Skip to main content
Em compras acima de R$400,00 o frete é grátis! Promoção válida para os estados do Sul e Sudeste e somente para filamentos e resinas.

Tag: preenchimento

Tipos de preenchimento no Cura! Veja como configurar o infill neste software

Como você define tipo e percentual de preenchimento interno nas suas impressões 3D? Se você ainda não domina o assunto, a gente te explica os padrões de preenchimento no Cura. O software mais utilizado atualmente na preparação de arquivos para impressoras 3D FDM!


Também conhecido como infill, o preenchimento no Cura é usado para – como o próprio nome diz – preencher a impressão 3D. Não somente isso, pode oferecer maior resistência e peso, além de estar diretamente ligado ao tempo de impressão.

Esse parâmetro é definido durante o fatiamento da peça. E, apesar dos resultados parecerem iguais por fora, o tipo de padrão e a densidade do preenchimento podem mudar bastante as características técnicas e custo da impressão.

Isso porque se tratando de produção, ter um bom entendimento dos padrões de infill do Cura oferece benefícios valiosos como:

  • redução de gastos com materiais e consequentemente o custo;
  • maiores variações de peso final do produto;
  • otimização do tempo gasto com fabricação.

Não somente o padrão de preenchimento, é importante saber configurar o número de camadas e a densidade de preenchimento. No qual 0% refere-se a uma peça oca e 100% a uma peça maciça.

Portanto, para te ajudar, vamos mostrar os padrões de preenchimento disponíveis no Cura, bem como a funcionalidade de cada um deles para otimizar os resultados das suas impressões!

Padrões de preenchimento no Cura 

Preenchimento no Cura

Na atualização mais recente do Ultimaker Cura (versão 4.9), existem 13 padrões de preenchimento disponíveis para o usuário.

  • Linhas;
  • Zigue-zague;
  • Grade;
  • Triângulos;
  • Tri-hexágono,
  • Cúbico;
  • Subdivisão Cúbica;
  • Octeto;
  • Quarto Cúbico;
  • Giroide;
  • Concêntrico;
  • Cruzado;
  • Cruzado 3D.

Geralmente, as linhas de preenchimento são impressas em um ângulo de 45°, pois os motores X e Y trabalham em conjunto para obter uma aceleração máxima sem interferir na qualidade.  

O que vai interferir na sua impressão é a escolha do infill que, se não for definido corretamente, pode afetar significativamente a resistência e a flexibilidade da peça. Para facilitar, distribuímos os tipos de preenchimento do Cura em quatro categorias:

  • Impressões 3D de baixa resistência,
  • Impressões 3D de média resistência;
  • Impressões 3D de alta resistência;
  • Impressões 3D flexíveis.

Impressões 3D de Baixa Resistência 

Preenchimento no Cura Impressões 3D de Baixa Resistência

As impressões 3D de baixa resistência se tratam de peças que não são submetidas ao manuseio pesado ou pressão. Nesta aplicação, a densidade de enchimento típica é de 0 a 15% e os padrões de preenchimento indicados são “Linhas” e “Zigue-zague” por fornecerem impressões mais rápidas.

Ambos os padrões produzem uma grade 2D por meio de movimento retilíneo, no qual apenas um eixo é impresso por camada. O que os diferem entre si é que “Linhas” formam várias linhas por camada, enquanto “Zigue-zague” se trata de uma linha constante (desde que não seja interrompida pela impressão).

Como visto na imagem abaixo, a diferença entre os dois padrões torna-se quase indistinguível.

Impressões 3D de Média Resistência

Preenchimento no Cura - Impressões 3D de Média Resistência

Para impressões 3D sujeitas a uma tensão média, a densidade do infill varia entre 15 a 50%. Os padrões de preenchimento do Cura apropriados para esse tipo de peça são:

  • Grade: se trata do padrão menos complexo para esta aplicação. Logo, é o que entrega maior velocidade de impressão;
  • Triângulos: a malha 2D feita de triângulos possui a vantagem de maior resistência em caso de carga aplicada perpendicularmente à face do objeto. Também é a mais indicada para impressões 3D com componentes retangulares finos.
  • Tri-hexágonos: esse tipo de padrão produz hexágonos 2D intercalados com triângulos. Por serem uma forma eficiente, os hexágonos constituem um preenchimento forte em relação ao uso do material.

Um detalhe importante sobre esses padrões de preenchimentos é que eles podem aumentar o tempo da sua impressão em até 25% se comparado com “Linhas”.

Impressões 3D de Alta Resistência

Preenchimento no Cura - Impressões 3D de Alta Resistência

Impressões 3D de alta resistência se tratam de peças funcionais, já que exigem muita resistência em várias direções e que necessitam de uma densidade de preenchimento superior a 50%. Para esta aplicação, os padrões de infill incluem:

  • Cúbico: constitui cubos empilhados e inclinados;
  • Subdivisão Cúbica: uma variação do “Cúbico” que usa menos material.
  • Octeto: empilha formas de pirâmide e também é conhecido como “Tetraédrico”;
  • Quarto Cúbico: é semelhante ao “Octeto”, embora metade das formas de pirâmide sejam deslocadas em relação à outra metade;
  • Giroide: particularmente único, esse padrão dá a impressão de ondas. É a escolha ideal para peças que serão preenchidas com gesso, devido ao seu formato facilitar a dissipação do material em sua forma líquida. Também é o padrão indicado para peças que serão tensionadas de várias maneiras.

Ironicamente, os padrões para impressões 3D de alta resistência são frequentemente usados com densidades mais baixas de preenchimento devido a visual com apelo estético. O que realmente pode funcionar para alguns fabricantes que gostam desse tipo de efeito.

Impressões 3D Flexíveis

Preenchimento no Cura - Impressões 3D Flexíveis

As peças que exigem maior flexibilidade podem ter densidade de preenchimento de 0 a 100% dependendo de quão dobrável sua impressão precisa ser. Aqui os padrões indicados são:

  • Concêntrico: é um padrão que produz “ondas” no interior da impressão, imitando as formas das paredes externas.
  • Cruz: esse tipo produz grades que muito se parecem com cruzes muito elaboradas. Além de um visual interessante, os espaços entre elas permitem dobrar e torcer a impressão.
  • Cruzar 3D: semelhante ao cruzado, este padrão 3D conta com linhas que se movem em inclinações conforme a impressão cresce. Se trata também do padrão com mais rigidez entre os indicados para peças flexíveis.

Altura de camada e densidade do preenchimento no Cura

Altura de camada e infill do Cura

Definir a altura da camada é importante, pois interfere na qualidade visual e no tempo de impressão da peça. Em relação a densidade de preenchimento da impressão 3D, é a quantidade de plástico aplicado no interior do objeto, no qual uma densidade mais alta significa uma peça mais pesada e uma densidade mais baixa uma peça mais leve.

É por isso que saber configurar corretamente a densidade de preenchimento das suas impressões 3D fará toda a diferença no resultado final, já que densidades menores são indicadas para modelos com uma finalidade visual, e densidades maiores aplicam-se a peças para uso final.

Então agora você já sabe os tipos de preenchimento do Cura, que tal testar você mesmo cada um deles? Aproveite também para conferir o nosso conteúdo sobre Plugins do Cura!

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

42 termos que você precisa conhecer no Glossário de Impressão 3D!

Para quem deseja se tornar um especialista em impressão 3D, conhecer os principais termos é fundamental. O glossário de impressão 3D é bastante amplo e dá para criar um dicionário bem completo!


Cada nicho de mercado tem termos e curiosidades bem específicos, e na impressão 3D não é diferente. Hotend, layer e under extrusion são exemplos de termos comumente relacionados no dia a dia de quem trabalha com uma impressora. Por isso, é muito interessante conhecer um glossário de impressão 3D. Muitas palavras em inglês são utilizadas e se você não domina a língua, isso pode se tornar um problema na hora de solucionar os problemas.

Selecionamos tudo que você precisa saber para se tornar um especialista no assunto, seja você um iniciante, intermediário ou usuário avançado. Confira!

Glossário de impressão 3D

1. 3D Printer

3D Printer é a impressora 3D. No mercado existem diferentes marcas e modelos, cada um com suas características e diferenciais. As marcas nacionais são ótimas e apresentam modelos bem interessantes.

2. Fatiador

O fatiador é o programa utilizado para converter o modelo criado em 3D para coordenadas, a máquina entenderá o que deve ser feito através de posicionamento.

3. Extrusor

3. Extrusor

 

 

O extrusor é o principal conjunto de qualquer impressora 3D. Ele é a soma dos componentes que aquecem o filamento e depositam na mesa de impressão. Esse conjunto compreende o tracionador, dissipador de calor, bloco aquecedor e bico de impressão, além do resistor e termistor. Em algumas impressoras, ainda há o tubo de teflon.

4. Trator, ou tracionador

4. Trator, ou tracionador

O trator, ou tracionador, é o elemento responsável por fazer a movimentação do filamento, seja no sentido do extrusor, empurrando o material, ou na retração, puxando-o de volta. Basicamente, existem dois tipos de tratores: direct drive e bowden.

Na imagem acima estão mostrados os dois tipos, com uma variação. A ilustração da esquerda é do direct drive com redução. Do meio também é o direct, mas com o motor tracionando diretamente o filamento. Por último, a ilustração à direita mostra o sistema bowden.

5. Direct drive

Direct drive é o tipo de tracionador que fica posicionado junto ao carro de impressão. É um trator com redução ou que o motor traciona diretamente o filamento. A maior vantagem dessa opção é alcançada na impressão de filamentos flexíveis.

6. Bowden

O Bowden é o outro tipo de tracionador. A diferença é que nesse modelo o motor não fica posicionado no carro de impressão. Alguns fabricantes alegam que isso dá maior velocidade e menor vibração.

7. MK8

O MK8 é uma polia tratora conectada no motor, fazendo o tracionamento direto do filamento até o bloco aquecedor.

8. Hotend

O hotend é o conjunto que compreende os componentes que ficam expostos à temperatura mais elevada no extrusor, ou seja, o dissipador de calor, o bloco aquecedor e o bico de impressão.

9. Dissipador de calor, ou heatsink

O dissipador de calor é uma superfície aletada que fica posicionada entre o tracionador e o bloco aquecedor. A sua função é não deixar que o calor gerado no bloco seja transferido para áreas mais altas, por condução pelo filamento. Se o calor for transferido, o material expande e trava.

10. Bloco aquecedor

O bloco aquecedor é o penúltimo componente que o filamento atravessa até chegar na mesa de impressão. Esse bloco é o responsável por elevar a temperatura e fundir o material. Nele é posicionado e resistor e o termistor.

11. Resistor

O item 9 do nosso glossário de impressão 3D é a resistência que gera o aquecimento do bloco aquecedor. Por isso, ele é um dos componentes mais importantes em todo o conjunto do extrusor.

12. Termistor

O termistor é o componente responsável pela medição da temperatura do conjunto aquecedor. É muito importante que esse componente esteja funcionando corretamente para que a temperatura esteja correta. Caso contrário, a diferença do valor real e valor medido pode levar a falhas na impressão e até riscos na utilização da máquina, como super aquecimento.

13. Bico de impressão, ou nozzle

O bico de impressão é o último componente no caminho do filamento entre o tracionador e a mesa. O bico é como um funil, estreito no fundo. Normalmente, se utiliza bicos com saída de 0,4 a 1,0 milímetro.

14. Tubo de teflon

Basicamente, podemos distinguir as impressoras 3D em dois grupos: com tubo de teflon ou all metal. O tubo de teflon tem a função de conduzir o filamento. Cada fabricante de máquina trabalha com tamanhos diferentes de tubo, mas na maioria dos casos ele parte da entrada do dissipador de calor até o bico de impressão. A vantagem do tubo é uma melhor condução, com menor probabilidade de travamento, principalmente se for utilizado PLA. Porém, o teflon tem temperatura de amolecimento em torno de 250ºC, o que limita o uso de filamentos que precisam de temperaturas superiores a isso.

15. Allmetal

Allmetal representa a garganta  (heatbreak) do hotend  que não tem um tubo de teflon interno. A usinagem interna do canal deve ser bem feita para que o filamento não agarre. Em alguns casos, é interessante lubrificar o filamento com óleo ou azeite. Já a vantagem é a possibilidade de trabalhar com altas temperaturas, acima dos 250ºC limitados pelo teflon.

16. Bed, ou mesa de impressão

Bed é a cama de impressão, ou mesa. Normalmente, a mesa é composta por uma chapa metálica com sistema de aquecimento e um vidro por cima, em que o filamento extrudado é depositado.

17. PLA

O PLA é um dos materiais mais utilizados como insumo para a impressão 3D. A sigla representa o poliácido lático e é derivado de fontes naturais, como o amido de milho. As melhores características do PLA é a alta qualidade superficial, facilidade de impressão, possibilidade de utilizar o material em praticamente qualquer impressora 3D, além de ser um material biodegradável. Portanto, o PLA sempre será uma boa opção na sua impressora.

18. ABS

Provavelmente você nunca ouviu falar em Acrilonitrila Butadieno Estireno, mas ABS sim, certo? Essa é a abreviação desse nome complexo, de origem no petróleo. O ABS, assim como o PLA, também é bastante utilizado como insumo na tecnologia de impressão 3D. Sua alta resistência mecânica e a facilidade de dar acabamento são grandes atrativos para os usuários.

19. PETG

O PETG é um material que vem chamando a atenção de quem é apaixonado por impressão 3D. Na Europa e EUA, inclusive, esse material vem conquistando a preferência dos usuários. Ele mescla algumas vantagens do PLA e ABS, com alta resistência mecânica, possibilidade de ser impresso em qualquer máquina e ainda contar com boa resistência química e térmica.

20. Impressora fechada / aberta

Há várias maneiras de qualificarmos as impressoras 3D em grupos, e uma delas é se ela é aberta ou fechada. A primeira opção é ideal para impressão de PLA ou PETG, além de filamentos especiais com base em PLA. Já as impressoras fechadas são ótimas para o ABS, que possui alta contração e pode empenar se houver um fluxo externo de resfriamento.

Não há uma regra se a impressora aberta ou fechada é melhor ou pior do que a outra, o que deve ser observado é toda a sua estrutura. Impressoras com uma estrutura mais robusta são capazes de trabalhar em velocidades mais altas, mantendo um bom nível de precisão.

21. Stringing

21. Stringing

Stringing são as linhas de impressão que podem formar nas peças. Acontece que, se você tiver duas partes da peça distantes uma da outra, durante a movimentação do bico, o filamento pode “escorrer” um pouco, formando essas linhas.

Apesar de ser um problema, esse efeito pode ser facilmente retirado no acabamento posterior.

22. Overhang

22. Overhang

Overhang é, basicamente, a impressão inclinada, sem um suporte de sustentação. Essa característica está muito relacionada ao filamento e também ao resfriamento da peça. No caso de PLA, trabalhar com um cooler que resfria a peça ajuda bastante a impressora conseguir produzir peças com angulações maiores. No ABS deve-se tomar cuidado com esse cooler. Se ele jogar ar frio, pode empenar a peça, então o ar direcionado tem que ser quente.

23. Bridge

Bridge, em inglês, significa ponte. Em alguns casos, precisamos que a impressão se faça sem o suporte, com uma movimentação horizontal, formando uma verdadeira ponte. Para isso, é preciso contar com um filamento de qualidade, que garanta essa sustentação, além de trabalhar nos parâmetros corretos.

24. Skirt

24. Skirt

Quando você inicia uma impressão, já reparou que a máquina faz uma borda na peça? Já pensou para que serve isso? Esse é o skirt, em inglês, saia. O intuito disso é equalizar o fluxo de filamento, garantindo a deposição correta do material quando o bico começar a fazer a peça.

25. Brim

25. Brim

Em alguns casos, principalmente quando há uma área de suporte fino, o material pode não se sustentar na mesa, mesmo passando o adesivo fixador. Então, para aumentar essa fixação e garantir que a peça não se solte, é interessante habilitar o brim. Em inglês, o termo significa borda. A impressora fará uma espécie de borda ao redor da peça, garantindo a boa adesão na mesa.

26. Volume de impressão

O volume de impressão é a área que a sua impressora tem disponível para imprimir os projetos. Para conhecer esse valor, basta analisar as dimensões dos três eixos, no comprimento, largura e altura. Por exemplo, se a sua impressora tem as dimensões de 200x200x200 milímetros, esse é o seu volume de impressão.

27. Eixos X, Y e Z

A impressão 3D, como o próprio nome já diz, trabalha em três eixos: X, com movimento horizontal, Y, na profundidade e Z, na altura. É interessante conhecer bem sobre cada eixo para entender a movimentação e, caso você precise atuar manualmente na máquina, saber onde mexer.

28. Sílica

Poucas pessoas sabem, de fato, para que serve aquele pacotinho que vai junto ao seu filamento. Também encontrado em outros produtos, como sapatos e bolsas, esse item representa a sílica. O material retira a umidade do produto. Isso é muito importante para o filamento. Se ele pegar umidade, pode perder as suas características de impressão, prejudicando a qualidade das suas peças.

29. Warping

29. Warping

O warping é um defeito bastante conhecido e tem um lugar especial no nosso glossário de impressão 3D. Esse efeito acontece quando a peça começa a resfriar e empena. Como o resfriamento do objeto se faz no sentido das extremidades até o centro, as pontas se descolam e empenam.

Apesar desse problema ser comum no ABS, é possível resolvê-lo. Para isso, se quiser usar esse material, opte por uma impressora fechada ou use um fechamento para a mesma, junto com o adesivo fixador.

30. Duplo extrusor

Uma impressora 3D que consegue utilizar dois filamentos por vez, é chamada de duplo extrusor, ou dual extrusion. É possível mesclar as cores ou utilizar materiais diferentes, um em cada extrusor.

31. Fan / cooler

O fan é um acessório importante para a impressora. Ele tem a função de ventilar, enquanto o cooler resfria. No caso do dissipador de calor, por exemplo, o corpo aletado funciona como o cooler, enquanto o fan direciona a ventilação para a troca de calor.

Outra posição para se colocar o fan é na saída do bico, principalmente para PLA.

32. FFF

FFF é a configuração do fatiador Simplify3D, já mencionado nesse glossário de impressão 3D. Você pode importar o FFF com a configuração já pronta ou ainda colocar os seus parâmetros próprios.

33. STL

O STL é o arquivo dos modelos de impressão 3D. Existem alguns sites que você pode baixar o STL gratuitamente. Em outros, há venda dos modelos.

34. Filamento

O filamento é o insumo da impressão 3D. Existem diversos materiais diferentes, como PLA, ABS Premium, PETG, Flexível, HIPS e Wood. Escolha sempre filamentos de qualidade. Nós, da 3D Lab, prezamos muito em oferecer o melhor material aos nossos clientes para que as expectativas sejam superadas!

35. Infill, ou preenchimento

O preenchimento de uma peça é um dos parâmetros a serem escolhidos e, por isso, entra no nosso glossário de impressão 3D. Você pode variar o preenchimento, entre 0 (modo vase) até 100%, totalmente sólido. Cada projeto tem suas particularidades e a escolhe pelo preenchimento deve ser orientada de acordo com a necessidade.

Além disso, você também pode escolher a forma do preenchimento.

36. GCode

O GCode são as linhas de códigos responsáveis pelas movimentações da impressora. Você pode encontrar esses códigos dentro da configuração do fatiador.

37. Layer

Layer é a camada de impressão. A resolução das peças será medida justamente por ela, pela altura da camada. Quanto maior for, pior será a resolução. As layers habitualmente utilizadas variam entre 0,05 e 0,3 milímetros.

38. First layer

First layer é a primeira camada da impressão. Para que sua peça saia perfeita, é muito importante que a first layer fique bem. Ela será a base de todo o projeto. Se sair errado, o problema será somado com as camadas superiores.

Então, certifique-se que a primeira camada está homogênea, com o bico na distância certa da mesa e a adesão correta.

39. Top layer

Top layer é a camada de fechamento da peça. É muito importante configurar bem essas camadas para evitar que a peça tenha problemas no topo.

40. Adesão entre camadas

Adesão entre camadas é um importante termo do nosso glossário de impressão 3D. Ela pode ser resumida como a força de interação entre uma camada e outra. Se essa característica não estiver adequada, a peça pode se tornar frágil e quebrar com pouco esforço.

A adesão entre camadas também é uma característica do filamento. Por isso, mais uma vez, escolha materiais de alta qualidade!

41. Suporte

41. Suporte

O suporte nas peças permite que o bico deposite material onde não há filamento abaixo. Então, quando for depositar material sem uma camada embaixo, ele já cria um suporte para a sustentação. Esse suporte será facilmente removido após a impressão final.

42. Torre de temperatura

42. Torre de temperatura

A torre de temperatura é um termo bastante conhecido pelos amantes da impressão 3D. Ela representa um teste pré impressão, no sentido de encontrar a melhor temperatura de trabalho para o material. Na internet há vários modelos de torres, com a marcação das temperaturas. Assim, é possível observar o parâmetro mais indicado.

Portanto, vimos no nosso glossário de impressão 3D os principais termos relacionados a essa tecnologia. É muito importante conhecermos esses conceitos para sempre aprendermos mais e melhorarmos nossas impressões. Ficou muito claro que a qualidade das peças está bastante relacionada ao conhecimento da pessoa, ajustando corretamente os parâmetros da impressora, e também à qualidade do filamento. Então, utilize os nossos materiais para ter certeza que seus projetos serão um sucesso!

Se você conhece outro termo importante dessa tecnologia, deixe seu comentário aqui no conteúdo!

Aprenda como escolher o tipo e percentual de preenchimento na impressão 3D!

Aprenda como escolher o tipo e percentual de preenchimento na impressão 3D!

Você já parou para pensar qual a importância em saber as características dos tipos e percentual de preenchimento na impressão 3D? Isso é fundamental, uma vez que gera influência em toda a estrutura e resistência da peça. Além disso, também temos influência na quantidade de material gasto e no tempo de impressão.


Ah, não pode ler agora? Que tal ouvir este conteúdo? Basta clicar no play!

O preenchimento na impressão 3D tem grande influência em diversos parâmetros de uma peça, desde o tempo de impressão, quantidade de material gasto e resistência mecânica. Porém, pode não ser muito fácil entender, no momento de fatiar a peça no software de impressão, qual é a o preenchimento ideal, com o percentual e tipo.

É possível (e muito fácil) variar o preenchimento de uma peça, indo desde 0% de preenchimento, no modo vase, até um objeto sólido, com 100% de preenchimento. No entanto, qual é o mais indicado?

Neste post vamos discutir como analisar melhor o percentual e tipo de preenchimento para as peças da impressão 3D. Acompanhe!

 

Entenda quais são as partes de uma peça impressa

Uma impressão 3D padrão pode ser dividida em 4 seções. Os parâmetros dessas seções podem ser alterados para melhorar o seu resultado final. Então agora vamos ver quais são elas!

  1. Paredes ou cascos: são as paredes externas de um objeto, normalmente construídas verticalmente ao longo do eixo z;
  2. Camadas inferiores: são as camadas da impressão expostas à parte externa do modelo, voltadas para a mesa de impressão;
  3. Camadas superiores: são as partes da impressão expostas para o exterior do modelo, voltadas para cima, em direção ao bico;
  4. Preenchimento: é a estrutura interna da impressão.

 

Analise as opções dos tipos (formatos) de preenchimento

Além de variar o percentual, também é possível alterar o tipo, ou formato, do preenchimento. Cada formato agrega características distintas e essa escolha deve ser pensada de acordo com a necessidade do projeto, os esforços que a peça vai sofrer e em quais sentidos.

As opções de formatos dependem do software de fatiamento que você vai escolher. Os formatos mais comuns são os seguintes:

 

  • formato retangular: é um dos mais comuns e utilizados. Oferece uma boa resistência em todos os sentidos de carga e é fácil de ser impresso;
  • formato triangular: indicado para casos em que a resistência maior é necessária na direção da casca. O ponto negativo é que esse formato eleva o tempo de impressão;
  • wave: como o nome já induz, o preenchimento wave se faz em formas de onda. Indicado para peças que sofrem esforço de tensão ou compressão. Bastante utilizado em peças flexíveis;
  • honeycomb: esse é o modelo mais resistente entre as opções anteriores. Apresenta maior resistência em todas as direções, com pouco acréscimo no tempo de impressão.

Estude as influências do percentual de preenchimento na impressão 3D

Agora que já conhece os tipos de preenchimento, vamos analisar o que a mudança no percentual de infill pode gerar para seu projeto de impressão 3D:

Volume de material gasto

Quanto maior o infill, ou preenchimento, maior será o volume de material gasto. Isso é bastante claro e um dos principais pesos na escolha do preenchimento pelos usuários. Devemos sempre otimizar o projeto, gastando a menor quantidade possível de material, mas isso vai gerar impacto na resistência da peça, então deve haver um equilíbrio.

Resistência da peça

Falando da resistência, esse é o nosso segundo ponto de interferência que o percentual de preenchimento vai gerar na peça. Uma peça sólida, com 100% de preenchimento, vai ser mais resistente mecanicamente do que uma peça com 20%, claro.

No entanto, será que seu projeto realmente precisa dessa resistência? Peças decorativas, por exemplo, podem ser feitas com um percentual menor.

Tempo de impressão

Por fim, o tempo de impressão também é influenciado na escolha do percentual de preenchimento. A diferença de tempo no final da impressão de duas peças pode ser bem significativo. Só para ilustrar, fizemos uma análise comparativa com a impressão de um cubo com três percentuais diferentes de preenchimento. Veja abaixo:

 

#Dica extra: Use a espessura da parede para reduzir o porcentual de preenchimento

A parede externa é geralmente a primeira área impressa em qualquer camada. Isso significa que a espessura dessa parede está intimamente ligada à quantidade e porcentagem de preenchimento.

Quando você aumenta a espessura da parede externa de um objeto, também aumenta sua força. Então, o objeto se torna mais robusto e capaz de lidar com o estresse sem a necessidade de aumentar a densidade de infill.

A maioria dos programas de fatiamento permite ajustar a densidade da espessura da parede em áreas específicas do objeto. Oferecendo assim uma resistência localizada onde ela é mais necessária.

A espessura é geralmente medida nos diâmetros dos bicos de impressão. Se você decidir aumentar ligeiramente a espessura para reduzir os valores de preenchimento, certifique-se de que o valor é múltiplo do diâmetro do seu bico.

Realmente usar filamentos de boa qualidade durante a impressão ajuda! Especialmente se você estiver procurando maximizar a resistência ao mesmo tempo em que reduz a quantidade de material usado. É aí que o filamento de alta qualidade ajuda, suas impressões serão mais fortes, mas com um preenchimento menor (ou nenhum), você pode usar menos material e economizar mais tempo. Você ainda pode economizar dinheiro com menos impressões falhas ou partes inutilizáveis. 

Veja as regras de ouro dos tipos de preenchimento na impressão 3D!

  • Entenda a aplicação de uma peça antes de especificar a espessura da parede e a porcentagem de preenchimento. Isso porque o aumento na espessura da parede e no percentual de preenchimento aumentam a resistência, mas também o tempo de impressão e o custo;
  • projete a espessura das paredes como um múltiplo do diâmetro do bico;
  • para impressões retangulares e rápidas, use o preenchimento adequado para melhorar a velocidade de impressão. Se a resistência for crítica para a geometria de colmeia ou triangular, aumente o preenchimento quando comparado ao infill da geometria retangular.

No final, quando se pensa em preenchimento, você deve sempre lembrar a relação entre força, custo e tempo de impressão. Cada aumento na força de um objeto vem com um acréscimo correspondente no custo e no tempo de impressão.

O segredo para o uso bem-sucedido dos tipos de preenchimento na impressão 3D é encontrar o ponto ideal em que a força suficiente é obtida para o propósito planejado de um objeto, com custo e tempo sendo mantidos dentro de parâmetros aceitáveis.

Portanto, agora que você já sabe como equilibrar as configurações de tipos de preenchimento na impressão 3D com tempo e custos, confira nosso conteúdo sobre como aumentar a resistência mecânica de suas peças!