É muito importante conhecermos esses conceitos para sempre aprendermos mais e melhorarmos nossas impressões. Ficou muito claro que a qualidade das peças está bastante relacionada ao conhecimento da pessoa, ajustando corretamente os parâmetros da impressora, e também à qualidade do filamento. Então, utilize os nossos materiais para ter certeza que seus projetos serão um sucesso!

Se você conhece outro termo importante dessa tecnologia, deixe seu comentário aqui no conteúdo!

Aprenda a configurar a primeira camada da impressão 3D!

Identificar uma primeira camada perfeita é bem simples. Isso porque ela possui linhas planas de filamento e não há intervalos entre elas.


Sem tempo para ler? Então ouça este conteúdo clicando no player a seguir:

Saber como configurar a primeira camada em sua impressão 3D é fundamental para o sucesso final da sua peça! Porém, quando ingressamos em uma nova tecnologia, nem sempre temos o conhecimento prévio necessário para ter sucesso logo no início.

Por isso, muitas vezes acabamos aprendendo na tentativa e erro mesmo! Até porque para quem está iniciando nem sempre termos técnicos fazem sentido e a maioria dos tutoriais que vemos na internet estão abarrotados deles sem a devida explicação.

Como nosso objetivo é sempre ajudar, vamos tentar tornar esse processo de aprendizagem e aperfeiçoamento o mais simples possível.

Então, vamos lá!

 

Como configurar a primeira camada

Um dos problemas mais comuns enfrentados por usuários de impressão 3D é a adesão da peça à mesa. Para obter uma boa aderência, as linhas da primeira camada precisam do máximo contato com a mesa possível.

Essa aderência pode ser obtida por meio de uma quantidade considerada de cola passada na mesa ou simplesmente fazendo o certo. Mas afinal o que é o certo?

O filamento é extrusado do bico em forma de tubo porque está sendo empurrado por um orifício redondo. Se o bico estiver muito alto, o filamento será colocado suavemente sobre a mesa e haverá muito pouco contato superficial entre o filamento e a mesa.

Você precisa que o bico esteja mais baixo para que o filamento extrusado seja comprimido contra a mesa e, assim, aumentar a área de contato da superfície. O primeiro passo sempre quando iniciamos uma impressão é verificar se a impressora está adequadamente calibrada e nivelada.

O processo de nivelamento depende de qual máquina está sendo utilizada. Atualmente, muitas impressoras já possuem o nivelamento automático. Mas, para as que não dispõem desse recurso, existem formas manuais para esse ajuste.

Um dos processos mais utilizados é colocar um cartão de visitas entre o bico da impressora e a mesa e medir as diferenças de altura nas quatro quinas. Com o aperto dos parafusos localizados abaixo da mesa é feito o ajuste e nivelamento.

Passo a passo da configuração

1. Certifique-se que sua mesa de impressão esteja limpa;

2. No menu da impressora (via LCD) ou no software de controle, mande todos os eixos (XYZ) para o home (ponto zero de cada eixo);

3. Em seguida, desabilite os motores, no menu, acione a opção desabilitar motores (disable steppers);

4. Desligue a impressora por precaução;

5. Com as mãos, puxe os eixos para cada um dos quatro cantos da mesa, movendo os eixos X e Y apenas;

6. Iremos, então, calibrar cada um destes quatro pontos:

 

7. Conduza o bico até o ponto 1 manualmente. Então, insira um cartão de visita entre o bico da impressora e sua mesa, raspe-o levemente. Deve haver uma leve pressão de esmagamento no cartão (bico e mesa esmagam o mesmo). Caso esteja muito justo ou livre demais, aperte ou solte a mola da mesa respectiva daquele canto. Repita este passo para cada um dos quatro cantos.

 

Com a mesa nivelada, vamos para a primeira camada…

8. Ligue a impressora, configure sua primeira impressão para camada (primary layer height) para 0,3 mm e a porcentagem da altura da primeira camada (first layer height) para 100%;

9. Inicie sua impressão e verifique se o filamento está sendo levemente esmagado contra a base de impressão. Repare se a quantidade de filamento depositado na mesa está abaixo do esperado. Se estiver é porque o bico está muito próximo à mesa, caso contrário (o filamento estiver solto/arredondado), repita o processo deixando o bico um pouco mais próximo à mesa;

 

 

 
 

10. Alguns software fatiadores, como o Cura, permitem manter a primeira camada da impressão sempre a 0,3 mm. Isso facilita as impressões, pois a altura do bico em relação à mesa será sempre a mesma. No software que não for possível, como no Simplify, ao alterar a resolução das camadas de sua impressão (primary layer height) altere também a altura via software do bico em relação à mesa (first layer height). Altere este valor em %, por exemplo: se sua impressão estiver com resolução em Z de 0,1 mm, altere o valor para aproximadamente 60%. Se 0,2 mm, para 80% e 0,3 para 100%. Assim, você precisará realizar este procedimento de nivelamento apenas uma vez.

11. Para impressões em PLA e PETG, tente, se possível, utilizar vidro sobre sua mesa de impressão (sempre limpo com desengordurante, enxaguado e seco com papel toalha) e para ABS utilize nossa cola 3DLab especial.

Agora que você já sabe configurar a primeira camada de sua impressão 3D, vamos a algumas dicas importantes, no próximo tópico.

Dicas extras para melhorar a qualidade da primeira camada

Nivelamento da mesa

 

Ter uma mesa nivelada é fundamental. Se a distância entre a ponta do bico e a mesa se desviar, mesmo que só um pouco, isso pode fazer com que o material extrudado não se conecte corretamente a mesa. Pode parecer óbvio mas a dica é sempre iniciar a configuração pelo nivelamento!

Velocidades mais baixas

Desacelerar a extrusora durante a impressão da primeira camada reduz as forças aplicadas ao material fundido. Reduzindo assim as chances de ele ser esticado demais e não aderir corretamente. 30% ou 50% da velocidade normal é o recomendado.

Taxas de extrusão corretamente calibradas

Se houver excesso de material na primeira camada, o bico poderá arrastá-lo na segunda passagem. Isso faz com que ele se levante da mesa (principalmente se o material tiver resfriado). Ao contrário, muito pouco material pode fazer com que a primeira camada se solte mais tarde na impressão, resultando em objetos desconectados ou deformados. Por estas razões, é importante ter uma taxa de extrusão bem calibrada.

Altura da primeira camada

Uma altura de camada mais espessa proporcionará mais fluxo e, consequentemente, mais calor, fazendo com que a extrusão se conecte mais à mesa. Recomenda-se aumentar a altura da primeira camada para coincidir com o diâmetro do bico. Por exemplo, se o bico é de 0,3mm recomenda-se uma mesma altura de camada.

Largura de extrusão maior

Quanto mais material tocar a mesa, melhor o objeto vai aderir a ela. Isso pode ser alcançado aumentando a largura de extrusão da primeira camada, seja por uma porcentagem ou uma quantidade fixa.

Um valor de aproximadamente 130% do diâmetro do bico para a largura de extrusão é um valor recomendável.

Sem refrigeração

Não faz sentido aumentar a temperatura da primeira camada e ter um ventilador ou outro mecanismo de refrigeração ligado durante a impressão, principalmente em impressoras abertas. Manter o ventilador e o ar condicionado do ambiente desligados é o recomendado.

A sua impressora está perto de uma porta que se abre regularmente? Ou talvez uma janela? Isso pode ser a causa da deformação nessa primeira camada. Tente movê-la para um local diferente ou criar um compartimento ao seu redor para isolá-la de fatores ambientais.

Utilize técnicas de auxílio

O Raft, por exemplo, é uma boa técnica de auxílio para adesão, especialmente em impressão utilizando o ABS. Apesar de ser um material e tempo extras, ele garante a adesão adequada da primeira camada.

Outra técnica que pode lhe ajudar durante a impressão da primeira camada é o Skirt. Ele ajuda a garantir que tudo está ocorrendo bem mesmo antes do início da impressão. Se a preocupação é a adesão, o Skirt é o caminho a percorrer.

O Brim é muito semelhante ao Skirt, porém ele está preso ao modelo, ao invés de estar ao seu redor. Se a intenção é ter maior adesão em um modelo que tenha pernas ou algo semelhante, mas que não possua uma grande área de superfície tocando a mesa, o Brim é uma ótima escolha.

Vale a pena ressaltar que filamentos de qualidade são fundamentais para o sucesso de sua impressão. Não adianta configurar tudo de maneira correta ou comprar uma máquina de última geração se para economizar você utiliza um filamento sem procedência comprovada. Essa também pode ser uma das causas para uma primeira camada não satisfatória!

Portanto, configurar a impressão da primeira camada não precisa ser um bicho de sete cabeças, basta para isso seguir as dicas e praticar!

Depois de aprender a como obter uma primeira camada de impressão 3D perfeita, que tal começar a utilizar as técnicas e nos contar como foi o resultado? Deixe nos comentários como foi sua experiência e caso tenha mais alguma sugestão para acrescentar, ela será muito bem vinda!

Minha conta


Reconhecida como a melhor empresa de impressão 3D do Brasil. Impressoras, filamentos e resina para impressão 3D, cursos, manutenção e prototipagem.

Endereço

Rua Toyota, n°490, Jardim Piemont - Betim - MG 
A 20 min do centro de Belo Horizonte.

Horário de funcionamento

08:00 às 17:00 | Segunda à sexta-feira

Dúvidas gerais | Suporte | Vendas

Nossas redes

Este site é protegido pelo reCAPTCHA, a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.
3D Lab Industria Ltda.
CNPJ 20.212.019-0001/09
Compre aqui!